Livro reúne histórias desconhecidas e versões corretas sobre fatos da Segunda Guerra Mundial

LIVRO A HISTORIA POR TRAS DA HISTORIA: RELATOS DA 2ª GUERRA MUNDIAL - 1ªED.(2020)Júlia de Aquino
Instagram literário @juentreestantes

Segunda Guerra Mundial é um tema histórico muito explorado na Literatura Mundial. Diversas obras tem o conflito como pano de fundo ou analisam os acontecimentos, envolvimento dos países e consequências para o mundo.

Ao longo de minha trajetória literária, li poucos livros sobre a II Guerra, mas minha “volta ao tema” não poderia ter sido melhor! “A história por trás da História” aguçou minha curiosidade em relação ao assunto e trouxe diversas informações desconhecidas e muito interessantes!

Muitos podem pensar que o autor é um historiador, militar ou um jornalista, e o primeiro fato curioso em relação ao livro envolve seu autor, porque ele é médico.

O AUTOR – Marcelo Lacativa é um cirurgião apaixonado pelo tema da II Guerra Mundial, principalmente pela Batalha de Stalingrado.

Entre seu trabalho e viagens profissionais, sempre consegue um tempo para se dedicar a esse hobby, e já tem outro livro sobre o assunto publicado pela Editora Rocco. “Sob As Cinzas De Stalingrado”, publicado em 2008, foi sua primeira obra, e nasceu após quatro anos de pesquisa sobre o conflito que dá nome ao livro.

O LIVRO – Reproduzo aqui a descrição que publiquei no meu perfil Ju Entre Estantes, que resume de forma “didática” o conteúdo do livro:

Ao longo da vida, ouvimos diversas histórias sobre a 2ª Guerra Mundial que não aconteceram exatamente da forma como aprendemos… Esse é objetivo de “A história por trás da História”: esclarecer alguns fatos, mostrando como na realidade aconteceram, e apresentar outros tantos acontecimentos.

IMAGENS – Sem dúvida, um dos pontos que mais chamam atenção mesmo antes de começar a leitura é a quantidade de fotos que o livro traz. Todos os capítulos têm imagens reais que ilustram o fato ali contado.

Além de ilustrar a história contada naquele trecho, as fotos nos instigam a pesquisar mais detalhes em alguns momentos – houve trechos cuja leitura emendei com uma rápida pesquisa no Google para ver mais imagens. Raros foram os livros que despertaram meu interesse nesse sentido.

ESTILO  – Outro ponto positivo são os capítulos curtos. Cada um mostra uma história, e eles têm, em média, 3 ou 4 páginas. Além disso, a escrita do autor não é tão formal, diferente da maioria dos livros de História. Isso facilita nossa compreensão e faz com que o leitor se sinta mais “próximo”; do que está sendo contado. Também evita a densidade comum em livros do tema, e faz com que não fiquemos “cansados” durante a leitura.

PAPEL DAS MULHERES – Antes de teminar a leitura dessa publicação, pare por um minuto e foque nessa seguinte questão: pense em um fato marcante da Segunda Guerra Mundial envolvendo mulheres, ou algum em que elas tenham sido protagonistas.

Difícil pensar, né? Ao longo de nossos anos de escola e aprendizado, não ouvimos falar do papel da mulherada no conflito. A máxima de que “na época as mulheres tinham que ficar em casa com os filhos, enquanto seus maridos iam para a guerra” não é falsa, mas não é completamente verdadeira.

As mulheres foram essenciais durante a Segunda Guerra Mundial, e não só em ambulâncias e enfermarias – como também aprendemos. Apesar serem “esquecidas” por décadas de História, diversas equipes 100% femininas foram decisivas na Guerra. Lacativa, contudo, não as esqueceu: o livro traz muitas informações e conquistas delas, e conta detalhes específicos e excelentes.

Leitura que vale muito a pena!

Livro: A História por trás da história
Autor: Marcelo Lacativa
Editora: Livros Ilimitados
Páginas: 244

###
CAPÍTULOS FAVORITOS

  • O paraquedista da torre da igreja: conta como um americano ficou pendurado por horas por seu paraquedas, e acabou sendo resgatado pelos inimigos alemães.
  • As bruxas da noite: história sobre um esquadrão de pilotos formado apenas por mulheres que atacavam à noite
  • Códigos de guerra: mostra os códigos impossíveis utilizados pelos países para se comunicarem, além de contar as inúmeras tentativas para quebrar os códigos inimigos.
  • O velho e o mar: narra e explica a quase-participação do escritor Hemingway na guerra e conta como sua mulher atuou no combate. (Por sua obra “Adeus às armas”, muito é dito de sua relação com a Primeira Guerra, mas nada é mencionado sobre ele e o segundo conflito).

19 thoughts on “Livro reúne histórias desconhecidas e versões corretas sobre fatos da Segunda Guerra Mundial

  1. A TI está surpreendente no dia de hoje:
    Uma página sobre História do Brasil e, esta, abordando o maior conflito da humanidade em todos os tempos, a Segunda Guerra Mundial.

    Pois esse é um assunto inesgotável.
    Ainda existem documentos não abertos ao público, e que ainda levarão décadas até chegar ao nosso conhecimento.

    Mas, a questão fundamental é não analisar o guerra através de fatos isolados, como se fossem estanques. Trata-se de um erro histórico, que nos dá uma perspectiva muito aquém sobre o conflito e que merece ser estudado de forma ampla, desde os acontecimentos antes da guerra, e os julgamentos dos criminosos após o seu fim e que foram encontrados para ser devidamente punidos.

    Pois bem, o livro divulgado pela Júlia não foi escrito por um historiador, uma pessoa que tenha levado anos a fio para concluir as suas pesquisas e descobertas, mas por alguém que se interessa pelo tema sem maiores preocupações com os fatos que envolveram dezenas de países nesta guerra, uma espécie de hobby.

    Caso a Júlia me permitir, se algum colega quiser mesmo ler sobre a Segunda Guerra e de maneira que saiba um pouco sobre o conflito, precisa ler com atenção os seguintes livros:
    Ascensão e Queda do III Reich, de William Shirer;
    A Segunda Guerra Mundial, de Anthony Beevor;
    A Segunda Guerra Mundial, de Phillipe Masson;
    Inferno, de Max Hastings;
    A Segunda Guerra Mundial, de Martin Gilbert;
    A Guerra do Mundo, de Niall Ferguson.

    Se quiser se aprofundar de forma consistente, e ser visto com respeito numa conversa sobre esta guerra, então obrigatoriamente deve ler a biografia de Hitler, escrita por Joachim Fest, tida como definitiva sobre o austríaco;
    E Memórias da Segunda Guerra Mundial por Winston Churchill.

    Vale muito a pena, se encontrar em algum sebo, uma coleção da editora Codex, lançada no início da década de sessenta – eu a colecionei em Brasília por mais de dois anos comprando os fascículos -, denominada Segunda Guerra Mundial, na cor cinza com título em branco.
    A coleção, em 12 volumes e 12 fascículos dentro de cada tomo é rica em fotos, que complementam de forma absoluta os livros que citei acima.

    Da mesma forma seria muito interessante a leitura sobre a Revolução Espanhola, um dos prenúncios da Segunda Guerra, assim como a invasão dos japoneses sobre a Manchúria (China).

    Historiadores de renome afirmam que o início da Segunda Guerra em 1º de setembro de 39 foi simbólico ou quando a guerra se tornou internacional.
    Antes, vários fatos anunciavam o conflito, inclusive aconteceram por obra e graça da negligência inglesa e francesa, que permitiram as anexações nazistas da Áustria e a Região dos Sudetos (Tchecoslováquia).

    No caso da Espanha, serviu como teste dos aviões Stukas, um bombardeiro de mergulho.
    A Operação Feuerzauber (em alemão: Fogo Mágico) foi uma operação militar alemã realizada pela Luftwaffe no início da Guerra Civil Espanhola.
    Depois do golpe militar na Espanha que desencadeou a guerra civil, a Segunda Republica Espanhola solicitou apoio à União Soviética e à França.

    Os nacionalistas por sua vez solicitaram apoio à Alemanha Nazista e à Itália Fascista.
    Franco tinha o seu exército em Marrocos, e necessitava de meios para o transportar até à Espanha; além de terem sido usadas embarcações de vários navios de Portugal, a Alemanha Nazi deu à Luftwafe a tarefa de criar uma ponte aérea que atravessa o estreito de Gibraltar.

    A Luftwaffe levou a cabo a operação Feuerzauber, e transportou milhares de militares espanhóis e toneladas de equipamento militar, uma operação que originou a primeira grande ponte aérea da história.

    O artista espanhol Pablo Picasso, se inspirou no bombardeamento da cidade Guernica no dia 26 de abril de 1937. Neste dia, aviões alemães da Legião Condor destruíram quase completamente a cidade espanhola.

    O imenso quadro pintado pelo criador do cubismo, que leva o nome da cidade bombardeada, é uma das obras mais notáveis de Picasso.

    Meus aplausos à Júlia, que qualifica a TI com a sua página às quintas-feiras neste blog incomparável.

    • Caro Bendl,
      o livro que achei mais interessante e real sobre o terceiro império é um escrito por Richard G. Evans. Na verdade é uma trilogia. Desde a origem do nazismo, o surgimento de Hitler, até a derrota da Alemanha.

      Para quem gosta de algo romanceado, a trilogia de Ken Follet é recomendável, misturando fatos reais com fantasia.

      Parabéns a Julia Aquino. Vou procurar ler o livro por ela recomendado. Só pela menção aos esquadrões das mulheres soviéticas (naquele tempo), que não é muito abordado, já vale a pena.

      Abraço, saúde e vida longa.

      • Vidal, meu conterrâneo,

        Svetlana Aleksiévitch é a autora do excelente livro A Guerra Não Tem Rosto de Mulher.

        Nele, a autora reconstrói de forma apaixonante e forte, os acontecimentos que envolveram um milhão de mulheres que lutaram no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, e que a sua história nunca foi contada.

        Livro brilhante, e um dos mais vendidos ano passado.
        Ainda não o comprei, mas está na minha lista.

  2. INFORMAÇÕES URGENTES DO NACIONALISTA FELIPE QUINTAS!

    RADIOGRAFIA DO APAGÃO

    A concessão da linha de transmissão que pegou fogo no Amapá pertencia à espanhola Isolux, acusada de prestar maus serviços em vários países [1] ➞ em 2019, a Isolux vendeu a concessão para a Gemini Energy [2] ➞ por sua vez, 80% da Gemini é controlada pela Starboard e 20% pela Perfin [3] ➞ ambas são ligadas à XP e à BTG Pactual e, mais ainda, são testas-de-ferro da Apollo Global Management, um dos maiores fundos financeiros de Wall Street, que as controla diretamente inclusive [4] [5] ➞ o CEO da Apollo, Leon Black, possuía estreitos vínculos com Jeffrey Epstein, bilionário mundialmente conhecido por comandar uma rede de pedofilia [6] ➞ a Apollo, por sua vez, tem fortes relações com Donald Trump: Josh Harris, um dos fundadores da Apollo, trabalhou no governo Trump como conselheiro de infraestrutura [7], Marc Rowan, outro fundador, foi um dos maiores doadores de campanha de Trump [8]
    Alguém acha que seja coincidência a linha de transmissão do Amapá ter sido vendida para a Apollo Global Management justo no governo Bolsonaro? E ainda há quem ache que Bolsonaro “defende a Amazônia”. Se defendesse, o Amapá não estaria entregue a essa máfia e não estaria nas trevas. E ainda é muito provável que a distribuidora estadual CEA, em processo de privatização pelo BNDES, seja entregue para essa mesma gangue.
    Sem, claro, isentar de responsabilidade a Isolux, que, como vimos, é uma empresa caça-níquel, sem o menor compromisso com a sua atividade-fim.
    Privatização é isso: colocar a infraestrutura do Brasil, a ossatura da nação, sob comando de mafiosos. Privatização é roubo, pilhagem. Nada mais nem nada menos.

    https://www.facebook.com/felipe.quintas.1/posts/1457892674407982

    POR FAVOR TI COLOQUEM URGENTE ESSE ARTIGO DO FELIPES QUINTAS PARA INFORMAR A TODOS QUE AQUI ESTÃO!

  3. Você está querendo dizer que a GEMINI comprou a ISOLUX por vontade de Brasília ? Isso é sacadeira ou está falando sério ? De onde vc sacou isso ?
    Olha, eu lhe asseguro que, em pelo menos algum momento de sua vida, você comprou produto de alguma empresa de Donald Trump, de Joseph Biden ou de George Soros.

  4. Fatos banais descritos nesse livro de cópias extraídas de obras mais profundas a respeito. Sugiro aos incautos leitores que se aventurarem a comprar essa cópia procurem por: O Terceiro Reich em Guerra – autor\; Richard J. Evans – Editora \planeta – 1038 páginas

  5. Todo autor que escreve de forma DI-DA-TI-CA conquista o leitor .

    PS-Infelizmente o dublê de presidente da República,Bolsonaro zero Zero,por absoluta limitação cultural/intelectual e a preguiça natural que tem,não contempla o país e a população brasileira, com um verdadeiro PROJETO DE NAÇÃO,que apresentado de forma DI-DA-Ti-CA seria absolvido gradativamente pela população.

    PS2-Mas isso é para Estadistas,que não é o caso de Bolsonaro Zero zero.

  6. Cada um de nós mantêm seu bandido de estimação alguns, insistem nos mesmos de sempre, os já condenados. Boa mortadela e portos em outros países, bom BNDS para os incautos .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *