Legalizar o aborto é um dos temas mais polêmicos a serem debatidos na Câmara

Imagem relacionada

Maioria das mulheres apoia, mas o tema continua a ser polêmico

Juliana Cipriani
Correio Braziliense

No Congresso Nacional, um dos mais polêmicos temas do país voltará a ser debatido agora, após o recesso parlamentar.  É a regulamentação do aborto, que voltou a ser prioridade e depois da decisão do Supremo Tribunal Federal, tomada no final do ano. O plenário do STF decidiu que a interrupção da gravidez até o terceiro mês não é crime, reativando um antigo debate na sociedade.

Foi a deixa para o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), criar uma comissão para discutir o assunto. O grupo, instalado no início de dezembro, vai aproveitar a discussão sobre a extensão da licença maternidade para mães de prematuros para incluir a regra sobre o aborto na PEC 58/11.

CÃMARA X SUPREMO – Os deputados da comissão entenderam que o Supremo usurpou competência do Legislativo e, em sua maioria, consideraram equivocada a posição do Judiciário. Na sugestão apresentada ao portal E-Cidadania, para consulta pública, o resultado até agora é favorável à legalização. Antes do recesso, entre os 402,1 mil internautas que já tinham se manifestado sobre sugestão popular de regulamentação do aborto voluntário no Sistema Único de Saúde (SUS), 206,4 mil foram a favor e 195,7 mil, contra a ideia de regulamentar o aborto no SUS dentro das 12 primeiras semanas de gestação.

Isso prevê o fornecimento de todas as informações necessárias para a mulher tomar a decisão e a prática de técnicas adequadas para, se for o caso, interromper a gestação sem risco à paciente.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGQuando souber do resultado da consulta popular, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Ives Granja Filho, irá à loucura. Cotado para uma cadeira no Supremo, ele é radicalmente contra o aborto. (C.N.)

52 thoughts on “Legalizar o aborto é um dos temas mais polêmicos a serem debatidos na Câmara

  1. Consulta pela internet não alcança a população evangélica mais pobre e assemelhados. Em um plebiscito ou referendo o resultado deve ser outro. Mas como o governo cg e anda para consulta popular, tanto faz, né?

    • Exatamente! Aborto provocado, onde a gestação não apresenta risco de morte à mãe, é ASSASSINATO COVARDE! Não há como tergiversar!

      Mas eu vou além! Essa conversa de que o SUS teria estrutura para realizar “abortos seguros e com dignidade” é uma mentira! É coisa de quem NÃO conhece a fundo a situação caótica na qual o SUS se encontra hoje!

      Também é mentirosa a tese de que é gigantesco o número de mulheres que morrem em decorrência de tentativas de abortos feitos de formas clandestinas, tanto em clínicas, quanto fora delas, usando-se medicamentos abortivos. E também mentirosa a afirmação de que se fossem tais abortos feitos de forma oficializada os tais números despencariam.

      Sociedades “ditas” desenvolvidas, mas IMORAIS em relação à vida humana, legalizaram abortos em seus territórios usando de argumentos semelhantes.

      Que o nosso Brasil não adote desculpas semelhantes para que consiga legalizar tais assassinatos!

  2. Quando começa a vida? Na concepção, 1 dia ,depois…Após 2 , 3 meses?? Na dúvida, melhor não abortar. No meu entender , é ASSASSINATO,sim! Uma medida mais fácil a ser tomada , já que investir em educação nunca foi prioridade deste governo e dos anteriores.. Hajam vista os péssimos resultados obtidos NO PISA. Fácil colocar a culpa no precário sistema de saúde .

  3. E ,ainda, tem coragem de chamar aborto de INTERRUPÇÃO da gravidez.. Concordo ,plenamente, e acrescento : interrupção dá gravidez através de ASSASSINATO de um ser que não tem condições mínimas de se defender. Que sociedade é essa que mata os indefesos?Francamente….

  4. Hoje defende-se o aborto, assassinato feito ainda dentro do corpo físico da mulher.

    Amanhã defender-se-á o assassinato do recém nascido, acatando a alegação da mãe de que se decidiu “com atraso” a não criar mais a criança, por motivos pessoais!

    Afinal, para os assassinos e seus simpatizantes não há limites!

  5. 1) Sou conta o aborto, é assassinato de quem não pode se defender. A vida começa na concepção.

    2) Não é só questão religiosa é respeito à vida. Humanismo.

    3) Sou contra a pena de morte, sou contra as armas nucleares, sempre defendi a prisão perpétua, os campos de ressocialização, as prisões agrícolas.

    4) Que se faça um plebiscito nas próximas eleições. Tenho minhas dúvidas se será aprovado.

    5) “Zigoto é vida humana

    “Mais de 1 milhão de pessoas, na Espanha, já assinaram o Manifesto de Madrid contra o aborto. A lista iniciou como um movimento de cientistas, acadêmicos, especialistas nos campos de genética, embriologia, medicina, biologia, histologia, antropologia e filosofia, mas agora expandiu-se para diversos setores da sociedade.

    “Com base em argumentações científicas, o manifesto “defende a vida humana em seu estágio inicial, embrionária, fetal e rejeita a sua instrumentalização a serviço de grandes interesses econômicos e ideológicos”.

    “Mônica López Barahona, consultora na área de bioética das Nações Unidas e diretora acadêmica do Centro de Estudos Biossanitários afirma: “O zigoto é vida, é vida humana, é um indivíduo único da espécie humana. Ele tem os mesmos direitos que qualquer outro indivíduo da espécie humana. Por este motivo, entrar em certas definições de termos não é aceitável, se pertence ou não à espécie humana segundo o número de células que tenha ou os quilos que pesa”.

    “A notícia está no boletim semanal Serviço Espírita de Informações, de 15/08/2009, nº 2159, http://www.lfc.org.br/sei de lá tem o link para a matéria na Espanha.”

  6. Sou contrária ao aborto. Não porque a religião católica, a minha, condena; não porque a lei diz que não pode.

    Vem de dentro de mim, lá do fundo, a convicção.
    E minha teoria é banal e não é. SE as mulheres pudessem ver com antecedência a carinha do miolo de carne que desejam jogar fora, não abortariam.

    As mulheres abortam porque o abortado não tem cara, simples assim. Não conseguem amar a não-forma.

    Lembro da irmã de uma amiga contando que pensou em abortar a filha mais nova. Filhos criados, o casal já mais velho, tentaram conseguir o intento. Não conseguiram, a consciência não deixou, não permitiu.

    A filha que iriam abortar deveria ter uns 9 anos quando a mãe me disse: “Nem fala isso, só de pensar no que pensamos em fazer me dá muita angústia. Olho pra ela e penso que ela poderia não ter nascido.”

    Ter filho é uma questão de responsabilidade. Não quer, cuide-se para não engravidar, não acho justo jogar a responsabilidade pela não-vida nas costas de quem tem o direito de viver.

    Muitas mulheres, infelizmente, tratam a questão como se fossem do sexo masculino, que me desculpem os homens, mas Deus deu às mulheres o privilégio de gerar filhos. Está nas mãos delas. Nas nossas mãos.

    O que escrevo vem de dentro de mim, do meu sentimento em relação ao assunto, nada mais.
    Não é porque é pecado (a gente peca tanto, não é mesmo?), nada me influencia a não ser eu mesma.

    Cada uma deve fazer o que manda sua consciência. A minha é essa.

    • Concordo inteiramente, Ofélia. Não sou religiosa e sou contra. Este papo de faz quem quer é relativo, mata quem quer também, não é? Rouba quem quer…
      Sem falar como o caótico SUS poderia atender e como seria injusto com tantos outros na fila por cirurgias.
      Abraços

  7. Em nossa sociedade moralmente atrasada há evidentemente (em relação à prática assassina do aborto) os assassinos, os seus cúmplices, e também os seus simpatizantes.

    É natural que eles estejam presentes. Do contrário não seríamos mais tal sociedade moralmente (ainda) atrasada.

    Mas nós, que já despertamos para a defesa da vida, continuaremos manifestando as nossas opiniões.

    E lutando contra a aprovação dessa prática assassina do aborto provocado, em situações onde a gestação não apresenta risco de morte à mãe.

  8. O desenvolvimento moral independe do desenvolvimento intelectual, e vice-versa. Podem ocorrer de forma equitativa ou não.

    Por isso a sociedade está repleta de indivíduos com grande desenvolvimento intelectual, mas com baixíssimo desenvolvimento moral.

    E o contrário também é comum: indivíduos com grande desenvolvimento moral, mas com baixíssimo desenvolvimento intelectual.

    E há também aqueles carentes dos 2 tipos de desenvolvimento, moral e intelectual.

    Assim como há aqueles altamente desenvolvidos tanto moralmente, quanto intelectualmente.

    E como uma sociedade é a soma dos seus indivíduos, há sociedades altamente desenvolvidas intelectualmente, mas pouquíssimo desenvolvidas moralmente.

    Da mesma forma que outras são o contrário. Mas há aquelas sofríveis nos 2 tipos de desenvolvimento, como há também as que já atingiram ótimos níveis nos 2 tipos.

  9. Sou contra a pena de morte e ao aborto. Se tivéssemos de fato plebiscitos teríamos talvez uma melhor sociedade. O CN quanto fala de políticas é Mil. Mas quando escreveu sobre suas convicções ideologicas está capotando em alta velocidade. Mas é um direito ao pensamento.

      • São as ideias do Gandra, Newton. Mas a população mesmo já nem está mais aí pra isso. Poucos ligam pro assunto. Normalidade total.

        O Marcelo Tas também ajudou muito ao mostrar seu filho, que era filha, e hoje trabalha nos EUA como advogado. E casado. Com um homem. Tudo normal, natural.

        E a Globo ajudou nessa reviravolta.
        Mateus Solano é um brilhantíssimo ator. E seu relacionamento com Tiago Fragoso na novela cujo nome não lembro mais, na qual Solano fazia o Félix, mudou a cabeça, a visão de muita gente sobre o tema.
        A Globo é poderosa. E apenas ‘enfeitou’ a realidade que já existe desde que o mundo é mundo.

  10. Dois, três anos atrás, a Tribuna da Internet propiciou uma vasta discussão sobre o aborto.

    Eu sempre me posicionei contra esta prática de se livrar de um ser indefeso, ainda mais sob a alegação que a mulher é dona de seu corpo, portanto, a decisão deve ser dela neste aspecto.

    Não só se trata de uma interpretação errônea, quanto isenta desta responsabilidade o pai, que deve ser consultado, mesmo que seja um assassinato.

    Sobre as condições materiais de pais que insistem em ter filhos, o contrário do aborto, porém quase com as mesmas implicações de se estar matando uma criança porque sem alimentos e cuidados necessários, também seria VITAL um projeto para esterilização de pais muito pobres e que já tiveram filhos, então por que mais?

    Ora, na razão direta que a mãe e o pai, caso decidirem matar o filho que fizeram através do aborto é crime, trazer para este mundo uma vida que será caracterizada pela miséria e carência em todas as áreas fundamentais para o crescimento de uma criança, IGUALMENTE ESTA DECISÃO NÃO PODERIA SER DEIXADA APENAS PARA O CASAL, mas o Estado deveria intervir!

    Em resumo:
    Se o aborto é assassinato covarde, indiscutivelmente, da mesma forma será permitir que pais sem condições tenham filhos, haja vista que não serão sustentados, passarão fome, sede, não terão atendimento qualquer, e condenados em consequência à miséria, à pobreza absoluta!

    OBSERVEM:
    Não estou defendendo o aborto nessas condições de penúrias, mas admitindo que a esterilização – portanto sem que o filho esteja no ventre da mãe – seja posta em prática em casos que citei, pois se não se pode matar a criança, muito menos podemos condená-la a uma existência miserável, infeliz, e descuidada!

    Lamento, mas a situação financeira do casal deveria ser analisada pelo governo, caso se interessasse pelo povo, claro, o que não acontece.

    Pobre, miserável, que não seja negado ao casal o direito de ter um filho, UM FILHO, e que esta criança fosse monitorada pelo serviço social, que deveria existir e controlar esses nascimentos ou abortos.

    Muito antes de a mulher decidir abortar, que tenha o filho e o entregue à doação, onde uma agência ou órgão específico acompanharia esta gestação, menos abortar e matar uma pessoa que poderia ser um grande vulto, como também um assassino em série, mas ao ser humano é negado este poder de matar ou decidir quem vive ou quem morre!

    Não quer o filho?
    O pai desapareceu e também não o quer?
    A mãe irá gestá-lo e depois o entregará para ser doado.

    E, inegavelmente, a falta de Planejamento Familiar tem sido o responsável por crianças abandonadas ou criadas inadequadamente, razão pela qual não aceito e rejeito que a sociedade seja culpada pelas crianças que hoje vivem miseravelmente, pois muito antes de culpar a cidadania por onde andam os pais desta criança?
    Por onde estava o serviço social?
    O que fazia o Estado, a não ser permitir que lhe roubem e o explorem?

    Aborto é uma discussão muito difícil, mas como escreveram não tem relação alguma com religião, pois é crime, assassinato.

    E, se em alguns locais pode ser praticado este crime, lamento a falta de consciência humana, a falta de moral, a falta de amor por um ser humano indefeso!

    • Bendl, meu amigo, não estamos na Escandinávia. Claro que você sabe.

      Deveria haver uma campanha do governo para limitar a prole. Não pelos motivos chineses, mas porque não conseguimos oferecer às crianças uma vida de qualidade.

      E dá no que dá.

    • Em se tratando do assassinato, que é o aborto provocado quando não há risco de morte à gestante, não dá para ficar em cima do muro, Chicão Bendl.

      Ou se é a favor, ou se é contrário!

      Muitas mães que não podem criar os filhos, por condições de miséria ou outras, podem entregá-los à adoção.

      O mundo está repleto de histórias de pessoas de sucesso – no cinema, na música, nas artes, na política, na ciência, dentre outras áreas – que foram adotadas na infância.

      • Juca,

        Não leste o meu comentário devidamente!

        Em nenhum momento me coloquei em cima do muro, me aponta onde entendeste desta forma, por favor.

        Posiciono-me contra o aborto, desde que a gravidez não ofereça risco à mãe, claro;
        Depois, se a mulher – deveria ser os pais, ela e o homem – não quiser ter o filho, que faça a gestação e depois o entregue à doação.

        Foi o que escrevi, portanto onde estou em cima do muro, Juca?

  11. Diante mão, sou contra o aborto.Porém o tema é polêmico, bastante polêmico.As mulheres dizem ser dona do corpo,e, por essa razão também são elas que decidem pelo aborto ou não.

    Coloco abaixo dois textos:um de Santo Agostinho,lá do século 4,o outro é apenas uma curiosidade,é uma peça de Lutero, do século XVI,ainda muito próximo da moral católica.

    De Santo Agostinho:

    ” Eu estou supondo que para não procriar alguém não se deite com sua esposa, contudo é inaceitável se, para não procriar , e em nome de sua luxúria, se obstrua a procriação por meios maliciosos.

    Aqueles que fazem isso, embora se denominem esposa e marido, não são na verdade, nem guardam qualquer realidade do sagrado matrimônio,mas sim, através de santo nome encobrem uma vergonha.

    Algumas vezes a lascívia crueldade ou a cruel luxúria chegam a esse estado de coisas através de administração a fertilidade ( contraceptivos orais )…Indubitavelmente se ambos os esposos são como esses, eles não estão casados ,e se eles são assim desde o início de suas vidas em comum não estão sob o Sacramento do matrimônio,mas caindo em tentação.

    Se ambos são como esses,ouso dizer, que que tanto a esposa está vivendo à maneira de uma prostituta em relação a seu marido e ele está em adultério com sua própria esposa.”(Augustine,Marriage and Concupiscence 1:15:17,A.D 419).

    De Martinho Lutero:

    ” O extremado ato faltoso de Onan ,é a mais desprezível das infidelidades… é uma desgraçado pecado.É de longe uma atrocidade pior que o incesto e o adultério.Nós o denominamos de incontinência , é sim um pecado semelhante a sodomia.Porque Onan foi com ela, isto é, ele deitou com ela e copulou, mas quando estava no momento de inseminá-la ,jogou ao chão o seu sêmen para evitar que a mulher concebesse.Certamente que naquele momento a ordem natural estabelecida por Deus para a procriação deveria ser seguida.Portanto,estamos diante de um crime vergonhoso…Consequentemente ele mereceu ser morto por Deus.Ele cometeu uma maldade condenável.Foi por isso que Deus o puniu.”(Martin Luther , Commentary on Genesis ).

  12. Recomendo, para quem ainda não assistiu, que veja o video a seguir.
    https://www.youtube.com/watch?v=VRzGInPs-AM
    Todo o tema polêmico nos leva à discussões infindáveis, com paixões e poucas razões, mas acima de tudo, nem sempre para as melhores decisões.
    Acho interessante, para ser moderado, o argumento usado por mulheres e algumas campanhas a favor do aborto, quando dizem:
    – temo o direito de dizer e fazer o que queremos com nosso corpo.
    Perfeitamente! Concordo. Aliás, cada um pode fazer o que quiser. No entanto, onde fica/está a responsabilidade pelos atos praticados?
    Assim é que, se existe um item que pode dar vazão ao debate e a aprovação de uma lei é o estupro. Sim, pois em todos os demais casos, a “produção” de filhos está “100%” nas mãos dos dois atores.
    Descuidos? Foi sem querer? Ele queria mas eu não? Em todas estas desculpas/justificativas, a pura “eliminação” do feto, em qualquer idade, deveria ser crime.
    Nunca, em momento algum da história da humanidade, tivemos tantos e tão sofisticados métodos anticonceptivos, disponíveis pela saúde pública (não de graça, mas pagos pelos contribuintes). Repito e reitero. Tirante o aborto por estupro, por tratar-se de um ato praticado com violência, etc, etc, quem fez o ato e produziu o resultado de maneira livre e consentida, TEM DE ARCAR COM AS CONSEQUENCIAS.
    Tem muitas coisas que me aborrecem, muitas mesmo. Mas algumas me fazem perder a paciência, me deixam chateado e aborrecido. A fuga a responsabilidade é uma delas. Infelizmente, uma parcela considerável da sociedade perdeu o senso de tudo, a vergonha, o caráter, a dignidade, o amor próprio. E tudo ficou normal. Eu quero, eu posso. Eu gosto, eu faço. Deixamos que esta parcela privatizasse os seus direitos e socializasse suas obrigações.
    Seria ótimo se os fetos pudessem escolher seus pais.
    Embora muitos de nós não alcancemos este novo momento, pelo menos eu não alcançarei, chegará o dia em que as crianças serão “produzidas” em laboratórios.
    Assim, não dependerão do aluguel de corpos que não os desejem.
    Fallavena

  13. Imagine se a mãe de Beethoven tivesse abortado?.. Se fosse hoje, ela.teria “motivos’ já que tinha sifilis(doenca causada pelo microorganismo treponema pallidun) e seus irmãos nasceram com manifestações da doença.
    Beethoven compôs a 9 sinfonia quansdo já estava surdo devido a complicações causadas pelo treponema. Enfim, quantos Bethovens são ASSASSINADOs, atualmente? Se hoje tens opinião formada a respeito da legalidade ou não do aborto, agradeça a tua mãe .. Uma sociedade que não protege os indefesos está fadada a destruição….

  14. Mas o que querem essas mulheres, afinal? Por que se deixaram engravidar, então? Por que não tomaram precauções?
    Assim fica fácil. Na hora de praticar o sexo, não fazem nada para evitar uma gravidez indesejada. Depois exigem que tenham o direito ao aborto.
    Ora, assumam a responsabilidade pelas suas ações! A sua irresponsabilidade não justifica o direito ao assassinato, que é, no fim, do que se trata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *