Mais para as câmeras, menos para os microfones

Carlos Chagas

Nem de revolta, nem de euforia. De esperança, quem sabe, mas de boa vontade, também.  Assim deverá ser o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff na abertura  da Assembléia Geral das Nações Unidas, quarta-feira. Atenções, ela despertará mais aqui do que lá. Para as centenas de delegados de países e de povos tão díspares, a novidade estará no fato de que pela primeira vez uma mulher brasileira dá o ponta-pé  inicial nos intermináveis  debates que não levam a lugar algum, tamanha a diversidade de debatedores quanto de desencontros em exposição.

Vale muito pouco a Assembléia Geral, mais propícia às câmeras do que aos microfones.  Uma festa de cores e de vestimentas, de dialetos e de línguas, bem mais próxima da forma que do fundo. Enquanto prevalecer a regra de que  cinco países valem mais do que todos os outros, torna-se dispensável o espetáculo desse  falso congraçamento internacional. Porque  apenas Estados Unidos, Rússia, Inglaterra, França e China, como membros permanentes do Conselho de Segurança, detêm o controle das decisões que realmente importam.  Ainda mais com o poder de veto.

Apesar disso, é positiva a presença da presidente do Brasil na conferência, bem como nos encontros que  manterá com diversos presidentes e primeiros-ministros. Desperta curiosidade saber qual o tom que ela imprimirá nesses diálogos.

***
A VERDADE E SUAS DIVERSAS FACES 

Caso não sobrevenham adiamentos, na quarta-feira a Câmara dos Deputados estará aprovando a criação  da  Comissão da Verdade, grupo a ser constituído por sete  integrantes aos quais caberá investigar denúncias de tortura e até de assassinatos praticados  por  agentes do poder  público durante o regime militar. É  farta a  literatura sobre os excessos daquele período, parecendo obvio que virão à tona, também já conhecidos,  os atos  de virulência executados pelos que se insurgiram contra a ditadura. O passado  estará  sendo revolvido  em favor da  memória  nacional, ainda que continuem  proibidas pela Lei da  Anistia quaisquer iniciativas para processar e condenar os responsáveis. 

***
JUSTIÇA, AINDA QUE TARDE 

A presidente Dilma sancionou,  na semana passada, projeto de lei aprovado no Congresso dando a Pedro Aleixo lugar na galeria dos presidentes da República.  Trata-se da reparação, mesmo  tardia, de uma truculência praticada contra um vice-presidente impedido de assumir quando da doença do presidente, por ato de usurpação explícita adotado pelos três ministros  militares.  Eles até prenderam o dr. Pedro,  mais tarde extinguindo seu cargo por um ato institucional.                                                        

Não houve solenidade alguma no palácio do Planalto, quando da assinatura da lei, estando o  filho de Pedro Aleixo,  padre José Carlos Aleixo, ausente do país, participando de um congresso na Espanha. 

***
NÃO DÁ MAIS TEMPO 

Insistirá o  Lula, esta semana, na aprovação da  reforma política pelo Congresso, segundo projeto apresentado pelo deputado Henrique Fontana. Está agendado um encontro do ex-presidente da República com o vice-presidente atual, Michel Temer, para tentar engajar o PMDB na proposta.  O problema é que,  mesmo  havendo remotíssima chance de o partido unir-se em torno do texto do petista, nem por milagre a reforma política seria aprovada antes de 3 de outubro. Como um ano antes de qualquer eleição fica proibido mudar ou adaptar a lei para vigência no pleito imediato, infere-se côo sendo nulos os esforços do Lula. Reformas políticas e eleitorais, se porventura votadas depois daquela data, valeriam apenas para as eleições de 2014…

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *