Em meio ao mar de lama, lições de humildade de um gênio

Roberto Kalil Filho*

Sei muito bem que não precisaria lembrar aqui das grandes contribuições do professor Adib Jatene à medicina – elas já estão impressas nos melhores livros de medicina do mundo. Mas faço absoluta questão em fazê-lo aqui e sempre.

O professor Adib foi o primeiro médico a realizar a cirurgia de ponte de safena no Brasil. Foi o primeiro a desenvolver o coração-pulmão artificial do mundo. Também foi o primeiro a utilizar a técnica para corrigir artérias de bebês, método que ficou conhecido como cirurgia de Jatene. O professor Adib foi o primeiro, o primeiro, o primeiro…

A qualidade desse grande cardiologista que, de fato, marcou minha carreira e minha vida, entretanto, não está relacionada a nenhum desses feitos extraordinários. Aprendi com ele a importância de ser humilde na minha profissão. Isso ele me ensinou desde o primeiro instante em que o vi.

Conheci o professor Adib Jatene em 1986. Jamais vou me esquecer desse momento. Eu havia recém-chegado à Faculdade de Medicina, era residente médico. Era uma manhã bem cedo. Eu subia de escada até a UTI pós-operatória do InCor (Instituto do Coração), no terceiro andar do hospital. Eis que, de repente, quase trombo com ele, que descia os degraus. Fiquei paralisado. Afinal, o professor Adib, então titular da cirurgia cardiovascular da instituição, era um mito para mim.

Ele logo quebrou o silêncio constrangedor com uma simples pergunta: “Você é quem?”. Com a voz trêmula, expliquei que começara a residência e que faria prova para cardiologia naquele ano. Foi então que ele falou uma frase que me marcou para sempre: “Lembre-se sempre de uma coisa, menino. É importante ser respeitado pelo trabalho e pelos colegas, mas o que mais vale a um médico é ter o respeito dos pacientes”.

AGRADECIMENTO

Em 1991, a segunda lição de humildade. Eu havia acabado de voltar do doutorado na Universidade Johns Hopkins (EUA) e, na época, era cardiologista-assistente do InCor. Eis que um dia recebo um telefonema da diretoria. O professor Adib queria a minha opinião sobre um paciente dele que estava sendo mantido com suporte mecânico.

Uma semana depois, ele me ligou para dizer que tudo dera certo com o paciente e me agradeceu. E eu pensei: “O grande médico e cientista ligando para agradecer a um simples assistente”.

Ao longo da minha carreira, conversei muito com ele. Trinta segundos com o professor correspondiam a anos e anos de pesquisa. Ele sempre me estimulou a continuar na vida acadêmica.

Em 2010, comecei a me preparar para o concurso de professor titular de cardiologia no InCor. Por um ano, falei com ele semanalmente sobre o assunto. Pois em 5 de agosto de 2011, no dia do concurso, ele estava lá, me assistindo na primeira fila. No dia seguinte, ele me deu a terceira lição de humildade.

“Hoje você tem um consultório de sucesso e uma carreira acadêmica consolidada. Mas para ser um médico completo, tem de ter um compromisso com as pessoas carentes. E agora chegou a vez de isso acontecer.” Pois digo aqui que minha missão maior no InCor é exatamente essa, a de expandir e melhorar o hospital para o bem da população.

FRASES CÉLEBRES

Hoje, os ensinamentos do professor Adib fazem parte do meu dia a dia como médico. Uso diariamente suas frases célebres.

Por exemplo, quando um paciente me pergunta, por medo de um determinado exame, se é seguro deixar para depois o procedimento, eu respondo como ele: “Se eu soubesse quando sua artéria irá fechar eu chamaria você um dia antes”.

Outra: um paciente ao me questionar se pode ou não voltar a trabalhar depois de uma cirurgia, eu digo outra célebre frase dele: “O que mata não é o trabalho, é a raiva”. Mas a minha meta maior é me espelhar em sua humildade. Professor Adib me acompanhará para sempre.

*ROBERTO KALIL FILHO, 55, professor titular de cardiologia
da Faculdade de Medicina da USP. (artigo enviado por Mário Assis)

5 thoughts on “Em meio ao mar de lama, lições de humildade de um gênio

  1. Minha homenagem simples a esse grande patriota Brasileiro, Dr. ADIB JATENE. Médico, Cientista e Pioneiro na Cardiologia, tendo na vida privada o mais merecido sucesso e reconhecimento, também dedicou seu precioso tempo para a vida pública, sendo entre outras coisas Secretário da Saúde do grande Estado de São Paulo, e Ministro da Saúde do Brasil. Fez o que pode para melhorar a vida do Povo, principalmente dos mais necessitados. Coroando sua brilhante carreira, tanto na vida privada como pública, como nos narra o belo artigo do Dr. ROBERTO KALIL FILHO, cultivou sempre a mais pura Humildade.

  2. A interrupção da vida de uma pessoa (sem aviso prévio) com plenas capacidades de vida e trabalho,é algo que não entendo .

    Como exemplo,o Dr.Jatene,que mesmo aos 79 anos,estava em plena atividade de médico-cirurgião cardiaco.

    “Ô” natureza: deixa as pessoas aí…

  3. O extinto médico Adib Jatene teve méritos, foi um homem de valor. Até ai tudo bem, mas chamá-lo de gênio é demais para mim. Não consigo digerir!
    Se ele foi um gênio como afirma o autor do texto, o que é que foram homens como Newton, Galileu, Copérnico, Einstein, Michelangelo?
    No Brasil, infelizmente a palavra gênio se tornou um palavra gasta, sem sentido, usada a esmo. Como dizia Confúcio, que foi verdadeiramente gênio: “Quando as palavras mudam de significado, devemos nos preocupar seriamente”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *