Lulismo sem Lula tornou-se religião que representa uma fonte de votos

Resultado de imagem para protesto na PF em curitiba

Militantes petistas demonstram fervor religioso

Pedro do Coutto

As manifestações que se realizaram em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos, acrescidas das reações no aeroporto de Congonhas e na chegada a Curitiba, no episódio que marcou finalmente a prisão do ex-presidente Lula, deixaram claro, a meu ver, um panorama duplo, o qual se pode definir dividindo-o entre uma seita religiosa e uma usina de votos. Como toda seita religiosa, predomina um dogma, que se reflete em acreditar numa versão, desprezando-se todas as outras.

Um dogma resulta de uma aceitação plena que parte do impulso, para se acreditar em algo que pode esbarrar ou não na realidade dos fatos. Uma fonte de votos é diferente.

NOVO CAPÍTULO – Enquanto nas ruas de São Bernardo do Campo estavam presentes milhares de adeptos, dispostos a acreditar em todas as palavras e contextos desfechados enfaticamente pelo ex-presidente da República, em cima do caminhão de som onde Luiz Inácio da Silva discursou arrebatadamente ao longo de 55 minutos, reunia-se também um grupo de políticos e candidatos que faziam coro à sua voz e tentavam convencer a si mesmos de que todos os acusadores mentiram para prejudicar Lula.

Estabelecia-se, assim, um novo capítulo no drama que culminou com o ingresso do condenado na sede da Polícia Federal em Curitiba.

Francamente, quem seria capaz de acreditar na versão de que Sérgio Moro mentiu, que os integrantes do Ministério Público mentiram, os três desembargadores do TRF-4 mentiram, os cinco ministros do STJ que por unanimidade negaram-lhe o recurso interposto também mentiram? Só ele, Lula, falava a verdade.

EM SÃ CONSCIÊNCIA – Pessoa alguma, em sã consciência, não pode acreditar que o apartamento do Guarujá não seja de Lula. E não pode acreditar que Leo Pinheiro, da OAS e Marcelo Odebrecht mentiram contra ele.

Afinal de contas, para Lula, na sua versão dogmática todos mentiram através de um complô para condená-lo. Mentirosa também, para Lula, é a Operação Lava Jato, que revelou a corrupção na Petrobrás. Para Lula, não houve a divisão das diretorias da estatal por indicações do PT, MDB, PP e PR.

Todos estão mentindo, a fim de impedir que ele volte, pelas urnas a governar o Brasil. Em matéria de falsificação dos fatos, portanto, Lula atingiu o auge. Ficou sozinho de um lado, e todos contra ele. Só podem acreditar nisso pessoas tocadas por um forte sentimento de seita religiosa.

VOTOS ADORMECIDOS – Mas falei também nos que visam captar nas urnas de outubro votos adormecidos na faixa ocupada pelo Partido dos Trabalhadores. Assim, o Lulismo sem Lula se divide: de um lado os hipnotizados por suas palavras e por sua personalidade; de outro lado, aqueles que não acreditam em uma palavra que ele disse, mas fingem apoiá-lo nas exclamações do alto do carro de som, para se tornarem herdeiros de um potencial devotos nada desprezível.

Neste caso encontram-se Guilherme Boulos, Jandira Fegali, Gleisi Hoffmann, Fernando Haddad, Humberto Costa, Lindbergh Farias, além de muitos outros que representam a mesma corrente de pensamento em que politicamente buscam arrebatar para si votos que transcorrem no rio do lulismo.

Evidentemente, o eleitorado brasileiro não se encontra em nenhum dos dois lados. Mas vai às urnas daqui a seis meses decidir o governo do país.

5 thoughts on “Lulismo sem Lula tornou-se religião que representa uma fonte de votos

  1. Temer acaba de nomear Moreira Franco (gato angorá) para o cargo de Ministro de Minas e Energia (reforçar o foro privilegiado)

    A PGR Raquel Dodge tem que fazer a 3ª denúncia contra Temer.

    Caso contrário ela estará cometendo crime de prevaricação !!!

  2. Acho que agora não se deve fazer mais denúncias contra Temer, é melhor esperar ele perder o foro, mais uma denuncia seria perda de tempo e de dinheiro, pois a maioria lá no congresso acredita que ele é inocente

    • Caro Moisés,
      Correto seu raciocínio, qualquer denúncia agora contra o Temer, não vai adiantar em nada, só servirá para tumultuar mais o país, como tumultuou as denúncias do Janot, e não deu em nada.
      Entre erros e acertos, o governo está conseguindo dar os primeiros passos para tirar o país da crise deixada pelo PT.
      Certamente o Temer, não terá mais o foro privilegiado em 2019. que está próximo. Aí sim, deve ser investigado rigorosamente e denunciado, e que a justiça seja feita.
      Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *