Maior problema da democracia brasileira são as suas instituições podres e carcomidas

TRIBUNA DA INTERNET | Supremo ignora críticas e acerta compra de menu com  lagosta e vinho premiadoAntonio Fallavena

Quando as leis são claras eles distorcem-nas. Ter imunidade parlamentar não é, em qualquer país  democrático, autorização para dizer e fazer qualquer coisa. Isto só poderia acontecer em regime anárquico.

A imunidade pretendida pelo deputado Daniel Silveira é para não ser tolhido em ações do seu mandato e não para cometer crimes e abusos.

REPRESENTANTE DO POVO? – Quanto a ser julgado por seus eleitores, não vejo como justo ter de sustentar e aguentar alguém que, mesmo antes de assumir mandato, já muda de opinião.

Se são representantes, têm de representar e cumprir com o que assumem. Já pensou ficar esperando quatro anos e ele fazendo o que quer?

Ronaldo, temos de parar de aceitar sacanagem de empregados. Precisamos modificar o sistema e qualificar o voto do eleitor e a sua validade no processo. Paises de primeiro mundo têm leis muito mais duras e fiscalização. Aqui, pagamos e somos os palhaços! Somos mais de 210 milhões e ele são quantos? É o poste mijando no cachorro!

INSTITUIÇÕES CARCOMIDAS = É duro ter-se que lutar esperando apoio e atitudes de instituições que estão contaminadas, carcomidas e execradas, nas quais, ao longo do tempo, perdemos a confiança.

O deputado Daniel Silveira é um crápula, canalha, boçal, com muitos músculos e nenhum cérebro. Se não fosse punido pela “alta corte”, certamente seria acolhido nos braços da “boiada” que o elegeu e da maioria de seus pares na “casa mundana” (mal)dita do povo!

Se não for condenado por ministros do Supremo, que o Senado não tem coragem, vontade e caráter para julgar, sairia rindo, debochando e ameaçando a qualquer de nós! Por livre vontade, a Câmara não o condenaria e não pensaria em lhe retirar o mandato!

VOTOS COMO LIXO – Podres eleitores que, ganhando o direito de votar, usam seu voto como lixo fosse.

A democracia não pode sobreviver à falta de qualidade do voto, que elege representantes para administrar e legislar um país! É preciso fortalecê-la contra corruptos, vigaristas, ladrões, criminosos e até assassinos! Mas antes disso e para que o que vivemos na política não se renove, é preciso que o eleitor se responsabilize por aquilo que colocará na urna!

Nem em condomínio, o voto é tão ordinário como o que a maioria dos eleitores deposita na urna! De vereador a senador, de prefeito a presidente, sem conhecimento, sem entendimento, sem responsabilidade e sem responsabilização, a democracia perde toda sua essência, sua legitimidade, seu poder de dirigir, da busca de construções e soluções para um pais e uma povo!

APENAS NO PAPEL – Temos instituições, mas somente no papel e nos custos dos cofres públicos. Para tirar um eleito, temos de esperar que as instituições sejam inimigas; que o sujeito morra ou fique impossibilitado idade e sem saude; que seus pares sejam pressionados, fortemente pela sociedade.

Analise o quadro de hoje. A Suprema corte, com ministros que lá não deveriam estar, julga à “moda miguelão”, quando quer, do jeito que quer e mudando de opinião quando convém. O Senado continua sentado sobre pedidos de impeachment de ministros do STF. Não esqueçam: é o senado que sabatina e aprova e só ele pode tirar. Por fim, o executivo que, ao invés de chamar o povo para governar, precisa/aceita “negociar” a distribuição de cargos e verbas com o Congresso,

E nós pagando bilhões para assistir a isso! Sei há muito que, para não se estressar, só temos uma maneira: ser um idiota! Quem não conhece, não se aprofunda e sabe nada de nada, pode até ser feliz aqui no Brasil,

17 thoughts on “Maior problema da democracia brasileira são as suas instituições podres e carcomidas

  1. Tenho muitos colegas e até amigos idiotas. Ou não pensam ou não querem usar a razão. São facilmente teleguiados. Adoram falar absurdos como se fossem sábios!

  2. Concordo plenamente com teus argumentos.
    O grande obstáculo para o Brasil realmente se tornar uma nação, é a infantilidade de seu eleitorado. Da mesma forma que um traficante convence adolescentes consumir suas drogas, os políticos delinquentes convencem os eleitores iludidos a doar seus votos.

  3. Falou tudo. E agora temos projeto novo e alternativo para mudarmos tudo. E é o que temos que fazer, partir pra cima e mudar tudo senão nós tb passaremos e essa canalhice não terá fim, será repassada tb a nossos filhos e netos, como fora repassada a nossos país avós. A bola gora está nos nossos pés, e, em que pese parecerem bolas de ferro, podemos chutá-las ao gol e vencer os nossos algozes de goleada, porque não temos mais que perder.

  4. – Até quando: vamos ficar culpando pelas nossas falhas, as autoridades responsáveis pelo nosso monitoramento e encabrestamento, porque piscaram ou deram o nó frouxo?
    Fala-se muito que o maior problema do Brasil está na educação. Mas que educação é essa? Se a maioria dos mega corruptos passou por uma universidade? Então, o que deve ser readequado é um conceito de educação à brasileira!
    Outras falácias vomitivas:
    1- Zé Povinho acreditar que, moralmente, é melhor do que as autoridades constituídas por ele. O atacado é apenas o varejo ensacado!
    2- Criticar o Sistema Judiciário. Se quando o seu familiar comete um crime, ele, Zé Povinho, busca mil justificativas e sofismas para minimizar o ato do seu ente querido. Mas se o acusado for estranho ou desafeto seu, aí o coitado deve levar pau no lombo..

    • Vc está parecendo o Rei Luiz XVI, sem noção do que está acontecendo na realidade, e sem perguntar ao conselheiro o que se passava nas ruas. Não é só o “Zé Povinho” que está para lá de indignado contra o sistema podre, cara-pálida..

  5. O meu caro amigo Fallavena postou um ótimo artigo sobre os problemas referentes à qualidade do voto.
    Mas, diante de sua veemência – e com razão – sobre as consequências do eleitor votar em quem não deve porque se deixa enganar facilmente, a sua conclusão é lógica e indiscutível.

    No entanto, com a devida permissão do meu amigo e conterrâneo, penso que deveríamos abordar a razão pelas qual votamos por votar, sem maiores análises dos candidatos, suas plataformas, propostas, linha política …
    E, a meu ver, o eleitor vota mal e desqualifica o seu sufrágio, em razão da sua falta de educação/ensino, sua baixa escolaridade, seu analfabetismo absoluto e funcional, os milhões de pobres e miseráveis que formam a maioria dos eleitores nesta nação corrompida, roubada, explorada e manipulada pelo sistema!

    Poderemos debater o tema levantado pelo articulista, porém enquanto os governantes não proporcionarem uma educação/ensino a contento os resultados serão cada vez piores, a ponto que estamos em um patamar de tamanha destruição de nossos poderes constitucionais e instituições, que se torna impossível o reerguimento do país, haja vista que não será o inculto, incauto, sem poder de discernimento, falta de civismo, ausência de senso crítico e alienação popular, que iremos reverter esse quadro dantesco, que Fallavena menciona em seu artigo em tela.

    A causa dessa calamidade reside no objetivo – e plenamente sendo realizado – de todos os nossos governantes condenarem o povo à miséria e à ignorância, ocasionando que não sabemos como reagir diante de um Brasil cada vez mais fragmentado, destruído, dividido, onde a injustiça social atinge índices de calamidade, enquanto as castas, elites e poder econômico estão cada vez mais ricos e poderosos.

    Não é por nada que Bolsonaro está armando e municiando seus seguidores. Na sua ideia, jamais ele admite deixar o Planalto e, caso perder as eleições, estimulará seus adeptos para que impeçam o candidato vencedor assumir a presidência!

    Por outro lado, se estamos nesse baixíssimo nível mencionado pelo autor do artigo acima, também está nessa falta de educação/ensino inadequados, o nosso maior entrave para o desenvolvimento.

    Enquanto a preocupação maior for com a maldita economia, deixando de lado o ser humano, suas necessidades básicas, suas carências mais graves, suas necessidades mais urgentes, o Brasil vai sucumbindo ao peso da sua negligência e desumanidade.

    Não creio que a má qualidade do eleitor, então o seu voto é ruim, seja a causa de nossos maiores problemas atualmente.
    O voto é péssimo porque a educação/ensino deixa a desejar, é falha, medíocre, simplesmente desconsiderada pelos governantes há décadas!

    A consequência inexorável é um povo que não sabe o que faz, que não quer fazer o que poderia, que não se interessa por si mesmo e pelo país.
    Diferentemente de nossas “autoridades”, que sabem o que fazem, que querem cada vez mais, que se interessam em enriquecer e dividir o Brasil em feudos.

    Nós estamos mergulhando na ignorância, na pobreza mas, as castas, elites e poder econômico, vivem muito bem na superfície desse mar de lama que nos transformaram, e ai daquele que tentar botar a cabeça de fora da imundície que estamos presos!

    Logo, enquanto não fizermos a devida cirurgia nos órgãos que estão doentes, ou seja, o povo continuar sem educação/ensino, nada será possível, viável, realizável.
    Seguiremos por anos a fio discutindo o mesmo tema, onde a cada discussão essa falta de “qualidade” do eleitor e, em consequência, do seu voto, terão sido agravados porque haverá mais incultos, incautos, analfabetos absolutos e funcionais, pessoas sem discernimento, senso crítico, e pleno desinteresse sobre a situação do país, onde apenas e tão somente vivem.

    O meu abraço ao Fallavena.
    Desejo-lhe saúde e paz.

  6. Na relação custo benefício, que rege o capitalismo, o Circo da Fórmula 1 é viável, da lucro, é rentável, se autossustentável, mas o Circo da República 171 essa relação é horrível, só da prejuízo, só tem custo é muito alto, insustentável, e o benefício é quase zero, e basta olhar para a situação do povo para constatar isso, só o círculo do núcleo duro da dita-cuja que se dá bem, o resto é só ferro na boneca. As instituições são boas, mas aparelhadas revelam-se bichadas, tornam-se de fato uma merda, nada confiável, como disse o Fallvena. O STF, tirante uma ou outra exceção, faz das tripas coração para seguras as pontas, salvar as aparências, tenta heroicamente por ordem na baderna, mas opera meio que sozinho numa selva de atrocidades e aberrações autoritárias por quase todos os lados. O visível aparelhamento das forças armadas então é o fim da picada.

    • É muito desanimador ver esse monte de militares imiscuídos na política-partidária-eleitoral, cheios de papo furado, ao invés de ir cuidar dos seus quartéis, batalhões, delegacias, portaria de de fóruns… Penso eu que democracia de verdade é “cada macaco seu galho”, como já diziam os nossos avós, esse negócio de assobiar, chupar cana e cantarolar tudo ao mesmo tempo não funciona, não tem como dar certo isso.

  7. O Maior problema da democracia brasileira é querer copiar os modelos de fora. Principalmente da França e do Titio Sam.

    Em vez de criarmos o nosso próprio modelo, os nossos vira-latas se encarregam de se rebaixarem a si mesmos, e o país, para o “modelo exemplar” dos gringos.

    Tomar vergonha na cara que é bom, nada!

    • Renato, eu também comungo dessa idéia. O problema é que tudo parece tarde demais, para recomeçarmos dentro de um mundo altamente competitivo.
      Por analogia: o que restou da nossa natimorta indústria automobilística? Quase tudo o que produzimos e consumimos tem molde e matriz, nas mãos dos gringos.

    • Renato, um minimodelo recente que pode nos dar uma projeção dos nossos atrasos na civilidade, política, indústria, educação, moralidade etc.; pode ser utilizada essa sabotagem imposta por Bolsonaro às contramedidas, para inibir a propagação da Covid-19. Se é verdade que cada infectado, em média, é capaz de contaminar mais seis. Aplicando uma progressão geométrica ou exponenciação, no final de um mês, quantas pessoas foram empestada, partindo de apenas um vetor de disseminação?

  8. HÁ MAIS DE 30 ANOS, convicto de que o modelo de república que ai está, há 131 anos, forjada, protagonizada e desfrutada pelo militarismo e o partidarismo, politiqueiro$, e seus tentáculos, velhaco$, já estava com o seu prazo de validade vencido há muito tempo, e que por isso não resistiria a um aperto de liquidez moral, antes que o pior acontecesse, tal seja uma devassa judicial profunda, que, não obstante a podridão explícita, só veio depois de 500 anos de Brasil, diga-se de passagem, apenas por causa dos governos do lulopetismo com fôlego para se igualar ao PRI Mexicano (que governou o México por cerca de 70 anos, sem alternância no poder), face ao imenso potencial de endividamento de então, iniciado por FHC, ao qual, então Ministro de Itamar Franco, para evitar que acontecesse tudo o que está acontecendo desde então, sugeri a implantação do Plano Ecodolar, que tb podia se chamar Bradolar, como meio de estancarmos a loucura inflacionária da época e estabelecermos alguma estabilidade para atingirmos uma finalidade maior que seria a transformação da federação falida numa confederação, como propõe a RPL-PNBC-DD-ME, o projeto novo e alternativo de política e de nação, o novo caminho para o novo Brasil de verdade, porque evoluir é preciso, mudando assim o percurso da tragédia que ai está e que já estava anunciada há muito temo, transformação essa que lá atrás teria sido preventiva, para evitar o que está acontecendo há mais de 10 anos, com o país se desmilinguindo à toa, capturado por uma espécie de triângulo das bermudas imposto pelo sistema apodrecido, face ao qual está desaparecendo sem sabermos sequer para onde está indo. Mas daí, o velho sistema apodrecido, viciado na malandragem, na lei do menos esforço e na mania de levar o máximo de vantagem em tudo o tempo todo, aqui e agora, usando tudo como um fim em si mesmo, em benefício próprio e do seu próprio continuísmo da mesmice, preferiu permanecer no rumo da tragédia anunciada, do Titanic rumo ao rochedo, e ai está ela, a tragédia anunciada estabelecida, em plena era dos psicopatas loucos por dinheiro, poder, vantagens e privilégios, sem limite$, à moda todos os bônus para ele$ e o resto que se dane com os ônus, com o famigerado coronavírus a tiracolo, escavando cada vez mais fundo o fundo do seu próprio poço sistêmico, mais furado do que queijo suíço. Há 29 ANOS. O dia em que um Povo brioso, cansado de ser enganado e espoliado por uma velha estrutura de poder, carcomida, corrupta e opressora, desarmado, unido, venceu nas ruas os tanques do exército golpista mais poderoso do mundo, e mudou tudo com as próprias mãos. https://memoriaglobo.globo.com/jornalismo/coberturas/fim-da-urss/?fbclid=IwAR26MrlccqJ0faNYCZpbDPV7LMYNt_-hyTIpjhyMz3El9MR3VYrTg-Xei7k

  9. O povo brasileiro escolheu o caminho da restauração nacional ao eleger o Presidente Bolsonaro. Contudo, a elite que se adonou do Estado para parasitar as forças produtivas da nação, representada pela aliança dos ratos tucanos com as ratazanas petralhas, trabalha dia e noite para sabotar o desejo do cidadão ordeiro e trabalhador e retomar o controle da administração pública e da roubalheira desenfreada iniciada com a “nova república”.

    Valei-nos, São Bolsonaro!

    • Na verdade, a impressão é a de que estamos no caminho do cemitério, agradecendo a Deus por nos deixar a morte como saída e libertação das garras de bando de lunáticos, mercenários, dissimulados, mentirosos, ladrões e corruptos FDP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *