Lembrando dois gênios do piano que encantaram o mundo – Nelson Freire e seu amigo José Feghali

Nelson Freire, pianista - Clássicos dos Clássicos por Carlos Siffert

Nelson Freire sofreu dois acidentes e entrou em depressão

Jorge Béja

Não, Nelson Freire não poderia morrer tão cedo. Que vivesse ao menos até os 95 de idade, tocando, tal como viveu o outro imortal Arthur Rubinstein. Notícia pra lá de triste. Um dia, muitos anos atrás, José Feghali me disse que o sonho dele era tocar como Nelson Freire. Sonho sonhado, sonho realizado.

Feghali e Freire ficaram amigos desde Londres. Feghali também já não está entre nós. Aos 50 anos, nos Estados Unidos, onde era o Diretor de Música da Universidade Cristã do Texas, José de Almeida Feghali imolou sua própria vida. Sofria de depressão endógena.

ACIDENTE NA ESTRADA – Agora é a perda de Nelson José Freire Pinto. Eu era repórter do Jornal do Brasil quando o conheci ainda muito jovem. Nelson, o pai e a mãe, viajavam num ônibus da Viação Cometa. Vinham da estação mineral de Caxambu, em Minas Geraisú. O ônibus tombou e caiu numa ribanceira.

No acidente, Nelson perdeu pai e mãe. Um tragédia terrível, pois o pai morreu abraçado ao filho Nelson, com quem dividia as poltronas do ônibus.

Diante do drama que fui cobrir como repórter, acreditei que a carreira de Nelson Freire, que ainda era aluno de piano e mal tinha começado, acabaria ali. Ainda bem que errei.

Neste dia de finados, tributo a José Feghali, o pianista que encantou o mundo e projetou o Brasil (veja o vídeo com Feghali ao piano)

José Feghali nos deixou mais cedo, aos 50 anos

DOIS  GÊNIOS – Nelson Freire e José Feghali encantaram o mundo e projetaram o Brasil. E o Brasil pouco ou nada aos dois retribuiu.

Foram os dois últimos majestáticos pianistas brasileiros que o mundo conheceu e aplaudiu: José Feghali e Nelson Freire. O mais jovem, Feghali, nos deixou em 2014. Dele fui íntimo amigo e sempre advogado.

Freire nos deixou hoje, 01.11.2021, aos 77 e 13 dias de idade. Em 2019 sofreu queda no calçadão da Barra e fraturou o braço. Ficou longo tempo internado. Depois outra queda. Certamente veio a depressão. Qual o pianista de verdade que não fica deprimido quando, de um dia para o outro, não pode mais tocar?

É certo que no Brasil restam poucos artistas como eles. Creio acabou que está acabando tudo de bom, de belo, de erudito, de rico, de sabedoria… que existia no Brasil. E para reconstruir tudo de novo, vai demorar. Muito. O estrago é gigantesco e abrangente.

Que tristeza!

8 thoughts on “Lembrando dois gênios do piano que encantaram o mundo – Nelson Freire e seu amigo José Feghali

  1. Caro Dr Beja

    Suas palavras , como sempre, cheias de humanidade, sabedoria e lições de vida.

    lembrei-me do que havia lido aqui na Tribuna, quando hoje a noite, ao vermos a noticia da morte de Freire no jornal nacional, minha esposa , (que nao havia lido a Tribuna) comentou:

    Veja só: Todos os pianistas e músicos que deram depoimentos sobre o Freire estão com cabelos brancos e alguns muito brancos: Joao Carlos Martins, Arthur Moreira Lima, Arnaldo Cohen etc. Será que estamos perdendo nossas estrelas e os novos não estão surgindo?

    Não sou especialista ou profundo conhecedor de musica clássica, mas é impossível nao se sensibilizar com a musica especialmente ao ouvirmos um piano tocado com amor, elegância e extrema qualidade.

    Em um evento, ouvi alguém comentar: “Se você estiver próximo de alguém, que não se sensibilize e se emocione ao ouvir Bethoven, Chopin, Frank Sinatra e Nessun Dorma, por exemplo, afaste- se, esta pessoa não lhe trará nada de bom.

    Também penso que temos um enorme vazio , aumentando e se consolidando no Brasil, em todos os campos.

    O outrora orgulhoso e alegre, povo brasileiro, apesar de sua pobreza secular, hoje é uma nação de joelhos, com lideres que se destacam pela sua rudeza, pela grosseria, pelo agir primitivo , resultando em uma imensa massa de indivíduos tristes e sem rumo e com poucas esperanças.

    Para que lutar para chegarmos lá? Para sermos isso?

    Mas sempre haverá esperança.

    Recebi , a tarde um amigo, uma indicação de um vídeo, em que (mesmo em campos diversos que o de Freire) podemos sonhar que existe vida brotando neste Brasil.

    Não sou musico mas meu ouvido e meus olhos se deliciaram ouvindo este jovem.

    Grande abraço e mais uma vez parabéns

    https://www.youtube.com/watch?v=hIFfi4R7JxM

    • Caríssimo Duarte. Li seu comentário três vezes, tão exato, atual, verdadeiro e bem escrito que é. Aquele conselho para se afastar das pessoas que não se sensibilizam e não se emocionem com a execução das obras dos compositores citados, é conselho que retrata a mais pura verdade. Bom conselho. Também ouvi a apresentação no link. Gostei muitíssimo. Obrigado.

  2. Lindas as suas palavras sobre Nelson Freire e sobre a música clássica, infelizmente pouco difundida entre as populações pobres, porque não interessa aos poderosos levar Cultura de boa qualidade ao povo.
    A música clássica acalma os corações, a alma fica feliz.
    Sobre Nelson Freire um virtuose no piano, era reconhecido nas plateias mundiais com mais ardor do que no Brasil.
    Nelson era muito tímido. Caminhava com frequência pela Orla da Barra da Tijuca. Quando uma fã o reconhecia e acenava para ele, o pianista sorria e ficava vermelho de vergonha. Um homem gigante na música e na vida era de uma humildade infinita.
    O Senhor colocou suas mãos divinas sobre ele.
    Dr. Beja muito bonita a sua homensgem ao pianista Nelson Freire.

  3. Boa tarde. Fui amiga e “cunhada” do José Feghali, por ter sido amiga por muitos anos e depois namorada do Fernando. Sinto muitas saudades de ambos e da d. Aurinha e muita tristeza pelo que aconteceu a eles. Por que José não teve as mesmas homenagens q teve Nelson Freire? Por que seu falecimento não teve a mesma divulgação aqui no Brasil?

  4. O jornal Estado de São Paulo fez uma belíssima homenagem ao pianista Nelson Freire nas C6 e C7 do Caderno: Cultura&Comportamento.
    Do interior de Minas para o mundo.
    Freire fez seu primeiro recital com 5 anos de idade em São João Del Rey antes de seguir para o Rio e, mais tarde, para Viena.
    Comenta sobre a amizade de Nelson com a pianista argentina Martha Argerich, amiga e parceira musical. Martha veio ao Rio visitar o pianista convalescendo da cirurgia no braço e no ombro.
    Numa queda na madrugada de ontem, Nelson bateu com a cabeça e se foi.
    Os médicos têm alertado, que é muito comum acidentes envolvendo idosos de madrugada, ao acordarem para ir ao banheiro, podem ocorrer tonturas e desequilíbrio, causadas por labirintite, pressão termodinâmica, falta de oxigenação momentânea do cérebro, dentre outras causas, que só os médicos podem alertar. Devemos perguntar aos especialistas médicos, como se prevenir nesses casos. É importante.
    Outra coisa, por prevenção deve-se instalar barras de proteção nos box, porque o sabão é escorregadio e todos nós, adultos e crianças não estamos livres de escorregar nessas situações.
    Quedas: sempre que tiver que subir para trocar lâmpadas, etc… Nunca usar cadeiras e que tais. Subir em escadas de cinco degraus para cima e com um acompanhante por perto. Não tentar consertar nada em casa, quando estiver só.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *