Líder do PSL quer estender a policiais e bombeiros os privilégios dos militares

Resultado de imagem para delegado waldir psl

Delegado Waldir, líder do PSL, defende interesses corporativos

Bruno Santa Rita e Rodolfo Costa

O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), voltou a criticar a reforma da Previdência dos militares. Após reunião nesta terça-feira (2/4) com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ele defendeu a equiparação de mudanças propostas aos militares das Forças Armadas com o de carreiras semelhantes, como as forças auxiliares de segurança pública. “Nós só queremos fazer a adequação para outras carreiras assemelhadas. Existem outras carreiras que têm esse papel de defesa, de segurança e que não têm os mesmos requisitos trazidos nas reformas dos militares”, disse.

Enquadram-se nas forças auxiliares de segurança policiais e bombeiros militares. Entretanto, Waldir também defende nesse âmbito a Polícia Federal (PF), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Guarda Municipal.

ADEQUAÇÕES – “Não é a reestruturação de carreira, mas um regime de Previdência mais adequado ao dos militares”, explicou o parlamentar. Uma das propostas do deputado é rever a alíquota de contribuição. “A contribuição dos militares passará de 7,5% para 10,5%. Nas outras carreiras, vai até 22%. Então, nós precisamos de pequenas adequações. Isso nós vamos fazer no momento apropriado, na comissão especial”, informou.

O projeto de lei que altera as regras de aposentadoria para os militares não agrada a gregos e troianos. No geral, deputados acharam a proposta muito tímida. Parlamentares ligados às áreas das forças auxiliares de segurança pública, como policiais militares e bombeiros, também reforçaram o coro. Desde a última semana Guedes foi avisado que precisaria dar muitas explicações sobre a reforma dos militares, sob risco de emplacar ao governo uma derrota prematura.

SERÁ ALTERADA – O argumento de líderes e deputados da bancada da segurança pública é de que, na falta de convencimento, a reforma dos militares, que chegou sem muita gordura, será desfigurada quando começar a tramitar. O discurso de alguns deputados do próprio PSL é de que os militares das Forças Armadas aceitaram o texto, mas os militares das forças auxiliares não.

A promessa, no entanto, é de que a briga por modificações ao texto será comedida, feita sem muito estardalhaço. A bancada da bala e parlamentares do PSL querem um entendimento pacífico, a fim de evitar a fim de evitar cisão maior e rachas no governo. Afinal, o discurso é de que militares e policiais militares compõem a base mais fiel do presidente Jair Bolsonaro.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O maior desafio para a Câmara é fazer uma reforma que seja justa para militares e civis. Devemos lembrar que militares, policiais e bombeiros mais velhos podem exercer funções administrativas e burocráticas, reduzindo despesas de terceirização. Estive no INSS do Rio na semana passada e a Seção de Patrimônio está fechada, por falta de funcionários. Os últimos dois se aposentaram, com medo da reforma de Guedes. O quadro do serviço público é este, não haverá concursos, e o governo já anunciou que contratará “terceirizados”. É uma esculhambação completa. (C.N.)

15 thoughts on “Líder do PSL quer estender a policiais e bombeiros os privilégios dos militares

  1. Nunca na história do Brasil a nação esteve tão segmentada quanto hoje. Cistos, seitas, carteis, facções, blocos; todos privilegiados por emendas e/ou estatutos. São malocas preexistentes, na sociedade, animadas pelo egoísmo de se sobrepor aos demais brasileiros; e para isso elegem representantes que sejam capazes de tornarem legitimada a sua vaidade de casta diferenciada.
    Essa é a sociedade solidária e igualitária apregoada por todos os candidatos?
    Se as prerrogativas concedidas a esses extraordinários não fossem subtrair nenhum direito dos cidadãos normais (ordinários), ninguém se importaria para quem quisesse posar de especial.

  2. As forças auxiliares de segurança pública, policiais civis, militares e bombeiros, merecem uma maior atenção. são eles que diariamente correm risco de vida, trabalham sob forte estresse, diferentemente das FFAA.

    • O que dizer de uma mente que acha bonito um parlamentar deste calão, que se acha superior para atingir a honra das pessoas ao invés de discutir ideias e projetos, este é o seu pralamentar, parabéns pela originalidade alex se mostra como és

  3. Estender privilégio dos militares a bombeiros e policiais? Que privilégio? Em 2001, quase 20 anos atrás, tudo que os militares perderam pela canetada de FHC, as forças auxiliares mantiveram. Um partido político dizendo isso? Tem certeza de que isso não é piada? Não acreditem não, apenas tirem a prova de quanto ganha hoje, além das vantagens e compare a média dos policiais e bombeiros com os militares das FAs. Nego-me a acreditar que tal cretinice tenha saído da boca de um parlamentar. Repito, não acreditem em nada, apenas tirem a prova do que falo. Será que é uma eterna sina nos envergonharmos de nosso provo? A democracia é um exercício constante de cidadania e consciência, o que precisa acabar é a permissividade de lados. Meu partido continua sendo meu país. Fez o certo é parabéns, errou é crítica.

    • Equalizar? Como se equaliza atividades tão distintas? Pode-se equalizar o material de trabalho? Enquanto um usa uma caneta, outro usa um fuzil, daria em sã consciência para se dizer que os dois fazem a mesma coisa? Antigamente quando não se tinha calculadoras e computadores, as pessoas eram obrigadas a usar a cabeça, hoje bem menos pelo que se vê. Temos que filtrar bem o que se escuta, para se descartar o discurso demagógico das soluções reais. Uma outra tentativa de “equalizar” o serviço público foi a proposta de isonomia salarial entre os três Poderes, isso jamais saiu do papel.

  4. Os governos deveriam terceirizar todos os serviços mais simples como, telefonista, assessorias, motoristas, cozinheiros,faxineiros e outros serviços de manutenção, jardinagem, vigilância,etc. Vejam os caso de aposentadoria de motorista de um tribunal que ganhava um salário de R$ 6000 e foi aposentado com R$ 51.000,00 só porque tinha adicionais.
    A terceirizar acaba com estas aberrações.

    • Terceirizar resolve tudo? O que resolve de fato é aparar as arestas legais. Temos um país de primeiro mundo para tecer comparações de realidade? Não. Não temos. Temos condições plenas de resolvermos o problema? Só não existe solução para uma coisa, ainda. Existe gente qualificada, capacitada e sendo fartamente bem remunerada, o que falta é o que? Dou uma dica. Os que ganham 51 mil reais, só perdem o direito houver condições legais para isso, o que dificilmente haverá, mas os próximos que entrarem podem não ter as mesmas brechas abertas. Falta o que?

  5. É o soldado x, o cabo y, o sargento a, o capitão b, o tenente c, o coronel d, o major e, o general f, o escrivão g, o delegado h, o promotor i, o juiz j…, e por aí vai a tal “nova política” bolsonariana, que às vezes parece uma delegacia, outras vezes um batalhão, outras vez um vara judiciária…, e por ai vai… tudo pior do que dantes no velho quartel de Abrante$. Fico pensando cá com os botões do Mário Jr., se a polícia, MP e o judiciário migrarem de vez para a política, quem é que irá cuidar da segurança pública, da justiça e, sobretudo, da Política, com P maiúsculo ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *