Lembrando “Casablanca” e os eternos disfarces da direita, até mesmo do Brasil

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Charge do Newton Silva (newtonsilva.com)

Pedro do Coutto

Confesso que viajei ao passado ao ler o artigo de Rodrigo Botelo Montoya, ex-ministro da Fazenda da Colômbia, sobre o filme “Casablanca”, com Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, do diretor Michael Curtis, um fugitivo do nazismo.  Me emocionei  ao lembrar, em 1943 a sessão no cinema Carioca, Tijuca, hoje um templo da Igreja Universal. Principalmente no momento em que Bogart, no Rick’s Bar, manda tocar a Marselhesa e a plateia aplaude levantando-se das cadeiras. Dois anos depois, em 1945 o nazismo de Hitler desabava. Mas a direita que ele representava ao extremo, continua existindo. Adotou disfarces. Um deles reside na questão do emprego e do salário, conflito que aguarda uma solução que harmonize o futuro da humanidade.

Certa vez, numa entrevista, o ator e diretor Daniel Filho afirmou que quem não gosta de “Cantando na Chuva”, “Sinfonia em Paris” e “Amacord”, não gosta de cinema. Eu acrescento “Casablanca” de Michael Curtis.

EMPREGO E SALÁRIO – Mas vamos ao tema em que a direita se representa bem: emprego e salário. Não só a direita, mas a falsa esquerda também e os esquerdistas que passam para a direita quando chegam ao poder, como é o caso de Lula no Brasil, de Mauricio Macri na Argentina, e de Emanuel Macron na França. As colorações divergem, os caminhos podem iludir, mas no fundo da questão encontra-se a concentração de renda.

Não se trata de distribuir a riqueza e a produção que ela proporciona em partes iguais. Isso não existe, é uma utopia. Porém se trata de dividir, digamos, 10% dos lucros, mesmo em partes desiguais, mas suficientes para acabar com a fome e a miséria.

CORRUPÇÃO – Nada mais concentrador de renda do que o maremoto de corrupção desencadeado nos governos Lula, Dilma e Temer. O mercado do emprego no Brasil desabou. Com ele a renda salarial. Isso é inegável. E não se trata apenas do índice de desemprego, temos que somar a ele o percentual de não emprego.

Para compreender a convergência entre um fator e outro, deve se ler a reportagem de Henrique Gomes Batista, correspondente de O Globo em Nova Iorque, a respeito do crescimento da economia americana no decorrer dos dois governos de Obama.

A reportagem, assim como o artigo sobre “Casablanca”, saiu na edição de ontem de O Globo. A expansão da economia americana está condicionada e avança lado a lado com a queda do desemprego.

ALTA DO PIB – Barack Obama assumiu quando ele se encontrava na escala de 9% da população ativa. No final de seu governo o desemprego caiu para 2,8%. Por isso, o Produto Interno Bruto dos EUA sobe à velocidade também de 2,9%a/a. Quase o triplo da taxa demográfica. A comparação é inevitável porque se o desemprego é baixo, o novo emprego cresce, e quando o desemprego é alto, o não emprego sobe.

O que é o não emprego? É aquele que atinge os jovens que chegam a idade de trabalhar e não encontram colocação. A população brasileira cresce à razão de 1%a/a, já descontada a taxa de mortalidade que é de 0,7%para cada 12 meses.

O desemprego é estatisticamente comprovado. O não emprego é algo a ser traduzido em números pelo IBGE. No Brasil os dois patamares são muito altos. Não se vê solução à vista.

12 thoughts on “Lembrando “Casablanca” e os eternos disfarces da direita, até mesmo do Brasil

  1. Com o devido respeito, mas o artigo de Pedro do Coutto está confuso.

    Fez uma salada com filmes, e tentou temperá-la com esquerda e direita na política.
    Resultado:
    Insuportável.

    Não se sabe se o desemprego aumentou com Lula, Dilma e Temer porque se mostravam como esquerda e depois se transformaram em direita ou sempre foram de esquerda porém, no poder, não souberam como agir ou sempre foram de direita, mas ao assumirem quiseram ser de esquerda.

    E conclui que o desemprego não tem solução à vista!

    Bom, em princípio, o desemprego é ruim tanto para a esquerda quanto à direita, pois se trata do termômetro da administração, se correta ou não!

    Logo, independente da tendência política, este aspecto social tem uma importância transcendental aos anseios do partido no poder querer mantê-lo, haja vista estar ligado diretamente à satisfação popular ou rejeição ao presidente.

    Quanto ao nosso desemprego atual não haver solução à vista, conforme declarou ao final do artigo, também discordo.
    Tem, sim, e até relativamente fácil!

    Escrevi neste blog por várias vezes, meses atrás que, se o Temer não fosse tão corrupto, e não se importasse tanto com a situação de seus cúmplices para não irem presos, que se dedicasse um pouco mais ao desemprego e inadimplência do povo, em consequência, ele poderia ser tão ladrão quanto Lula, mas estaria nos braços do povo pelo fato de empregar esses milhões de brasileiros desesperados.

    E foram essas as minhas sugestões que resolveriam o desemprego rapidamente:

    1 – Temer, logo que assumiu, deveria ter aberto licitações para empresas estrangeiras que quisessem investir no Brasil, e oferecido o território brasileiro à construção de ferrovias, rodovias, viadutos, pontes, elevadas, túneis, metrôs, infraestrutura;
    2 – As empresas vencedoras receberiam como pagamento a exploração dos trechos que fossem vencedoras por 30/40 anos, portanto, o país não gastaria um centavo com esses empreendimentos;
    3 – As empresas estrangeiras vencedoras – as nossas maiores estão envolvidas na Lava Jato, e teríamos superfaturamento com essas obras, então a necessidade de construtoras isentas e imparciais – poderiam trazer seus diretores de seus países de origem, entretanto, em nível de engenheiros até servente de pedreiro, por exemplo, somente trabalhadores brasileiros;
    4 – As aquisições de máquinas, caminhões, equipamentos para essas obras, somente nacionais;
    5 – O planejamento dessas ferrovias e rodovias estariam interligadas no país. Um trecho de Rio Grande a Torres, pelo litoral gaúcho, de trem, por exemplo, poderia se ligar com a continuação dessa ferrovia em Santa Catarina, depois Paraná, São Paulo, chegando até RN, e com cada lote vencedor independente do outro, mas haveria uma espécie sincronismo para o desenvolvimento dessas ferrovias e rodovias.

    Em um ano, se as licitações fossem feitas rapidamente, esse contingente de desempregados estaria trabalhando, com o Brasil arrecadando mais impostos, mais INSS, melhorando sobremaneira o déficit da Previdência!

    Outra oportunidade de ouro para desempregados e melhorias extraordinárias no interior brasileiro, sem indústria e possibilidade de crescimento:
    Abertura de 14 cassinos nas cidades mais distantes do litoral ou centros turísticos conhecidos nas serras brasileiras, igualmente administrados por empresas estrangeiras, mas funcionários brasileiros.
    Exemplo:
    Um no Amazonas;
    Um no Pará;
    Um em Roraima;
    Um no Piauí;
    Um no Mato Grosso;
    Um no Mato do Grosso do Sul;
    Um no Goiás;
    Um em Minas Gerais;
    Um no sertão de Pernambuco;
    Um no sertão da Bahia;
    Um no oeste paulista;
    Um no oeste paranaense;
    Um no oeste catarinense;
    Um no oeste gaúcho.

    A infraestrutura que um cassino precisa para trabalhar, em sintonia com as aberturas de ferrovias e rodovias, para que essas estradas chegassem até suas localizações, alavancaria as regiões de tal forma que o Brasil teria de volta o apogeu de empregos, que somente teve uma vez, que foi na construção de Brasília!

    O país seria um canteiro de obras, empregando tanta gente que haveria carência de mão de obra, afora os interesses de comerciantes, hoteleiros, restaurantes, lojas, que se transfeririam para perto dos acampamentos das construtoras, de acordo com os trechos licitados, e das cidades que receberiam os cassinos!

    Sim, Pedro do Coutto, meu prezado jornalista, tem solução e rápida para o desemprego:
    Faltam boa vontade, competência, coragem, criatividade, plano de governo e o Planalto se preocupar com o cidadão brasileiro!

    • Tens razão Bendl. Uma confusão. E digo: como é triste a cegueira seletiva, a esquerda quando erra (e erra sempre, porque não entende as pessoas reais, só as imaginárias) vira direita. Só rindo… Feliz ano novo Bendl.

      • Efrom,

        Muito obrigado e, da mesma forma um FELIZ ANO NOVO!

        Por onde andas?
        A saúde, bem?
        Família, legal?

        Andaste sumido.
        Escreve mais, pois teus comentários são muito bem-vindos porque sensatos, verdadeiros, adequados e convincentes.

        Um grande abraço.
        Saúde e paz.

    • Bendl para Presidente!
      Parabéns! Ótimas sugestões, o caminho é esse.
      O país deveria virar o maior canteiro de obras do mundo.
      Os cassinos seriam teriam que ser controlados por estrangeiros como o Sr. diz. Porque se deixar na mão de brasileiros, virariam a maior lavanderia do planeta.
      Teriam que ser criadas leis específicas, duríssimas para frear esse maldito desejo. Até
      cadeia perpétua teria que ter.
      Sr. Francisco, temos que deixar os políticos bem longe disso senão a corrupção terá que ser medida por segundo e não mais por minutos como está acontecendo neste apodrecido país.
      Atenciosamente.
      P.S.- Lembrando que nenhum governo lícita nada para estrangeiros porque ficam de fora da boca rica. Aí não tem graça!

      • Espectro,

        Deixando de lado a tua sugestão, haja vista eu não ter condições de sequer ser inspetor de quarteirão, agradeço pelo teu apoio.

        As licitações estrangeiras expliquei acima os porquês, igualmente quem seriam os administradores dos cassinos.

        Neste particular, pergunto:
        Como que os detratores da implantação dessas fantásticas casas de jogos me explicam o desenvolvimento de Las Vegas, Atlantic City, Mar del Plata, Mônaco, e demais cidades que oferecem o jogo para turistas e até mesmo seus moradores?!

        Ora, o governo brasileiro ganharia impostos, devidamente fiscalizados, mas o negócio seria tocado por empresários e empreendedores estrangeiros e por motivos óbvios!

        Agora, em compensação, quantas pessoas um cassino de porte não emprega?
        No mínimo de três a cinco mil funcionários!!!

        Hotelaria, restaurantes, crupiês, fiscais, segurança, manobristas, camareiras, administração, shows diários, atrações mensais e semanais, afora a estrutura que a cidade deverá ter para a manutenção dos cassinos, desde pequenas indústrias até grandes lojas!!!

        Por que o governo não pensa no povo?!
        Por que o parlamento não pensa no povo?!
        Por que o parlamento e governo só querem o mal do povo?!
        Por que precisamos de governo e parlamento que somente nos aniquilam pela violência e falta de saúde pública?!

        ACABEMOS NÓS COM ESSES TIRANOS E CRIMINOSOS, antes que amanhã ou depois façamos parte da estatística dos sessenta mil mortos pela violência a cada ano!!!

        Um abraço, Espectro.
        Saúde e paz.

  2. Insuportáveis, são os comentários lacônicos, repetitivos, idiotas, imbecis e ignorantes, que nada dizem e nada sugerem!

    Entra ano e sai ano, e os mesmos inúteis e péssimos comentaristas seguem teimando em escrever, atazanando quem pelo menos oferece alguma sugestão de solução para os problemas nacionais.

    Eu já te falei várias vezes:
    Me deixa de mão.
    Para com esta obsessão por mim.
    Vai te tratar, pois detesto homens em relacionamentos íntimos, além de eu ser casado e heterossexual.

    Deixa de me policiar que a vida prá ti vai ser até melhor, diante deste teu sofrimento atroz em me perseguires desta forma, que não está ficando bem prá tua cara, te aviso.

  3. Caro cronista: Desde as décadas “milagrosas” do Delfim Neto, alargou-se sobremaneira a concentração de renda no país. Dizem que jabubticaba é primazia brasileira, que seja, sei também que aqui se inventou algo incrível, em larga escala: o capitalismo sem risco, sem concorrência; daí que… o resto é conversa confiada e nem direita e nem esquerda dão jeito nisso: uma para manter os privilégios adquiridos desde a escravatura e; a outra sempre tentando “agradar” para ser “aceita”…

  4. Concordo com o F. Bendl acima, exceto cassinos, loterias e similares. Atraem corruptos e a bandidagem. Além disto, privatizar todas as estatais, bancos como o Basa, BNB, BRB e BB cabidões de apaniguados.
    Eliminar câmaras de vereadores com salários, só vereadores patriotas e que desejem o bem e desenvolvimento de seus municípios. Fechar todos os TCU, TCEs e TCMs dando às auditorias nacionais a responsabilidade de aferirem as contas públicas. Se errarem ou cometerem dolos, os sócios responderam civel e criminalmente.

    • Roberto Silveira,

      Grato pelo teu apoio.

      Mas, observa:
      Os cassinos teriam administrações estrangeiras, ou seja, não haveria brasileiros tomando conta dessas casas de jogos, e por motivos que todos nós sabemos, lamentavelmente!

      Leva em conta, por favor, que precisamos empregar milhões de brasileiros desesperados, endividados, e o quanto antes!!!

      Portanto, cassinos, rodovias, ferrovias, pontes, elevadas, viadutos, metrôs, infraestrutura seriam indiscutivelmente as providências mais adequadas e pertinentes ao momento nacional!

      Essa história do Meirelles querer que o “mercado” reaja é papo furado, conversa mole de um indivíduo que parou no tempo e no espaço com as suas teorias econômicas!!!

      EMPREGO É DESENVOLVIMENTO, que somente acontece através de obras!!!

      Mais a mais, devemos ter algum empresário correto neste país, por favor, que poderia investir em cassino!

      Um abraço.
      Saúde e paz.

  5. Que se sabe, o comunismo, o nazismo e o fascismo são produtos de uma religião política conhecida como socialismo, criado no século XIX.
    Essa religião tem como fundamento principal o poder do estado sobre todas atividades humanas,etc,etc,etc.
    Por outro lado, os conservadores e ou liberais, que também são chamados de direitistas , infiéis, reacionários e até pecadores, querem um estado com um mínimo de interferência na economia e na vida pessoal dos cidadãos e com alternância de poder .

  6. A nosso ver, o grande e experiente Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO, sempre preocupado com a melhoria do Padrão de Vida de nosso Povo, especialmente os mais Pobres, enfim com a JUSTIÇA SOCIAL, neste Artigo lamenta que a Esquerda, tão dominante até à pouco tempo na América Latina ( Venezuela, Argentina, Equador, Bolívia, Chile, Paraguai…) tão pouco conseguiu,( Governou como Direita), e agora se avizinhando uma onda de Direita, Presid. MACRI na Argentina, Presid. PINHEIRA no Chile, provavelmente um Presidente de “Direita” no Brasil, Presid. MACRON na França, com suas Reformas á la Ponte para o Futuro ( Teto de Gastos Públicos, Flexibilização Leis Trabalhistas, Previdência, Tributária, etc, ), teme o grande Jornalista Sr. PEDRO DO COUTTO, que além de se perder Direitos Trabalhistas, não se tenha a contra-partida de Pleno Emprego e melhoria sensível de Salários ( Padrão de Vida ).

    Infelizmente, com a Globalização da Economia, a Robotização, Automatização, etc, há um nivelamento por baixo dos Salários Mundiais, e não se permitem mais as Clássicas Soluções puras de “Esquerda”, tipo a VARGUISTA ( Nacional-Desenvolvimentismo), porque essas implicam em praticamente fechar a Economia Brasileira para o Mundo, o que no Mundo inter-dependente de hoje é muito difícil. AUTARQUIA, o Povo não aceita, pois a Elite teria uma baixa tremenda de Padrão de Vida, para alguma melhoria dos Pobres. Para termos um Salário Mínimo de +- R$ 2.500/mês teríamos que ter uma Economia totalmente Fechada, pois não exportaríamos mais nada.

    A nosso ver, o melhor que podemos fazer, é ir defendendo o melhor possível os Interesses Nacionais, as Empresas de Matriz no Brasil, e sempre inserido nos Mercados Mundiais ir acelerando nosso crescimento Econômico, como com muita dificuldade Política, o Governo TEMER/MEIRELLES vem fazendo, até se atingir o Pleno Emprego com Salários Bons.
    Infelizmente não tem Solução Rápida e Fácil. Mas vamos sair dessa também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *