Lewandowski nega recurso da TV Globo e mantém a censura aos documentos das “rachadinhas”

Charges: Rastros esquematizados!

Charge do Genildo (Arquivo Google)

Rayssa Motta e Fausto Macedo
Estadão

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta segunda-feira, 19, um recurso apresentado pela TV Globo e manteve a decisão da Justiça do Rio que proibiu a emissora de exibir qualquer documento ou peça do processo sigiloso da investigação das ‘rachadinhas’ envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

No despacho, o ministro afirma que, apesar da ‘robustez dos argumentos’ apresentados pela emissora, o mérito do caso não pode ser analisado pelo Supremo, uma vez que ainda não foram esgotados os recursos em instâncias inferiores. Segundo Lewandowski, cabe antes ao Tribunal de Justiça do Rio julgar o pedido e decidir se derruba ou não a proibição imposta à TV Globo.

ÓBICE INTRANSPONÍVEL – “Não obstante a robustez dos argumentos esgrimidos pela reclamante, deparo-me, de imediato, com a existência de óbice intransponível ao cabimento da presente reclamação, porquanto, por ocasião de seu ajuizamento, ainda não se encontravam exauridas as instâncias recursais ordinárias, o que impede o manejo, ao menos por ora, desta via de impugnação de decisões judiciais”, escreveu o ministro.

Na decisão, Lewandowski determinou que a 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça fluminense julgue o recurso da emissora.

A censura foi decretada pela juíza Cristina Serra Feijó, da 33ª Vara Cível do Rio, que atendeu a um pedido da defesa de Flávio, liderada pelos advogados Rodrigo Roca e Luciana Pires, e apontou risco de dano à ‘imagem’ do senador caso as peças fossem veiculadas pela TV Globo. Posteriormente, a decisão foi referendada pelo desembargador Fábio Dutra, da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça fluminense.

LIBERDADE DE INFORMAÇÃO – A proibição foi classificada pela emissora como um ‘cerceamento à liberdade de informar, uma vez que a investigação é de interesse de toda a sociedade’. Na sequência, a TV Globo acionou o STF na tentativa de reverter a censura.

Flávio Bolsonaro é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa em suposto esquema de desvio de salários de funcionários que teria funcionado em seu gabinete quando foi deputado estadual no Rio. O então assessor Fabrício Queiroz, demitido em 2018 após os primeiros indícios de irregularidades, foi preso em Atibaia (SP) em junho e atualmente cumpre prisão domiciliar no Rio de Janeiro.

EM NOME DE MICHELLE – Em agosto, extratos bancários de Queiroz anexados à investigação revelaram que o ex-assessor de Flávio depositou 21 cheques em nome da primeira-dama Michelle Bolsonaro. As transações datam de outubro de 2011 a dezembro de 2016, em valores que variam de R$ 3 mil a R$ 4 mil. Somados, os cheques somam R$ 72 mil.

Movimentação semelhante foi descoberta na conta de Márcia Aguiar, mulher de Queiroz. Registros indicam que ela depositou outros seis cheques para Michelle no valor total de R$ 17 mil, totalizando R$ 89 mil.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Lewandowski não quis se comprometer. Matou a bola no peito e chutou-a para a arquibancada, como se diz no futebol. Na verdade, não pode haver sigilo em processo ou inquérito que apura crimes de corrupção, peculato e lavagem de dinheiro. Mas acontece que está valendo tudo para proteger Flávio Bolsonaro, que no carnaval vai sair fantasiado de Capitão Rachadinha, junto com o Senador Cueca. (C.N.)

.

7 thoughts on “Lewandowski nega recurso da TV Globo e mantém a censura aos documentos das “rachadinhas”

    • O Bozo dos States, o Trump, também tem ligações com grupos de pedófilos.
      Ele era amiguíssimo o falecido Jeffrey Epstein, assim como eram amigos do Epstein o Bill Clinton.
      Ambos frequentavam a casa do pedófilo Epstein.

      Entendeu?

      DEMOCRATAS E REPUBLICANOS TEM LIGAÇÕES COM PEDÓFILOS!

      E o que faz o brasileiro vira-lata a esquerda e a direita?

      Fica perdendo tempo defendendo bandidos norte-americanos!

    • Quando é para mostrar algo contra o poderoso que fez o que não deveria. encontra-se os mais esdrúxulos argumentos.
      Tudo isso vai se amontoando como se fosse pólvora em locaç vulnerável.
      Logo isso será detonado , e não demorará pois as fagulhas estão cada vez se aproximando mais.
      O volume de injustiças, de calamidades, violências, irresponsabilidade s e muitos outros males já passou, há muito tempo, do suportável por qualquer nação do nosso porte.
      Se tudo isso tentasse adentrar um local de meretricio, os proprios2 proxenetas, prostitutas e pederastas jamais consentiriam porque neate2 local existe limites e muito bem definidos, e não se compara a falta de pudor que estes homens públicos, travestidos de políticos, ousam, ainda.
      O descontrole da oredem pública é percebida de longe, principalmente pelo exterior que já reduziu tremendamente seus imvestimentos no setor produtivo, quando muito, pouco arriscam em áreas onde a cobiça pode ser alcançada sem muito esforço.
      O Brasil desandou com a esqierda no poder, e agora, temos mais im aprendiz de feiticeiro a seguir aquilo que na campanha fingiu combateer, e não será somente ele que dará cpm os burros n’agua, nós estamos logo atrás.
      Portanto, peçamos ao bom Deus que nos livre desses males, e qie nos proteja desses irresponsaveis.

  1. A Rede Globo deveria saber que estamos em pleno estado democrático de direito!

    Onde já se viu querer publicar documentos que incriminem um senador da República??!!

    Quanta ignorância do seu setor “jurídico”.
    Ainda bem que pegou pela frente Lewandowski, um democrata, que tem adoração por ex-presidentes e presidentes desta Republiqueta, a ponto de descumprir a Constituição para beneficiá-los.

    Essa gente não aprende nunca!

  2. O advogado da Globo (que já foi o Barroso) é um jota-jota, um jumento jurídico, não sabe que antes de recorrer ao STF tem que esgotar as instâncias, por isso o Ministro Lewandowski remeteu o recurso da Globo ao TJ-RJ, ao qual cabe julgar o recurso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *