Lei do Abuso de Autoridade é do tipo vacina, não pegou, está totalmente desmoralizada

TRIBUNA DA INTERNET | Magistrados e policiais organizam atos contra nova Lei do Abuso de Autoridade

(Charge do Sponholz  /  sponholz.arq.br)

Carlos Newton         

Em 2019, o Congresso fez o dever de casa ao contrário. Ao invés de aprovar o Pacote Anticrime apresentado pelo então ministro da Justiça, Sérgio Moro, desidratou o projeto e preferiu a proposta do senador Roberto Requião (MDB-PR), que se tornou conhecida como Lei do Abuso de Autoridade.

Na época, esta Lei 13.869 foi considerada uma forma de intimidar a força-tarefa da Lava-Jato e os procuradores, promotores, delegados, auditores e magistrados em geral. Realmente, determinados termos da lei chegam a ser ofensivos.

PARECE UMA DESFORRA –  “As condutas descritas nesta Lei constituem crime de abuso de autoridade quando praticadas pelo agente com a finalidade específica de prejudicar outrem ou beneficiar a si mesmo ou a terceiro, ou, ainda, por mero capricho ou satisfação pessoal”, diz um dos dispositivos mais criticados de uma lei que mais parece uma desforra do Congresso contra o Judiciário, no auge da Lava Jato, quando Lula da Silva e José Dirceu ainda estavam trancafiados.

Sem dúvida, foi um exagero partir do princípio de que há autoridades sem o menor caráter, capazes de agir “por mero capricho ou satisfação pessoal”. Um ano depois, não há notícia da aplicação da lei a investigações indevidas, que tenham sido abertas aleatória e caprichosamente para atingir adversários das autoridades públicas, como prevê a Lei do Abuso de Autoridade.

UMA LEI INÚTIL – Não serviu nem mesmo para enquadrar o desembargador paulista Eduardo Siqueira, que humilhou o guarda municipal no meio da rua. Ele foi afastado do tribunal com base na Lei Orgânica da Magistratura, que somente prevê sanções disciplinares. Mas poderia responder pelo art. 33, parágrafo único, da Lei de Abuso da Autoridade, que indica pena de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa, para quem “se utiliza de cargo ou função pública ou invoca a condição de agente público para se eximir de obrigação legal ou para obter vantagem ou privilégio indevido”.

No entanto, ninguém lembrou da existência dessa lei, que parece ser do tipo vacina que não pegou, e continuam a ocorrer desvios de poder e de finalidade em investigações e processos em todas as instâncias, com vazamentos à imprensa para atingir a honra de pessoas públicas.

EXEMPLO EUROPEU – Na Inglaterra e em outros países, é normal que agentes públicos respondam civilmente por danos morais e materiais produzidos contra pessoas atingidas indevidamente por seus atos. Na Europa, essa orientação vem desde a década dos anos 1960, a partir dos tribunais constitucionais, e sedimentou-se com a jurisprudência do Tribunal Europeu de Direitos Humanos nos anos 1990.

No Brasil, essa será também a tendência, além do fortalecimento dos mecanismos de cobrança da probidade dos fiscalizadores e repressão ao abuso de autoridade. Quanto a essa tal Lei do Abuso de Autoridade, que descanse em paz…

4 thoughts on “Lei do Abuso de Autoridade é do tipo vacina, não pegou, está totalmente desmoralizada

  1. A também a liberdade de imprensa e de opinião – temos que lutar sempre e a imprensa da verdade precisa prevalecer viva, e temos o total apoio da Abi, SJMRJ, OJB e Fenai – todas estas entidades sempre Emite a credencial carteira de identidade nacional e ate internacional – defendo que todos os Jornalistas devem ser credenciados – Brasil 2020 – vamos da um zero para a fake news.

  2. A Televisão Brasileira completou 70 anos e tudo começou com Jornalista Assis Chateaubriand – Rede Tupi de Televisão e até hoje Super Radio Tupi 96,5 Fm – Rio, Rede Clube Fm em todo Brasil – Correio Braziliense e Estado de Minas e Outros – Darios Associados – Obs. Jornalista Assis Chateaubriand ( ( Chato ) – foi presidente da Fenai – no.Palacio da Imprensa em São Paulo – Brasil.

  3. É claro que a lei pegou. Acontece que só será usada quando for necessário enquadrar um juiz que resolver pegar um político por um crimezinho qualquer, ou seja, quando interessar a eles.
    Pra confirmar isso, basta lembrar o que aconteceu quando o renão foi sentenciado pelo supremo a deixar a presidência da casa de mãe-joana. Ele cagou molinho pra ordem judicial. Agora, quando o procurador disse a verdade sobre a eleição do pai da filha da gestante – que pagava a pensão através dum lobista – aí o fazendeiro de bois voadores cobrou imediatamente a pena de morte do Deltan. A lei é pra ser usada assim.

Deixe uma resposta para Cesário Oliveira. Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *