Maiorias e minorias

Carlos Chagas

Vale lembrar a história do jornalista americano que foi a Viena, às vésperas do Anschluss, para cobrir a decisão de Adolf Hitler de incorporar a Áustria ao Reich alemão. O coleguinha escreveu que os governos e os jornais divulgavam estarem 98% dos austríacos favoráveis à incorporação, mas quando ia entrevistar os cidadãos, só encontrava os 2% discordantes…

De olho nas pesquisas…

Seria bom que Fernando Haddad atentasse para valores um pouco acima e além dos números das pesquisas e da monumental campanha desenvolvida pelos companheiros. Estas indicam dispor o ex-ministro da Educação de 60% das preferências paulistanas enquanto José Serra, menos de 40%. Ainda que não se possa discordar da inequívoca tendência de São Paulo para seguir o Lula, como explicar a existência da maioria conservadora que levou o tucano à vitória no primeiro turno?

Jamais se irá comparar o Lula a Hitler, que forçou a ocupação da Áustria pela Alemanha utilizando a Gestapo, as SS, seus exércitos e sua propaganda. Só que os austríacos, sufocados, engoliram o fato consumado, mas quando puderam manifestar-se livremente, no fim da guerra, optaram por readquirir a independência. Como estamos na democracia, certas etapas poderão ser queimadas. Essa, pelo menos, é a visão de Serra, confiando em que a maioria conservadora e silenciosa postada à margem das pesquisas e da intensa campanha do PT venha a dar sua resposta dia 28.

Longe de estar defendendo José Serra, acentuamos apenas a semelhança de situações com a Europa no final dos Anos Trinta. Muita badalação, mas quem garante não estar sufocada nas ruas uma tendência capaz de aflorar diante das urnas eletrônicas?

###
ENTROU PELA CONTRAMÃO

Certas pessoas costumam escorregar em avenidas secas e amplas. Sem motivo, esborracham-se. É o caso do prefeito reeleito do Rio, Eduardo Paes, vindo de retumbante vitória ainda no primeiro turno. Elogiou como ninguém a presidente Dilma, durante e depois da campanha, mas agora acaba de armar uma bomba de alto poder explosivo.

Eduardo Paes é do PMDB, partido que mantém aliança com o governo através da presença de Michel Temer na vice-presidência da República. Trata-se da pedra de toque capaz de garantir a reeleição de Dilma e da dobradinha com o verdadeiro chefe do partido que ainda agora elegeu o maior número de prefeitos em todo o país. Para que balançar uma estrutura aparentemente sólida com a sugestão de trocar Temer pelo governador Sérgio Cabral? A proposta só servirá para rachar o PMDB e despertar reflexos na aliança que dá suporte à situação.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *