Lucrar menos para evitar demissões ou estatizar como medida extrema

Carlos Chagas

Enquanto Madame anda de bicicleta, a indústria automobilística atropela o bom senso, a lógica e até as leis do mercado, sem que o governo tome qualquer providência. Porque, se os pátios estão abarrotados de carros novos, é pela ausência de compradores sem dinheiro por conta da crise econômica. O que aconselhariam Keynes e seus seguidores? Que se baixassem os preços. Que se reduzissem os lucros.

O que fazem as montadoras? Começaram a demitir em massa seus operários. E o governo, faz o quê? Nada.

O dever maior do poder público é zelar pelo bem estar de seus cidadãos. As demissões punem o trabalhador e intranquilizam a sociedade, sendo estultice dizer que a economia é assim mesmo, submetida aos postulados da oferta e da procura. Azar o de quem perde o emprego? A indústria visa o lucro e para preservá-lo julga-se no direito de demitir, sob a ilusão de estar reduzindo custos e diminuindo a produção.

Só que mecanismos existem para evitar as demissões e preservar as empresas. É quando entra o Estado, que existe para isso, dispondo de condições não apenas para socorrer as montadoras, mas para manter os empregos. Como?

Proibindo demissões em massa e intervindo nas empresas que insistirem nessa prática. Exigindo que se declararem inviáveis. Numa palavra hoje proscrita da dita moderna economia: estatizando. Apoderando-se do patrimônio das montadoras depois de mandar seus dirigentes para casa ou para a cadeia. Aplicando recursos públicos para solucionar o impasse através da transformação dos operários em sócios proprietários.

Pode ser drástica essa iniciativa, mas que outra existirá a não ser aceitar as inaceitáveis demissões? Diante de tal hipótese ou ameaça, certamente a indústria automobilística refluirá de sua incompetência e de sua ambição. Admitirá lucrar menos, até entregando os anéis para salvar os dedos. O que não dá é o Estado assistir impassível a degola de seus cidadãos.

ELEIÇÕES ESTATIZADAS

Torna-se necessário não ter medo do que se convencionou como heresia, muito pela ação da mídia. Estatizadas estão as eleições, por exemplo. Teria a iniciativa privada condições de realizá-las, a não ser para institucionalizar e ampliar a corrupção, já evidente no regime atual? O poder público não tem que ser ineficiente, muito menos esbanjador. Pelo contrário, é do outro lado que surgem práticas deletérias como as que ainda agora emergem do escândalo da Petrobras. Em suma, é preciso implodir tabus e falsas verdades hoje absolutas. Em especial se for para preservar os empregos de milhões de trabalhadores.

19 thoughts on “Lucrar menos para evitar demissões ou estatizar como medida extrema

  1. Com todo respeito, mas é muito querer. Quando vivemos uma crise completamente causada por um Estado e governo ineficiente e gastador, se pede como solução mais Estado? O que é isso? Como se o governo fosse formado por iluminados e não pelos mesmos políticos que amaldiçoamos diariamente…

    • Meu caro Carlos Chagas, simplesmente não é assim que funciona. Foi o governo quem incentivou as vendas da indústria automobilística, através da redução de impostos e alongamento dos prazos de financiamento, e as indústrias aumentaram a sua produção para atender a este aumento artificial de demanda. Agora, quando o poder de compra do povo se reduz pelo aumento da inflação, pela retirada dos subsídios e pela própria saturação do mercado, não basta que as montadoras reduzam os preços para se livrarem dos estoques (o que aliás elas vêm fazendo, basta olhar as promoções que todas as concessionárias estão oferecendo), têm que reduzir ou parar a produção para evitar que estes estoques continuem aumentando. E reduzir a produção mantendo a força de trabalho implica inevitavelmente num aumento de custos que impede a redução de preços.
      O governo desprezou as leis do mercado para tentar manter artificialmente o nível de atividade econômica, e obviamente não deu certo. Mais interferência do governo só vai piorar ainda mais as coisas. Estatizar a indústria é acabar com o pouco de produtividade qeu ela ainda tem. Não deu certo em nenhum país do mundo, e não vai dar certo aqui também.

  2. Acho que nosso querido jornalista teve uma noite de insônia. Só tendo a mente embotada, ainda que temporariamente, para falar em privatizar montadoras. Quem sabe colocar na direção um sindicalista filiado ao pete? Mais econômico para os cofres públicos seria estatizá-las e imediatemente fechá-las.

  3. No passado recente o governo promoveu redução de alíquotas de IPI para salvar as montadoras e outros setores da economia brasileira devido à crise iniciada em 2008. Tomou a providência que julgava necessária, sendo que as alíquotas voltaram aos seus patamares originais. Nada de mudança na política tributária para melhorar a vida do cidadão. De um lado, governo salvando as empresas das lambanças do mercado onde se enfiaram; do outro a preservação de lucros como pedra fundamental. E o trabalhador-contribuinte no meio dessas duas catástrofes a sustentá-las em seus ombros.

  4. O QUE ESTA SENHORA PRESIDENTE E O MINISTRO DA AGU FAZEM CONTRA OS APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO FUNDO DE PENSÃO AERUS VARIG E TRANSBRASIL

    Muitíssimo obrigado Exma. Presidente da República, Senhora Dilma Rousseff. Muitíssimo obrigado senhor Ministro da AGU Luiz Inácio Adams. A merreca do AERUS foi depositado em nossas conta mais uma vez este mes de Junho de 2015. Já são tres meses que voltamos a passar por situação dificil no que diz no aspecto finaceiro. O Desembargador Daniel Paes Ribeiro está esperando o processo voltar da AGU ( foi levado para a AGU no dia 19 de maio de 2015 ) e pelo que sabemos deve levar 30 dias para que o mesmo volte para as mãos do Exmo. Desembargador Daniel Paes Ribeiro para ele dar o parecer final.
    Enquanto isto não acontece estamos há tres meses recebendo apenas as merrecas que já nos era paga antes da vitória em Fevereiro deste ano de 2015. Recebemos apenas nos meses de Fevereiro e Março os nossos benefícios completos. Em 02 de abril de 2015 já voltamos a receber apenas as merrecas que estávamos recebendo ( Rateio de Crédito depositado pelo Liquidante do AERUS )

    DEUS LHE PAGUE EXMA. PRESIDENTE DA REPÚBLICA Senhora Dilma Rousseff.
    DEUS LHE PAGUE EXMO. MINISTRO DA AGU Senhor Luiz Inácio Adams.

    Assinado:
    Comissário de bordo aposentado do AERUS VARIG Paulo Resende.
    José Paulo de Resende.
    Itaipu Niterói – Rio de Janeiro.
    Segue abaixo o meu saldo no banco hoje dia 02 de junho de 2015.
    Este saldo já pequeno demonstra o que eu recebí do Aerus neste mês de Junho referente a Maio de 2015. Tinha um saldo negativo de 172,44 Reais e me foi descontado pelo banco Itaú um valor de 9,14 Reais. Ficou um saldo de 181,58 Reais negativos. Recebí a merreca do AERUS que foi depositado hoje dia 02 de junho de 2015 no valor de
    592,22 Reais. Me sobrou apenas como saldo no Banco Itaú hoje o valor de 410,64 Reais. Que não deu para pagar quase nada que devo.

    Só para informar a todos que se eu recebesse corretamente desde 02 de abril de 2015 estaria recebendo o valor de 5.716,00 Reais tirando daí apenas o Imposto de Renda.

    Mesmo assim MUITO OBRIGADO A PRESIDENTE DA REPÚBLICA E AO MINISTRO AGU pelo descaso e desprezo que Eles tem com os aposentados e pensionistas do AERUS VARIG E TRANSBRASIL.
    DEUS LHE PAGUE EXMO,PRESIDENTE E MINISTRO BRASILEIRO!!!!!!!!!!

  5. Ele cita Keynes mas pouco conhece de teoria econômica. Se estatizar uma montadora sequer, o capital privado some do país, vira fumaça branca, justamente o que o governo com sua gigantesca taxa de juros tenta evitar.

  6. Estatizar ou seja criar cabides de emprego para os apadrinhados. Mais teta. Não seria mais adequado reduzir os impostos com a manutenção do emprego?
    O governo não consegue administrar corretamente a casa de “maria joana” pois com o tempo esta estará ocupada pelos bezerros no ubere da vaca.

  7. O maior problema é o governo do PT que vem tomando soluções imediatistas
    como empréstimos “facilitados” e dando incentivo as montadoras, facilitando
    a compra de veículos a longo prazo. Quem faz um empréstimo ou quem compra
    um automóvel a longo prazo, durante esse período fica com seu orçamento
    comprometido para novas compras, é o que chamamos de: dia de muito, véspera de nenhum.
    Com relação´a indústria automobilística, o erro vêm de longe. Quando se abriu as portas para as
    indústrias automotivas, no Brasil já existiam pequenas indústrias do ramo, algumas conseguiram
    sobreviver até a ditadura, todas foram levadas ao fechamento pela pressão das multinacionais e
    o “desinteresse” dos governos na época. Se houvesse incentivo dos governos, hoje teríamos indústrias
    nacionais automotivas. A iniciativa privada, principalmente as montadoras estrangeiras, não têm compromisso com o social, seu compromisso é o lucro, doa a que doer. A matrix exige a remessa do
    lucro.

  8. IMAGINA SÓ O GOVERNO TOMANDO CONTA DAS MONTADORAS!
    SERIAMOS OBRIGADOS A COMPRAR CARROÇAS PAGANDO PREÇO DE FERRARI!
    DEUS NOS LIVRE E GUARDE!
    JÁ NÃO BASTA PETROBRÁS, ELÉTRICAS E OUTRAS SENDO DILAPIDADAS POR ESSA CORJA DE PETRALHAS!

  9. Essas montadoras não baixam um centavo nos seus lucros e a mídia patrocinada pelos seus comerciais ficam no mínimo em cima do muro ou seja nos meus patrocinadores nem pensar em mexer por onde anda mídia investigativa que não faz uma comparação em dolar dos nossos modelos (carroças) com os dos países desenvolvidos ? Esses caras devem diminuirem a margem de lucros para sair deste estoque alto.

  10. Noruega é o país mais próspero do mundo, com muito Estado do Bem-Estar Social. Com muita igualdade. Com muita justiça social.

    Deveria ser um modelo para o Brasil, mas infelizmente nossas elites e classe-média conservadoras não permitem uma radicalização do Estado do Bem-Estar Social previsto na Constituição de 1988.

    Na Noruega o neoliberalismo, o capitalismo liberal, a desigualdade, o egoísmo, o individualismo não se criam.

    Noruega, em 100 anos, passou de um dos países mais pobres da Europa, convivendo com o gelo e a escuridão por metade do ano, para ser sinônimo de riqueza e justiça social com um PIB per capita de US$ 100 mil. Taí um exemplo a ser copiado pelo governo brasileiro. O que falta ao governo é coragem para enfrentar essa elite bosta fedida do nosso Brasil. As montadoras e os bancos deitam e rolam encima do pobre povo, que sem representante, ficam sem alternativas e os aproveitadores lhes roubam o pouco que têm, isso é lamentável. Essa é a hora dos que se dizem defender o povo mostrar a cara.

    • Faz anos que o professor Chagas insiste na tese de garantia do emprego, ou seja, quando o governo troca os pés pelas mãos e a economia entra em crise, os empresários da iniciativa privada não deveriam demitir.
      Ele demonstra apenas, que nunca dirigiu uma empresa privada, muito menos menos uma na qual fosse o Presidente e acionista majoritário.
      No dia que ele tiver uma empresa sua e tiver que enfrentar uma crise criada pelos governantes, ele então saberá com quantos “paus se faz uma canoa”.
      Até lá, o professor Chagas continuará com essa cantilena terceiro mundista, de esquerda.
      Pimenta no dos outros é colírio.

    • Não se engane meu caro, a riqueza da Noruega existe APESAR do tamanho do Estado e do bem-estar e NÃO graças a ele. O que afirmas é um grave problema de achar que correlação é o mesmo que causalidade. São mais de US$ 40 bilhões anuais de renda para o Estado devido somente a enorme quantidade de petróleo presente no país. É um “belo” capitalismo de estado, como o chinês, mas a Noruega só precisa atender uma população de míseros 5 milhões de pessoas (a população só da cidade do Rio de Janeiro). Para não dar certo esse país teria que importar uma Dilma e seu partido e se esforçarem muito para estragar tudo. Quanto a ter sido um dos mais pobres da Europa, os dados que tenho iniciam em 1960 e neste período o PIB per capita é semelhante a Reino Unido e Alemanha.

  11. Esta é especial para o professor Chagas:

    ” Artigo no Alerta Total – http://www.alertatotal.net
    Por Raio Privatizador

    “Quer me chamar de coxinha, paneleiro, elite branca, bebedor de Black Label (parabéns pra esse último! Sensacional!)…
    Ok. Acho até divertido…
    Mas faz um favor para o seu país antes!
    Emprega alguém!
    Na CLT!
    Paga tudo direitinho!
    Pega TODA a sua grana e coloca na sua ideia…
    No seu negócio.
    Pega um financiamento, com a maior taxa de juros do mundo, e arrisca seu pescoço na sua iniciativa…
    Aluga um escritório ou uma loja!
    Compra um estoque!
    Corre o risco de verdade!
    Se o governo tirar o incentivo para o consumo, não desanima…
    Pega outro empréstimo, com a maior taxa que o mundo moderno já viu!
    Paga os juros do primeiro empréstimo com outro empréstimo!
    E vai com fé na sua ideia!
    Paga o décimo terceiro e as férias do teu funcionário!
    Sem vender merda nenhuma em Dezembro… Janeiro… Fevereiro…
    Nem no mais lindo Carnaval do mundo, quando todo mundo para de trabalhar…
    Ou na Copa das Copas que te deu 12 dias úteis num mês corrente…
    Paga mais para os teus fornecedores, já que os seus custos também aumentaram devido à energia, gasolina e dólar…
    Mas, diminui o seu preço, pra tentar ser competitivo numa economia recessiva…
    Então, tenta fazer com que uma estrutura enxuta seja perene. Acaba com sua eficiência!
    Vai ser difícil, já que o seu cliente está quebrado e não pode te pagar mais…
    E corre o risco de quebrar de vez, perdendo todo capital que você investiu…
    Fez tudo isso?
    Então beleza!!!
    Me chama do que quiser… Você é um herói e não me interessa qual partido apoia!
    Tem o meu respeito!!!
    Não fez nada disso?
    É político de carreira?
    Está encostado em alguma bolsa?
    Mama na teta do governo?
    É vagabundo?
    … E pensa que pode falar sobre patrão e empregado, classes sociais, oportunidades e exploração da cadeia produtiva…

    Desculpa, mas…

    Texto publicado no Facebook do Raio Privatizador. Compartilhado por mais de 22 mil internautas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *