Lavanderia de dinheiro sujo da família Lula funciona no Panamá

Charge do Alpíno (Yahoo)

Ricardo Brandt, Fausto Macedo e Julia Affonso
Estadão

Um relatório da Polícia Federal na investigação que tem como alvo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva destaca viagens feitas por familiares e amigos ao Panamá. Principal escala para as paradisíacas praias caribenhas, como as da República Dominicana, o país é também um dos destinos de investigados pela Operação Lava Jato para a abertura de empresas offshores – que foram usadas para movimentação de propina em contas secretas no exterior. O Relatório de Análise 769, da PF, apresenta dados dos familiares de Lula, seus irmãos José Ferreira da Silva, o Frei Chico, e Genival Ignácio da Silva, o Vavá, e do sobrinho Taiguara Rodrigues dos Santos. O documento inclui “os vínculos societários dos mesmos e seus familiares, bem como, outras informações relevantes”.

Uma das viagens ao Panamá destacadas pela PF é a de Fábio Luis Lula da Silva, o Lulinha, em novembro de 2014. No mesmo voo estavam Fernando Bittar, sócio e dono, na escritura, do papel do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), que a força-tarefa diz ser do ex-presidente, e o primo Taiguara.

Fernado Bittar é sócio, junto com o irmão Khalil Bittar, de Lulinha na G4 Entretenimento e Tecnologia Digital, Gamecorp e BR4 Participações. O relatório não imputa crimes aos investigados, mas a Lava Jato suspeita que a família Bittar e até mesmo familiares possam ter servido para ocultar bens e patrimônio do ex-presidente.

LULA SE DEFENDE…

A defesa do ex-presidente Lula nega que ele seja dono do sítio em Atibaia. Segundo ele, o imóvel foi comprado em 2010 pelo amigo Jacó Bittar, ex-prefeito de Campinas do PT, e colocado em nome do filho Fernando. A propriedade serviria para propiciar o “convívio entre as duas famílias”. Ontem, por meio da assessoria de imprensa do Instituto Lula, ele atacou o relatório que analisou viagens internacionais da família.

“Esse relatório, e seu vazamento para a imprensa, é só mais uma amostra do grau de obsessão da Operação Lava Jato em perseguir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mesmo sem haver nenhum indício de qualquer crime cometido pelo ex-presidente ou de qualquer relação destas pretensas investigações sobre sua família com os desvios da Petrobras que são a razão de ser da Operação”, informa o instituto. “Não faz nenhum sentido a perda de tempo de funcionários do estado e de recursos públicos listando viagens ao exterior de familiares do ex-presidente que não exercem cargos públicos nem estão sendo acusados de qualquer crime.”

ABERTURA DE OFFSHORES

Fernando Bittar viajou para fora do País seis vezes com Lulinha, segundo o documento da PF. O relatório não aponta o destino final das viagens. O levantamento foi feito, no entanto, porque alguns dos alvos da Lava Jato usaram o Panamá para abertura de offshores. Alguns nomes ligados ao PT, como o ex-ministro José Dirceu e a cunhada do ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto apareceram com elos no país.

No caso de Lulinha, a PF analisou suas viagens entre 23 de setembro de 2007 e 7 de novembro de 2014. O documento, assinado pelo delegado Márcio Anselmo, registra que considerando o “período e voos “foi realizada pesquisa visando identificar as pessoas que, com maior frequência viajaram nos mesmos voos tomados por Fábio Luis Lula da Silva, desconsiderando-se aqueles com uma única viagem (trecho) em comum”.

UM OUTRO FILHO

Envolvido na operação Zelotes, outro filho de Lula, Luis Claudio Lula da Silva, também teve suas viagens internacionais analisadas. Ele foi ao Panamá em janeiro de 2015.

“Cabe observar que no voo CM0700, da Copa Airlines, saindo de São Paulo/SP em 2 de janeiro de 2015 com destino a Cidade do Panamá/Panamá e com retorno através do voo CM 0795, em 13 de janeiro de 2015, transportou em comum Luis Claudio Lula da Silva, seu cônjuge Fátima Rega Cassaro, Lilina Rega Cassaro e Marcos Gomes Cassaro”, registra o relatório. “Estes últimos, pais de Fátima e, à época, sócios de Luis Claudio na empresa Silva e Cassaro Corretora de Seguros Ltda.”

Luis Claudio é investigado pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal em outra frente: ele é alvo da Operação Zelotes. Por meio de suas empresas, a LFT Marketing Esportivo e a Touchdown Promoção e Eventos Esportivos, ele é suspeito de recebimentos de empresas em um esquema milionário de suposta venda de medidas provisórias no governo.

SOBRINHO DE LULA

A PF destacou que Taiguara, sobrinho de Lula, viajou três vezes para o Panamá no ano de 2014 – uma delas com Lulinha e Fernando Bittar, o dono do sítio.

Taiguara é filho de Jacinto Ribeiro dos Santos, conhecido como Lambari, irmão da primeira mulher de Lula, Maria de Lourdes da Silva – já falecida. Seu nome é conhecido em Brasília, como o “sobrinho de Lula”. A PF anexou uma reportagem da revista Veja, no relatório, sobre a ascensão de negócios a partir de 2009, com citação a contratos em Angola e com a Odebrecht – alvo da Lava Jato. Ele é dono da Exergia Brasil Projetos de Engenharia.

“Taiguara, no ano de 2014, viajou três vezes para a Cidade do Panamá/Panamá, primeiramente, utilizou o voo de saída CM0702 em 26 de março de 2014 e retorno pelo voo CM0725 em 3 de abril de 2014”, aponta a PF. Há ainda registro de voo no dia 7 de setembro do mesmo ano e retorno no dia 11. E um terceiro, em novembro, tendo o primo Lulinha e o dono do sítio Fernando Bittar como passageiros comuns. Um dos acompanhantes das viagens trabalha na Exergia.

No mesmo ano, a PF destaca que o sobrinho de Lula viajou para a Lisboa, em Portugal, duas vezes para Angola e uma para Paris.

ATÉ O IRMÃO FREI CHICO…

Há ainda o destaque para viagem feita por Frei Chico, com familiares. Consta uma saída do Brasil com destino ao Panamá no dia 12 de dezembro de 2012 com retorno no dia 28. Há ainda um retorno no dia 11 de março de 2015 do Panamá, “não constando no sistema a data de sua saída do Brasil”. Estavam no voo sua mulher, dois filhos e uma neta.

“Apesar de não constar a saída do território brasileiro de José Ferreira da Silva, em relação ao voo de retorno (CM0709) da Cidade do Panamá em 11 de março de 2015, pode-se afirmar que trata de voo CM0702 de 28 de fevereiro de 2015, tendo em vista o registro de saída de sua esposa Ivene e filha Larissa, as quais também consta do voo de retorno”, registra a PF.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – Contagiada pela ignorância e prepotência de Lula, a família inteira se julgou acima da lei e da ordem. Esta investigação da força-tarefa, que está apenas se iniciando, vai devassar a lavanderia de dinheiro sujo da família Lula da Silva, que agora já se sabe que foi estabelecida no Panamá. Como dizia Ibrahim Sued, gente fina é outra coisa. (C.N.)

13 thoughts on “Lavanderia de dinheiro sujo da família Lula funciona no Panamá

  1. O Filho da Lambari, Taiguara, tinha uma micro empresa de fechamento de varandas em Santos. Foi á Cuba como representante da Odebrecht na Fihav , Feira de negócios em Havana. Já a empresa Silva e Cassaro Corretora de Seguros Ltda tinha entre outras, a atividade de vender seguros de saúde para empreiteiras, talvez isso explique porque o PT sucateou propositadamente os Hospitais Universitários, vários deles Hospitais de referência, para privatiza-los através da HEBERH. Tudo isso sob os aplausos da UNE….

  2. A inflação do Mortadela Day….

    ” Segundo a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), 546 ônibus foram autorizados a entrar em Brasília para a manifestação em defesa do governo. Minas deve enviar 74 ônibus para a capital.

    Do Distrito Federal serão 84, que buscarão manifestantes em 12 acampamentos de sem-terra no entorno.

    Dependendo do Estado, o vale-mortadela varia entre 70 e 150 reais por pessoa.

    A estimativa da Polícia Militar é de 20 mil pessoas. Os organizadores, que chegavam a alardear que levariam 100 mil à Esplanada dos Ministérios, à noite informavam à PM a estimativa de 20 mil pessoas.

    O discurso do ex-presidente Lula na manifestação deverá ocorrer às 20h.

    ( Radar Veja ).

    • Caro Sr.Virgilio, um adendo:financiados com os recursos provenientes da “contribuição sindical” repassada as centrais e sindicatos, sem nenhum controle dos gastos, 1 dia de trabalho(meu, seu, nosso) para sustentar esta corja de vagabundos defendendo o governo mais corrupto da história brasileira, é revoltante!

    • Famílias , famílias… Ou mais uma BARROsada ???

      Unidos contra o impeachment
      Brasil 31.03.16 10:10
      A comissão do impeachment vai ouvir hoje a opinião isenta de Ricardo Lodi, sócio do sobrinho do ministro Luís Barroso no escritório de advocacia que tem contrato milionário com a Eletronorte.

      Lodi foi um dos organizadores de protesto contra o impeachment na Faculdade de Direito da Uerj.

  3. E La Nave Va….

    Depois de estar negociando com o PR, via Waldemar da Costa Neto, que se encontra em prisão domiciliar, agora a Dilma nomeia esse senhor, um exemplo de ‘moralidade’ com a coisa pública…

    ” A presidente Dilma Rousseff indicou o ex-senador Luiz Otávio Oliveira Campos, do Pará, para exercer o cargo de diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

    Luiz Otávio Campos foi investigado e condenado em 2012 a 12 anos de prisão por desviar 12 milhões de reais da Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame). Em 2013, entretanto, seu caso foi arquivado.

    Sua indicação atende ao ministro dos Portos, Helder Barbalho, e seu pai, o senador Jader Barbalho, e faz parte das negociações para manter o ministro no governo a despeito da decisão do PMDB de romper com Dilma.

    Luiz Otávio assumiu a vaga de senador com o apoio de Jader Barbalho em 1999.

    A indicação do aliado da família Barbalho para a Antaq terá de ser aprovada pelo Senado. O diretor da agência tem mandato de 4 anos”.

    ( Radar Veja ).

    • Três prefeitos e um ex-senador pelo Pará foram condenados na última semana pela Justiça Federal do estado por desvio de recursos públicos, em ações apresentadas pelo Ministério Público Federal (MPF). Todos serão obrigados a devolver os valores à União.

      O ex-senador Luiz Otávio de Oliveira Campos (PMDB-PA) e outros seis ex-integrantes do grupo Rodomar, acusados pelo desvio de 12 milhões de reais em recursos da Agência Especial de Financiamento Industrial (Finame), foram condenados a 12 anos de prisão cada, em regime fechado e multa.

      Há 20 anos, o grupo viabilizou o empréstimo para construir balsas, mas nunca realizou a obra.

      Em São Sebastião da Boa Vista, os ex-prefeitos Benedito Odival Oliveira Gomes e Violeta de Monfredo Borges Guimarães receberam punições por desvios no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

      Como Gomes, acusado de improbidade administrativa, faleceu, seus herdeiros ficam obrigados a devolver 1,8 milhão de reais e correção monetária aos cofres públicos. Já Guimarães e outros quatro ex-integrantes da comissão de licitação do município deverão ressarcir em 1,5 milhão à União, além de juros e correção monetária.

      Os acusados foram multados em 100 mil reais cada e perderam os direitos políticos por dez anos.

      Em Ponta de Pedras, a ação do MPF culminou na condenação a seis anos de reclusão do ex-prefeito Bernardino de Jesus Ferreira Ribeiro, acusado de desviar 37 mil reais de um convênio entre o município e o Ministério do Meio Ambiente. Além dele, o engenheiro Nelson Lopes da Silva Chaves, que segundo o Ministério Público ajudou a falsificar documentos e recibos, recebeu pena de cinco anos de reclusão.

      Ambos não poderão exercer cargo ou função públicos por cinco anos e deverão ressarcir os cofres públicos.

  4. E melhor prender logo essa familia de bandidos antes que escapem para a Italia, com os bilhões que roubaram talvez ficaria mais difícil repatria-los. E melhor prevenir do que remediar.

Deixe uma resposta para carlos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *