Livre pensar é só pensar (Millôr Fernandes)

Paro, neste bairro distante que conheço de infância, olho a demolição de mais uma casa, bela, por ser casa. Vão erguer aí mais um edifício feio, sei lá, dizem que um belo edifício garagem, outra forma de feiúra arquitetônica – o objetivo faz a forma. Mas é bom aceitar que as coisas mudam; tudo muda, tudo cansa, tudo passa. Só o dinheiro, desde que o mundo é mundo, não cansa nem sai de moda.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *