Lula apoia Crivella e Lindberg; Cabral apoia Picciani e Lindberg

Pedro do Coutto

Na noite de quarta-feira, no horário eleitoral da televisão, em matéria de eleições para o Senado pelo Rio de janeiro,  o presidente Lula apoiou enfaticamente as candidaturas de Marcelo Crivella e de Lindberg Farias, lembrando que os eleitores podem votar em dois candidatos. Logo a seguir, no espaço do PMDB, o governador Sergio Cabral revelou seu empenho pela vitória de Jorge Picciani e também de Lindberg.

O fato (duplo) provocou uma confusão tripla. Primeiro a bancada do PMDB na ALerj dirigiu-se ao governador pedindo a ele que pense melhor seu apoio, pois assim estaria previamente condenando Picciani à derrota. Mas Sergio Cabral não pode mais retirar a gravação do ar, nesta altura em poder de Lindberg. Porém pediu que toda a bancada e os prefeitos da legenda cerrem fileiras em torno do presidente da Assembléia Legislativa.

Enquanto isso, o Tribunal Regional Eleitoral, através de liminar do Juiz Antonio Augusto de Toledo Gaspar, segundo publicaram a Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo, não se sabe por iniciativa de quem, proibiu que o presidente da República se manifeste em favor de Crivella, que é do PRB, partido do vice presidente José Alencar. Através do advogado Fernando Setembrino, o candidato da Igreja Universal, entrou com recurso sustentando – aliás com razão – que, no plano federal, o PT de Lula está em coligação com o PRB na campanha de Dilma Rousseff.

Ganhará o recurso, creio eu, sobretudo porque o Tribunal Superior Eleitoral a 12 de agosto aprovou uma súmula decidindo que Luis Inácio da Silva pode participar de programas de adversários nos planos estaduais, desde que o candidato objeto do apoio pertença a uma legenda coligada nacionalmente ao PT. Este é exatamente o caso do PRB de Crivela. A liminar, assim, está errada.

Considerando-se que o presidente da República certamente vai reiterar sua adesão às candidaturas Crivella e Lindberg, e que o governador Sergio Cabral vai manter seu apoio a Picciani, mas não poderá retirar a declaração que já destinou ao ex-prefeito de Nova Iguaçu, o panorama para o Senado pelo RJ passa a tender no sentido da reeleição de Marcelo Crivella e da eleição de Lidberg. Sem dúvida.

Hoje, de acordo com as recentes pesquisas do IBOPE e Vox Populi, o Bispo da Universal e Cesar Maia estão na frente. Mas os levantamentos foram feitos antes da disputa entrar maciçamente na TV e no rádio. O quadro deve mudar, penso eu. Em primeiro lugar, porque Gabeira não pediu votos para Cesar. Em segundo porque o presidente Lula provavelmente se empenhará para derrotar o ex-prefeito do Rio, apontado como o organizador da vaia que recebeu no Maracanã na abertura dos Jogos Panamericanos de 2007. Em terceiro porque, também de acordo com O Estado de São Paulo de 19 de agosto, começou uma crise no PSDB e no DEM no estado em face de nos seus espaços não terem incluído propaganda de José Serra. A campanha de Cesar Maia vai sofrer os reflexos dessa falta de sintonia. A de Jorge Picciani também. Vamos ver o que revelam as próximas pesquisas para os efeitos das contradições no eleitorado se faça sentir.

Em tempo de voto e de povo, as reações são inesperadas e difíceis de reverter. Como pode, por exemplo, o juiz Toledo Gaspar conceder liminar contrariando uma súmula do TSE? Se tivesse lido a reportagem de Felipe Seligman e Lucas Ferraz, na FSP  de 13 de agosto, talvez sua disposição fosse diversa. Por essas e outras é que é importante a leitura diárias dos jornais. E não só dos jornais, agora dos sites também. Há empresas especializadas em clippings tanto das páginas quanto das telas da internet.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *