Lula diz que Bolsonaro “tem um plano de desmonte da estrutura pública brasileira”

É a primeira vez que Lula está em Brasília após de ser solto

Renato Souza
Correio Braziliense

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro, nesta terça-feira, dia 18, em Brasília. Ele participou de um encontro do PT no qual foram debatidas as eleições municipais deste ano e as novas estratégias do partido.

Entre os assuntos discutidos, esteve uma nova política de comunicação do PT, que deve aumentar a presença nas redes sociais, e propostas econômicas a serem apresentadas no Congresso Nacional. Uma delas trata de um plano emergencial para a geração de emprego.

DESMONTE – “O Bolsonaro não tem um programa de governo até agora. Tem um plano de desmonte da estrutura pública brasileira. Desde que ele assumiu, a economia eu diria que teve um alento. Os empregos que são criados são os informais”, disse Lula.

O petista declarou que existe uma proposta, do partido, para fazer com que o Banco Central deixe de atuar apenas no câmbio e outras áreas do mercado financeiro, mas também seja responsável por acompanhar e atuar em relação ao desemprego.

CANDIDATURAS –  O ex-presidente afirmou que estão sendo avaliadas as candidaturas para as eleições municipais e sugeriu que Fernando Haddad não deve se candidatar à Prefeitura de São Paulo. “Quando o Haddad quiser ser candidato, ele será candidato. Tem uma disputa por prévias em São Paulo. Tem muitos nomes”, completou.

Haddad, também presente no encontro, reforçou as declarações. “Teve uma etapa de inscrição para as prévias em São Paulo. Eu me inscrevi nas prévias? Eu fui candidato em 2012 e 2016”, disse o ex-prefeito da capital paulista.

OFENSAS A JORNALISTAS – Lula criticou ainda as declarações do presidente Jair Bolsonaro em relação à jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo. O presidente da República fez insinuações com teor sexual sobre a profissional.

“Já virou um comportamento cotidiano dele, ofender as pessoas. Lamentavelmente, me parece que a educação e o respeito não chegaram à cabeça do governo Bolsonaro. Está na hora dele aprender bons modos”, completou Lula.

O ex-presidente continua em Brasília nesta quarta-feira, dia 19. Na parte da tarde, ele presta depoimento na Justiça Federal de Brasília. Lula é acusado de editar a medida provisória 471 para beneficiar montadoras. “É uma farsa, uma mentira”, disse ele sobre a acusação.

15 thoughts on “Lula diz que Bolsonaro “tem um plano de desmonte da estrutura pública brasileira”

  1. Este animal tem que ficar preso
    Quer tumulto, está provocando para haver crise institucional.
    Quanto pior, melhor, para este canalha, ladrão, condenado três vezes.

  2. A imprensa brasileira adora um bandido…e uma teta!
    Depois ficam com frescura quando alguém adjetiva alguns profissionais dessa atividade.

    A Rede Esgoto mesma está em plena campanha para impedir que polícia atire em via pública.

  3. Um criminoso condenado e, temporariamente solto, dando entrevistas e analisando o Estado Brasileiro, que ele e sua quadrilha quase destruíram. Curioso, nenhum comentário de rodapé sobre suas afirmações insanas. É um verme, doente, que transmite ódio, inveja e canalhice pelos poros, de onde também sai muita cachaça.

  4. Luiz inacio calado é um chato, falando ninguém aguenta.
    O cabra nunca disse nada que se aproveitasse.
    Preso sim , seria a saída, e ainda assim nos dá prejuízo.
    Nasceu para ser ladrão, e seu maior assalto foi roubar a consciência do povo trabalhador.

  5. “Pau que bate em Chico bate em Francisco”

    Em depoimento nesta manhã à Polícia Federal, o ex-presidente Lula disse usou a liberdade de expressão assegurada na Constituição Federal para fazer as declarações que embasaram a abertura de um novo inquérito contra ele.

    Lula depôs hoje em uma investigação aberta pela PF a pedido do ministro da Justiça, Sergio Moro, com base num enquadramento na Lei de Segurança Nacional. Segundo o ofício, a investigação foi motivada por falas do petista que sugerem que Jair Bolsonaro seja “miliciano”.

    Lula também afirmou que não citou uma pessoa em especial, mas falou de um cenário político genérico.

    No vídeo que baseou a investigação, o ex-presidente diz que “não é possível que um país do tamanho do Brasil tenha o desprazer de ter no governo um miliciano responsável direto pela violência contra o povo pobre, responsáveis pela morte da Marielle, responsável pelo impeachment da Dilma, responsáveis por mentirem a meu respeito”.

    A intimação para o ex-presidente depor na Polícia Federal chegou a ele na semana passada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *