Lições e saudade de um democrata chamado Juscelino Kubitschek

Imagem relacionada

JK era chamado de “O Homem que Ri”

Sebastião Nery

Ninguém me contou, eu vi. Foi há muito tempo, na década de 50. Eu morava, estudava e trabalhava em Minas como jornalista político (“O Diário”, “Diário da Tarde” e “Jornal do Povo”). Juscelino havia resistido ao golpe que levou Getúlio Vargas ao suicídio em 24 de agosto de 1954 e era candidato natural do PSD, do PTB e das esquerdas à Presidência da República, em 1955.

Todos os dias, invariavelmente, íamos ao Palácio da Liberdade ver o governador e saber o que havia no país e em Minas. Juscelino era um forte sitiado. A UDN mobilizou um cerco nacional no Congresso, na imprensa e sobretudo nos quartéis para vetar e impedir a candidatura de JK. Ele nunca perdeu o sorriso aberto com os olhos apertados.

UM GUERREIRO – Enfrentou tudo: a oposição desvairada de Lacerda na imprensa, o jogo duplo, às vezes triplo, de Assis Chateaubriand e Roberto Marinho nos seus jornais e televisão e, sobretudo, a resistência de uma banda do PSD dentro do seu partido, a começar por Benedito Valadares, em Minas.

Para comemorar os 116 anos de nascimento de JK, agora dia 12 de setembro, vale lembrar a grande virtude de JK cantada em verso e prosas, hoje, pela classe política brasileira:

Juscelino era um determinado. Sem condições materiais, estudou, formou-se e se aperfeiçoou em medicina em Paris. Nunca olhou para trás. Sempre para frente.

ARTILHARIA – O que a UDN fez, naquela época, para detonar a candidatura de JK pareceria hoje inacreditável. Só não era pior do que a artilharia do PT hoje. Como vimos em Juiz de Fora essa semana com o atentado ao líder nas pesquisas à Presidência da República.

A UDN de Minas, achando pouco ter quase a unanimidade da imprensa nacional, ainda criou um jornal de luta, bem feito, bem escrito, com dinheiro à vontade: “Correio do Dia”. Nele escreviam os líderes nacionais da UDN como os de Minas, a maioria nossos brilhantes e queridos professores nas faculdades de Direito e de Filosofia.

JK OS DERROTOU – Nas salas de aula, eram sábios varões gregos. Nos palanques e jornais, demônios: Pedro Aleixo, Milton Campos, J M de Carvalho, José Cabral, Horta Pereira, Afonso Arinos, tantos outros. Pareciam imbatíveis, no entanto foram derrotados todos, um a um, e mais seus aliados Magalhães Pinto, Zezinho Bonifácio, pelo determinado JK.

Para ganhar tiveram que rasgar a história libertária de Minas, inclusive o valente Manifesto dos Mineiros, de 1943, indo buscar nos quartéis os generais hoje envergonhados do golpe de 1964. JK resistiu a tudo, venceu dentro de seu partido, o PSD, ganhou o apoio dos trabalhistas e da esquerda e, em outubro de 1955, elegeu-se Presidente.

UNIÃO EM MINAS – Em 1955, a UDN dizia que Minas “massacraria” Juscelino na eleição. Quem garantiu a vitória de JK com 36,8% dos votos nacionais (não havia segundo turno, o mais votado do primeiro era o eleito) foi a votação esmagadora que Minas deu a Juscelino, anulando a vitória de Adhemar de Barros, em São Paulo, e de Juarez Távora, no Rio. Assim como Minas e tirando Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, o resto do País também deu a vitória a Juscelino.

Agora, em 2018, a eleição bate novamente à nossa porta. O Brasil cansou de conviver com as maracutaias e falcatruas de Lula, da Dilma e do PT com escândalos como do Mensalão, do Petrolão, do BNDES e tantos outros que surpreenderam até os fundadores do Partido.

ORCRIM DE LULA – Agora a nação já sabe que o PT (Lula, Dilma, Gleisi, José Dirceu, Palocci, Vaccari, Haddad e toda direção nacional) instalou na Petrobrás e nas empreiteiras amigas a mesma “organização criminosa” que a Polícia Federal, o Ministério Público, o juiz Sérgio Moro e os Tribunais Superiores denunciaram, condenaram e prenderam.

As investigações mostraram que Lula, o operário do ABC, descobriu o dinheiro. O triplex de Guarujá e o sítio de Atibaia, o contubérnio com as empreiteiras e, mais grave, o escândalo dos escândalos que está surgindo agora nas lanternas da Lava Jato: os 50 bilhões de dólares do BNDES distribuídos com os ditadores amigos e em propinas externas.

Saudade do democrata Juscelino Kubitschek de Oliveira.

4 thoughts on “Lições e saudade de um democrata chamado Juscelino Kubitschek

  1. Interessante. O sentimento que tenho do Juscelino é de que ele colocou a capital do Brasil no fim do mundo. Na época, pelas histórias de minha vozinha, não havia qualquer infra-estrutura nas vizihanças para justificar tal empreitada. Ele fez porque quis fazer ou, como dizem algumas boas línguas, fez porque havia prometido para a mulher. Ainda por cima entregou a arquitetura da cidada ao Niemayer que fez a porcaria que é Brasília: concreto aparente e um monte de barracos mal traçados.

  2. Nery escreveu o seu penúltimo parágrafo de forma genial, que faço questão em repetir:

    “As investigações mostraram que Lula, o operário do ABC, descobriu o dinheiro. O triplex de Guarujá e o sítio de Atibaia, o contubérnio com as empreiteiras e, mais grave, o escândalo dos escândalos que está surgindo agora nas lanternas da Lava Jato: os 50 bilhões de dólares do BNDES distribuídos com os ditadores amigos e em propinas externas.”

    Na sua justa homenagem a Juscelino, que endosso, o célebre autor desse artigo em tela foi prodigioso ao comparar o dinheiro gasto pelo nosso presidente ao construir Brasília, e a fortuna que Lula e Dilma presentearam ditadores e países comunistas!!!

    Na condição de eu ser um defensor da construção da nova capital à época – e já enfileirei inúmeros motivos pelos quais sempre aprovei essa obra magnífica -, os gastos de Juscelino TIVERAM COMO DESTINO O BRASIL!!!

    Muito diferente da esquerda quando assumiu o poder, que não somente roubou BILHÕES DE REAIS como deu de presente outro tanto para aliados políticos de outras nações, o PT NÃO APRESENTA UMA OBRA QUE FOSSE E QUE CHEGASSE PERTO DA GRANDIOSIDADE DE BRASÍLIA!!!

    E permaneceu 13 anos no poder, roubando e explorando o povo!

    Eu gostaria muito que os detratores de Juscelino e da construção do atual Distrito Federal, considerassem exatamente o que mencionou Nery, que foi cirúrgico nesta comparação, entre o dinheiro que foi investido no próprio país, e as fortunas que ficaram para os ladrões petistas e que foram doadas por eles para fora do Brasil!

    Parabéns, Nery.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *