Lava Jato em Curitiba destaca importância de MPF “independente de conjunturas políticas”

Pedido do grupo acontece em meio a crise entre a PGR e a força-tarefa

Sarah Teófilo
Correio Braziliense

Os procuradores da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba (PR) divulgaram uma nota no início da noite desta quarta-feira, dia 1º, pedindo que o Ministério Público Federal (MPF), “em todas as instâncias, seja independente em relação às conjunturas políticas”. A nota é uma resposta dos integrantes da força-tarefa a uma matéria do portal Poder360.

O pedido do grupo acontece, ainda, em meio a uma crise entre a PGR e a força-tarefa. Na semana passada, a subprocuradora-geral, Lindôra Araújo, auxiliar próxima do procurador-geral Augusto Aras, fez uma visita à equipe de Curitiba.

ACESSO A DADOS – Procuradores assinaram um ofício que foi enviado à Aras no qual reclamavam de Lindora, dizendo que ela, que é coordenadora do Grupo de Trabalho da Lava-Jato na PGR, pediu procedimentos e bases de dados, mas “sem prestar informações sobre a existência de um procedimento instaurado ou escopo definido”. Uma sindicância foi aberta pela corregedoria para apurar o caso.

Após o caso, três procuradores da força-tarefa da Lava-Jato em Brasília pediram demissão. A PGR, então, divulgou uma nota no dia 26 dizendo “estranhar” a reação dos procuradores de Curitiba, e ressaltando que há intercâmbio de informações entre a PGR e as forças-tarefas. “Não se buscou compartilhamento informal de dados”, pontuou.

OBEDIÊNCIA – Depois, divulgou outra nota, desta vez mais dura, dizendo a Lava-Jato “não é um órgão autônomo e distinto do MPF, mas sim uma frente de investigação que deve obedecer a todos os princípios e normas internos da instituição”. A PGR falou ainda “aparelhamento”.

“Para ser órgão legalmente atuante, seria preciso integrar a estrutura e organização institucional estabelecidas na Lei Complementar 75 de 1993. Fora disso, a atuação passa para a ilegalidade, porque clandestina, torna-se perigoso instrumento de aparelhamento, com riscos ao dever de impessoalidade, e, assim, alheia aos controles e fiscalizações inerentes ao Estado de Direito e à República, com seus sistemas de freios e contrapesos”, pontuou.

Nesta quarta-feira, a PGR divulgou mais uma nota dizendo que o compartilhamento de dados das forças-tarefas da Lava-Jato é amparado por decisões judiciais. Segundo a procuradoria, o ex-juiz Sergio Moro, quando era titular da 13ª Vara Federal de Curitiba, Moro autorizou o compartilhamento das informações da Lava-Jato para o Supremo Tribunal Federal (STF) e pela PGR, junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

21 thoughts on “Lava Jato em Curitiba destaca importância de MPF “independente de conjunturas políticas”

  1. Sr, Newton, por falar em Lava-Ratos, veja que interessante está matéria do Municipio de Ferraz de Vasconcelos, região Metropolitana do Tucanistão,.

    Condenada por fraudes ganha cargo de combate à corrupção.

    Márcia Castello será assessora de ‘Políticas Públicas de Transparência e Combate à Corrupção’ de Ferraz de Vasconcelos
    Rayssa Motta e Fausto Macedo

    https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/condenada-por-fraudes-ganha-cargo-de-combate-a-corrupcao,286946d073225cfc6dc92cfdf66fba78x5hh0hd0.html

  2. Vocês pegam o que for contra o PT mas ignoram o fato de que corrupção nas instituições públicas ocorrem mesmo depois de a lava jato ter feito tudo o que fez e ter ainda destruído empresas nacionais.

    A questão do Banestado não foi à frente por atingir altas figuras da direita que serve – desde sempre – aos norte-americanos.

    Já para tomar o poder, essa direita (não só políticos) buscou reforços e se uniu à direita que integra órgãos públicos do Ministério Público e do Judiciário para através do lawfare destruir o partido então no poder.

  3. O assunto está ficando, além de polêmico, passional, e é o tipo situação onde não gosto de palpitar, mas quando pressinto a insídia de infiltrando, não aguento e quixotismo aparece. Será que alguém em sã consciência pode apontar um cidadão brasileiro mais investigado do que o Dr Sérgio Moro? Será que os governos de Dilma, Temer e Bolsonaro, com suas superestruturas de investigação auxiliadas pelas elites econômicas corruptas, pelos militantes fanatizados e membros do Judiciário corroídos pela inveja não conseguiram levantar um crimezinho que seja? Pensem honestamente, por favor.

    • Assista o programa do Reinaldo Azevedo de hoje, criador do termo “petralha”.
      Cito-o por ser persona insuspeita, conservador radical.
      Talvez atenue o seu sentimento de insídia e deixe as coisa as claras.

      • Fique tranquilo, há gente séria que já sentiu o cheiro de carniça emanado da Lava Jato de Curitiba.
        Com essa gente não se brinca, disputam Pulitzer.
        A infiltração vem de outros cómodos, já investigou o teto do seu quarto?

        • Bom dia Sr Jaco, assisti o Sr Reinaldo, não até o fim, não consegui, nunca foi meu modelo de jornalista nem de pessoa. Eu vi a exposição de alguns poucos fatos e muitas suspeitas temperados com muita animosidade e sofismação, condenando possíveis deslizes técnicos sem consequências legais ou morais para os objetivos da operação. Mais uma vez, uma pessoa insuspeita não conseguiu mostrar um inocente investigado, processado ou condenado pela Lavajato e pior, parece que, talvez por ingenuidade, inveja ou outros interesses, estaria colaborando com o grande plano do Romero Jucá, derrubar a prisão em segunda instância, inocentar Lula e desmoralizar a Lavajato e aí, impunidade total para o Sistemão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *