Lula pode mais atrapalhar do que ajudar

Carlos Chagas 

Haverá desgaste para a presidente Dilma Rousseff caso a decisão de Antônio Palocci afastar-se ou ser afastado da chefia da Casa Civil coincida com a presença do ex-presidente em Brasília, esperada a partir de hoje. Primeiro, porque se tornará evidente,  mais do que   a influência,  a interferência do antecessor nos negócios da sucessora.  Depois, se vier a público que um dos clientes responsáveis pelo enriquecimento meteórico de   Palocci   tiver sido a empreiteira  cujo jatinho  ainda há dias o primeiro-companheiro utilizou para visitar as Bahamas, Cuba e Venezuela.
                                             
Numa palavra, a lambança continua, podendo refluir caso o Procurador Geral da República, amanhã, anuncie a decisão de investigar o ministro, já que na quinta-feira ele viaja para o Paraguai. Haveria, pelo menos, fora do palácio do Planalto, um argumento capaz de justificar o  afastamento.
                                         
Em paralelo,  parece  questão de dias que algum veículo de comunicação anuncie a lista dos clientes da empresa de consultoria de Palocci, assim como a relação de quanto pagaram pelas consultas. Esse  tipo de segredo não dura muito, em especial,  como disse o próprio consultor, foram informados todos os órgãos  que a lei determina. No mínimo a Secretaria de Fazenda da prefeitura de São Paulo e a Receita Federal. A concorrência é grande entre jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão, se algum blog não se antecipar.
                                              
Fica claro que não basta lancetar o tumor. Haverá que esperar a derrama do pus, apesar do mau gosto da imagem.

***
A VEZ DAS AMARGAS
Começam a surgir rumores de haver caído o índice de aprovação popular da presidente  Dilma, nas pesquisas rotineiramente realizadas mas nem sempre divulgadas pelos institutos contratados pelo governo. Se verdadeira a informação, será uma pena, porque o perfil e o estilo  dela,  muito diferente do antecessor, até que vinha agradando. Mais ação e menos exposição parece uma preferência nacional, apesar de certos   conselhos matreiros que a presidente vem recebendo  nas últimas semanas. Caso seus percentuais de preferência tenham mesmo caído, tomara que Dilma não se deixe levar pela necessidade de mudar de comportamento.

***
EXPLODE MAS NÃO CORRE
Já se vão mais de quarenta anos de um episódio simbólico que bem poderia servir de parâmetro, claro que figurado, para a presidente Dilma Rousseff. Presidia o país o marechal Artur da Costa e Silva, sempre pronto a viajar pelos estados e a passar os fins de semana no Rio. O avião presidencial, naqueles dias, ainda era um Electra, depois substituído por um BAC-One Eleven. A lata velha, ao aterrissar no aeroporto Santos Dumont, enfrentou  súbita rajada de vento  e,  apesar da perícia do piloto, o trem de pouso raspou nas pedras do quebra-mar, na cabeceira da pista. Ninguém se acidentou. Uma vez desligados os motores, o chefe da Segurança Presidencial, aos gritos, mandava a comitiva sair rápido  pelas escadinhas  e correr, porque a aeronave poderia explodir. Muita gente seguiu o conselho, só que  o presidente desceu e caminhou naturalmente, para horror do coronel a seu lado. Ao ouvir a exortação de “corra, marechal!”, ficou bravo e,  dedo em riste,  afirmou: “Um presidente explode mas não corre!”
                                              
Vale o mesmo, agora que Dilma sofre  o risco de ver seu governo explodir, depois do episódio Antônio Palocci: mesmo assim, nada de correr…

***
A SUBSTITUIÇÃO
Por conta da mais do provável hipótese de a  Casa Civil ganhar um novo chefe, há dias que começaram as especulações. Mirian Belchior, Paulo Bernardo, Gilberto Carvalho e outros. É bom tomar cuidado e refrear o cavalo branco da imaginação, porque a presidente Dilma  será bem  capaz de surpreender,  buscando um nome fora da zona de cogitações. Não parece haver muita chance para quem aposta que ela procura uma “Dilma da Dilma”, ou seja, uma mulher competente, gerentona, mas brava como o diabo. Desse perfil, basta uma…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *