Lula começa bem, ao propor união pela democracia, num apelo que exclui Bolsonaro

Lula pregou união de democratas e diz não ter desejo de vingança

Pedro do Coutto

Foi sem dúvida uma boa largada a do ex-presidente Lula da Silva no encontro do PT no sábado em São Paulo, quando deu início à caminhada pelas eleições de outubro. Lula propôs a união de todos pela democracia e destacou que não alimenta rancores e nem reações contrárias aos que são contra ele.

Foi um lance político importante na minha opinião. Sobretudo porque de todos os candidatos e pré-candidatos à Presidência da República nas urnas de outubro, deixou claro que dificilmente o presidente Jair Bolsonaro poderá participar  de uma frente democrática, pois vem assumindo uma posição contrária à manifestação de apoio à democracia brasileira.

CONCILIAÇÃO – Lula fez um bom discurso destacando a conciliação das forças políticas e uma convergência contra o totalitarismo. As manifestações até agora contrárias à essência da democracia partem do presidente Jair Bolsonaro e dos bolsonaristas de modo geral.

Um exemplo, o caso do deputado Daniel Silveira. Outro exemplo, os que se manifestaram no dia 1º de maio defendendo inclusive o fechamento do Supremo Tribunal Federal e a implantação de uma ditadura militar com Bolsonaro.

O presidente participou da manifestação e, portanto, concordou com ela. Pedir o fechamento da Corte Suprema é tudo menos exaltar a democracia brasileira. Sua mensagem simboliza também o esquecimento do passado e este fato baseia-se nas decisões do STF que anularam as condenações que sofreu e os processos da justiça que deram margem às mesmas. Lula tocou em pontos sensíveis da opinião pública.

PLENO EMPREGO – Focalizou essencialmente o congelamento de salários diante da disparada dos preços  que sobem todas as semanas, enquanto os salários permanecem estagnados. Defendeu a distribuição de renda, o que só poderá ser alcançado através do pleno emprego, na minha opinião.

Quaisquer ações assistenciais e não econômico-sociais são utópicas. O Auxilio Brasil, por exemplo, é um socorro importante para as famílias que têm fome, mas não geram fundo de FGTS e aposentadoria pelo INSS.

O panorama da campanha eleitoral foi descortinado no sábado em São Paulo. A polarização da campanha é um fato irreversível, na minha opinião. Cabe agora ao presidente Jair Bolsonaro responder a Lula. Em matéria de democracia, a limitação significa uma barreira, a começar por sua contestação repetida ao sistema eleitoral brasileiro com foco nas urnas eletrônicas, através das quais foi eleito por larga margem de votos em 2018.

CONTESTAÇÃO  – Reportagem de Patrícia Campos Mello, na Folha de S. Paulo deste domingo, focaliza o posicionamento de correntes bolsonaristas que passaram a atacar os institutos de pesquisa para desacreditar os levantamentos sobre as intenções de voto que elas apresentam. Essa atitude não é patrimônio do bolsonarismo; ela atravessa os tempos.

Vem desde as eleições de 1955, sempre tendo como ator principal o governador Carlos Lacerda, líder incontestável da direita no país. Quando derrotados seus candidatos, sempre se voltou contra a posse dos eleitos. Quando foi vitorioso, aí estava tudo perfeito.

Lacerda era um gênio e um político que buscava chegar à Presidência da República. Lembro que no dia 2 de abril de 1964, quando repórter do Correio da Manhã, houve uma reunião no Palácio da Guanabara convocada por ele com os governadores que apoiavam o movimento que derrubou o presidente João Goulart.

DISCURSO – Lá estavam além de Lacerda, Ademar de Barros, Magalhães Pinto, Petrônio Portela e, como convidado especial, na mesa, o jornalista Júlio Mesquita Filho, diretor do Estado de S. Paulo. Falaram todos e de repente Lacerda retoma o discurso, elogiando o general Castello Branco dizendo “Sou seu amigo, seu admirador e quero ser o seu sucessor na Presidência da República, as eleições de 1965”.

Lacerda não se continha, esse era o seu problema. Criou resistência e terminou rompendo com o bloco militar que o apoiava e que foi apoiado por ele nas articulações contra João Goulart. Isso pertence ao passado. Digo isso, pois quem está prestes a perder as eleições tenta desacreditar as pesquisas.

20 thoughts on “Lula começa bem, ao propor união pela democracia, num apelo que exclui Bolsonaro

  1. Lula é um democrata autêntico. Governou com a ajuda de outros partidos mas sem orçamento secreto e tb SEM mensalão que nunca identificou quais projetos necessitariam de compra de votos, bem como quais deputados teriam se vendido.
    Mas uma coisa é se submeter à lei quando ela lhe é injusta, outra é concordar em não fazer nada contra a injustiça.
    Conclusão: os adversários políticos que replicavam as acusações inventadas por Moro estão perdoados. Mas Moro / Dalagnol continuarão a sentar se no banco dos réus

  2. Ser esquerdista não é descrédito para ninguém, mas no caso do PT há história de corrupção de muita inglória. O que inviabiliza o Lula é ele não ter preparo para ser presidente nem tampouco antecedentes que o recomendem – é um semianalfabeto, para resumir e ser concreto.
    O Bolsonaro, é claro, a gente pode sentir a sua incompetência até pelo faro – é um rude sem preparo.
    Por isso vou de terceira via: Prefiro Tebet e Moro, mas fico até com o Ciro, embora só tenha dele maus agouros.

  3. E O BAILÃO DO BLÁ-BLÁ-BLÁ DOS ME$MO$ segue de vento em popa, com Lulas, Bolsonaros, seus puxadinhos e cia da mesmice caprichando nas suas pérolas ignóbeis. BOLSONARO NA LIVE: “O que posso garantir para vocês? Que teremos eleições limpas no corrente ano”. “É o que todo mundo quer, acredito que sem exceção, a não ser aquelas pessoas que pensam em fazer algo que nós não concordamos, esse nós somos todos nós.” Bolsonaro e a eleição dos nós, que ele ama de paixão, a julgar pela sua fala. O fato é que nunca, jamais, em tempo nenhum, existiram eleições limpas no Brasil, e a culpa nunca foi da urna eletrônica, nem do sistema de votação e apuração, mas é, isto sim, do sistema político que nasceu podre e podre continua, à moda pau que nasce torno o destino é morrer torto, tipo samba de uma nota só, digo, de um plano só, que apelidei de Plano CARACU, face ao qual ele$, os candidatos e donos de partidos e ditaduras, de direita, esquerda e centro, entram com a CARA e o povo entra com o C.Ú (caixa único) da república dos me$mo$, sediado, concentrado e centralizado em Brasília, a “Ilha da Fantasia” dos me$mo$. Bolsonaro, a exemplo do resto, infelizmente, tb mente, desbragadamente, descaradamente, compulsivamente… A patuscada dos me$mo$, digo, do militarismo e do partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, até que é divertida, mas o problema da dita-cuja é a relação custo/benefício, que já levou a república dos me$mo$ à lona, e tornou-se insuportável nas costas dos que trabalham e pagam tributos. Daí, a necessidade de pensarmos, seriamente, naquilo que o Bolsonaro disse que nenhum dos “nós” querem, em sendo ele$ os próprios “nós”, como confessado pelo próprio Bolsonaro, tipo peixe que morre pela própria boca, culpando as pessoas que querem fazer algo que os nós não concordam. QUE ALGO SERÁ ESSE, E QUAIS PESSOAS SÃO ESSAS, que querem fazer algo que o nós não concordam ? Se tem pessoas querendo fazer “algo” que os “nós” não concordam esses algo deve ser bom para o conjunto da população, salvo melhor juízo. Será a Democracia Direta com Meritocracia, a custo zero no lombo do contribuinte, aberta à participação de todos e todas, independentes de partidos, com mandatos de no máximo 5 anos, sem reeleição, com eleições gerais, renovação total e alternância no poder de 5 em 5 anos, para todos os cargos, para que o país e as pessoas sérias possam trabalhar em paz, planejar e tocar a suas vidas respirando outra coisa que não eleição, golpes e guerra tribal, primitiva, permanente e insana dos me$mo$, diariamente, por poder, dinheiro, vantagens e privilégios, sem limite$, como todos os bônus para ele$ e os ônus para o resto, estado de coisa$ e coiso$ esse cujo continuísmo está sendo questionado séria e frontalmente, há cerca de 20 anos, como nunca antes visto na história do Brasil e do mundo, pela Revolução Pacífica do Leão, o megaprojeto novo e alternativo de política e de nação, com Democracia Direta e Meritocracia, a nova política de verdade, a Nova Via Extraordinária, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, da qual os “nós”, como confessou Bolsonaro, as velha$ via$ ordinária$ do velho sistema apodrecido dos me$mo$ estão fugindo igual o diabo foge da cruz ? http://www.tribunadainternet.com.br/entenda-por-que-bolsonaro-esta-certo-de-que-conseguira-desmoralizar-a-urna-eletronica/?fbclid=IwAR3b4L2rZVfCdhSVlYZiQ4am3ckGimf_3zgLsyE-d0CN1jE-aw9uV7EMmIA

    • Bem, o pior cego é aquele que se nega a enxergar. Existe mais de uma centena de motivos que mostram que o Lula é o maior corrupto, ladrão e assassino do Brasil. Mas, quem é igual a ele não pode negá-lo.

  4. Em sua primeira eleição, Lula traiu os trabalhadores quando fez a “Carta aos Brasileiros” para acalmar os banqueiros e o sistema vigente.
    A aliança com Alckmin, é um tipo de carta aos brasileiros. Vai manter esse sistema nocivo ao país.
    Um ex-presidente em que sua gestão houve a maior roubalheira do dinheiro público da história do Brasil, sua fala não tem credibilidade.
    Os piores políticos durante o governo Lula e o centrão, hoje fazem parte do governo Bolsonaro, são os mesmo que também apoiaram Lula.
    Claro, quem apoia a polarização entre Lula e Bolsonaro, defende esse sistema deletério, porque sabe que Lula só vence às eleições se disputar o segundo turno com Bolsonaro.
    Não sou obrigado a votar no menos ruim. No primeiro turno é para votar no melhor. No segundo turno, se for entre Lula e Bolsonaro, seremos obrigado a votar no menos pior, mesmo sabendo que esse sistema que vem destruindo o Brasil será o mesmo.
    Lula tem uma vantagem sobre os demais candidatos, é o politico mais conhecido, haja vista que disputa eleições com o PT desde 1989, isto é há 33 anos.
    Lula foi responsável pelas eleições de Collor, FHC duas vezes e a do Bolsonaro. Quem conhece a história sabe

    • Nélio, pode ser qualquer um, menos aquele que está destruindo os pilares da Educação. Trata-se de um massacre contra a população pobre, que precisa de uma Escola Pública de qualidade para poder competir no mercado de trabalho com os jovens das classes média e alta, que estudam em Colégios, cujas mensalidades ultrapassam cinco mil reais. Isso é uma disparidade descomunal, a ponto até, de um jornal conservador, como o Estadão, hoje na sua Notas e Informações, página A 13- Metrópole, expor a bagunça no INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Um vexame colossal.
      Ocorre lá, segundo a matéria em foco: “má gestão, denúncias de assédio moral e demissões, clima de insegurança e medo”.
      Há nesse governo, um descaso total com a Educação Básica, principalmente.
      Acho até, que para esse pessoal, comandado por pastores, se fosse por eles, só haveria ensino de Matemática e Português e olhe lá. Isso e semelhante e até pior, do que o regime escravagista. Seria o mesmo que condenar os pobres a continuar na mesma situação, sem nenhuma chance de progredir.
      Mas, isso e tão insano, que não vai prosperar.

  5. É muito interessante certos comentários… O Sarney, ilustre membro da Academia Brasileira de Letras, foi um dos piores Presidentes… O FHC, tido como o intelectual, comprou a reeleição, escândalo no BACEN, e tudo ficou por isso mesmo…O Bolsonaro, expulso do exército pelas razões que toda a sociedade conhece, além de sua tara em defender a DITADURA, todos aceitam como se fosse o salvador da Pátria… A sua família envolvida em inúmeras falcatruas e sem nenhuma restrição… tudo isso é normal para esse aventureiro, a destruir o nosso país… Em seu desgoverno, a inflação disparou… o desemprego está nas alturas… o desmatamento destruindo o país… a segurança é uma piada… a saúde nem se fala, enquanto os políticos têm os melhores planos de saúde, todos pagos pelo contribuinte… Os inúmeros escândalos desse desgoverno – (Ministério da Educação, Ministério da Saúde, Ministério do Meio Ambiente, etc) – justificam o seu impeachment, no entanto, todos se calam e apoiam esse monstro a destruir o nosso patrimônio… Gostaria que o jornalista Carlos Newton comentasse o artigo do Pedro do Coutto…

  6. O maior corrupto da História da Humanidade discursando para os seus, evento fechado, 4.000 otários, saia as ruas, sem os seguranças que lhe acompanham dioturnamente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.