Mais uma vez, os brasileiros irão às urnas para tentar escolher o menos pior

Resultado de imagem para eleição 2018 charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Carlos Newton

Para quem se preocupa com o país e se empenha por um futuro melhor, a política brasileira está cada vez mais decepcionante. Como se sabe, diversos partidos que vivem à sombra do poder se reuniram para influir juntos na eleição presidencial, num grupo autodenominado de Centrão, posicionamento que lhes propicia pastar à direita e à esquerda. Há duas semanas, foram surpreendidos pela reação vigorosa do governo Temer. Através do truculento ministro Carlos Marun, o Planalto ameaçou demitir todos os correligionários por eles indicados.

O mais incrível foi que, ao invés de obrigar que apoiassem Henrique Meirelles, que é o verdadeiro candidato do governo, o presidente Temer mandou essa expressiva parcela da base aliada fizesse aliança com o candidato Geraldo Alckmin, do PSDB, um partido que faz tempo não integra o governo.

CURVARAM-SE TODOS – Acostumados à política do toma lá, dá cá, os partidos do Centrão imediatamente se curvaram às ameaças de Marun e na última quinta-feira se aliaram a Alckmin, embora saibam que as chances do tucano são rarefeitas, pois até agora foi o único candidato à Presidência que teve menos voto no segundo turno do que no primeiro.

Mas a subserviência do Centrão foi apenas missão passageira, que tem data de validade no dia 7 de outubro. No  dia seguinte, à espera do segundo turno, todos gritam “barata voa” e cada partido do “Centrão” escolhe se apoia algum dos candidatos ou fica neutro, para entrar na base aliada após a posse.

É assim que caminha a humanidade, aqui do lado de baixo do Equador, não há nada de novo no front ocidental.

TUDO CONFUSO – Sabe-se que o Centrão não queria apoiar Alckmin e os problemas já começaram. Primeiro, o Solidariedade pediu um tempo, porque Alckmin refugou sobre a volta da contribuição sindical. Depois, o próprio candidato tucano deu uma declaração infantil, propondo reduzir o número de deputados e senadores, e desse jeito não tem apoio que aguente.

Embora a História do Brasil seja repleta de vices que se tornaram presidentes – como João Goulart, José Sarney, Itamar Franco e Michel Temer –, o mais curioso é que ninguém quer ser companheiro de chapa. Magno Malta, Josué Gomes, Mendonça Filho e Janaina Paschoal, não necessariamente nesta ordem, já se recusaram a compor chapas com Bolsonaro, Lula, Alckmin ou Ciro Gomes.

A confusão é patética, capaz de enlouquecer qualquer observador estrangeiro. Como explicar que há um possível vice (Josué Gomes) que já foi cobiçado por três partidos – PT, PSDB e PDT? Seria Josué um gênio da política? Não, é apenas um jovem milionário que herdou um império empresarial.

MENOS PIOR – A única coisa certa nisso tudo é que, excetuando-se os correligionários radicais dos candidatos, a esmagadora maioria dos eleitores votará com um dedo tampando o nariz, para escolher o menos pior.

Gostaria de ver os candidatos discutindo os seis grandes temas  nacionais – dívida pública; reforma da Previdência; reativação da economia, que significa empregos; recuperação do SUS; revigoramento da educação pública; mais rigor na segurança.

Como dizia o genial humorista Paulo Silvino, perguntar não ofende, e o povo quer saber.

26 thoughts on “Mais uma vez, os brasileiros irão às urnas para tentar escolher o menos pior

  1. Menos pior, menos ladrão, menos corrupto, menos assassino, menos traficante, menos safado, menos vagabundo, menos miserável, menos…..

  2. O que me deixa abismada é que o povo ainda não entendeu que a decisão está em suas mãos para mudar esse país. Muitos daqueles que postam os seus vídeos de 15 segundos na Globo pedem sempre “menos corrupção”. É espantoso, deveriam pedir um país “sem corrupção”. Isso já está tão banal por aqui que as pessoas nem se dão mais conta do que estão pedindo.

  3. Bom Dia Carlos Newton,

    Eu entendo que todos os cartuchos foram queimados nos últimos anos.

    Só disputam a eleição prá valer os candidatos Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Geraldo Alckmin. Lula não será candidato e não transfere votos a ponto de levar o seu candidato para o segundo turno. Já assisti essa avaliação várias vezes.

    Todos os outros candidatos são coadjuvantes e vão se desfazer ao longo da campanha. Não se pode acreditar em surpresas, apesar de uma eleição imprevisível.

    Portanto, não temos nessa eleição o menos pior, todos são ruins.

    O problema é que segundo a última pesquisa IPSOS/Estadão todos tem um altíssima rejeição que só tende a aumentar, principalmente no momento em que se definir o vencedor das eleições.

    Conseguirá governar com um Congresso fisiológico? Como dará continuidade a reformas que são exigidas pelo mercado?

    São perguntas que simplesmente não tem resposta nesse momento.

    Um abraço.

  4. Ataques da grande mídia evidenciam a força de Ciro Gomes, esta notícia não é nova mas pipocou nas redes sociais nesses últimos dias. Querem gerar ambiente negativo nesta reta final da formação de alianças. https://oglobo.globo.com/brasil/lula-so-tem-chance-de-sair-da-prisao-se-gente-assumir-poder-diz-ciro-22916212?versao=amp#referrer=https://www.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s

    Ao se render Lula de fato trilhou caminho oposto à tese de perseguição política, tornando-se presa fácil dos golpistas com o STF e tudo. Na versão de Fernando Haddad exposta após conversa de 5 horas com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, antes um pouco do ex-presidente ser condenado em segunda instância e levado à prisão, houve “uma ruptura institucional” no país e não um golpe. Assim a esquerda cresce pra baixo, como rabo de cavalo, porque adere as ondas do conservadorismo fazendo o jogo da direita como em outras palavras explica Ciro Gomes no vídeo. https://www.facebook.com/foratemer.web/videos/997094183787060/

  5. Artigo de hoje de HF, devia sair na primeira, mas vai nos comentários mesmo.

    A GUERRA DOS PRESIDENCIÁVEIS SEM VICES

    HELIO FERNANDES

    Está terminando o prazo de registro dos candidatos, e os personagens
    que pretendem o cargo mais alto do país, se apresentam isolados. Os
    vetos e as recusas se acumulam. Antigamente o cargo era disputadíssimo,
    uma explicação: existem quase tantos vices que assumiram, quanto
    presidentes que não terminaram o mandato.

    No momento em que supostamente disputamos (?) uma eleição, quem está no
    poder é um vice usurpador. Implantada e não proclamada a Republica, as
    derrocadas começaram. O primeiro cidadão que ocupou a vice, o marechal
    Floriano derrubou o presidente, também marechal, Deodoro, ficou no
    seu lugar, sem ligar para ninguém.

    O senador Rui Barbosa, conversando com o presidente do senado,
    Prudente de Moraes (depois o primeiro presidente civil) comentou que
    estava admitindo entrar com recurso no Supremo, para afastar Floriano
    do poder. Este soube, mandou um recado a Prudente de Moraes: “Se o
    Supremo aprovar HC contra mim, quem concederá HC aos ministros?”.

    Diante das ameaças, intimidações e perseguições não tão veladas, se
    exilou na Inglaterra, mandou uma carta, renunciando ao mandato.
    Escrevia artigo semanal para O País. Voltou em 1994 quando Floriano
    deixou o poder. Em 1996 se reelegeu senador. Foi 4 vezes candidato a
    presidente, a primeira em 1910, a ultima em 1919. Em todas tinha que
    selecionar, muitos queriam ser vice.

    Em outras a mesma disputa acirrada pela vice. Agora, o vazio e o
    isolamento. Convidados, muitos. Recusados, vários. Surgiu forte, o
    nome de Josué Gomes, filho do vice de Lula. Alckmin insiste para que
    seja seu vice. Empresário, reflete e resiste. Dona Marina, forte no
    segundo turno, agora começa a conversar com um partido sem expressão
    ou bancada, o PROS.

    O deputado Bolsonaro, fez 3 convites pessoais, todos recusados. Quem
    trabalha com o estardalhaço habitual para ser vice dele, é a advogada
    golpista, Janaina. Torço para que essa chapa se forme e se consolide,
    seja registrada.

    PS – Como o velho capitão não tem uma possibilidade em um milhão de se
    eleger, o país se livra ao mesmo tempo, de 2 personagens negativos.

    TRUMP: O GUERREIRO DESCONTROLADO, QUE PARA
    FUGIR DA IMPOPULARIDADE, SE REPETE, AMEAÇA COM
    A GUERRA NUCLEAR

    Apesar da arrogância, da imprudência, e da farsa da supervalorização,
    os EUA não mereciam um presidente tão irresponsável quanto o atual.
    Sua vocação pelo negativo e destruidor, é insensata e inexplicável.
    Tem obsessão de desfazer a maior parte do que foi feito por Obama. Seja
    uma aliança dos países do Pacifico, ou o desrespeito e descumprimento
    de acordos com Cuba e Iran.

    Ou o desafio vazio e sem sentido, de mudar a sede da embaixada dos
    EUA em Israel. Ficou sozinho e isolado, todos os países, potencia ou
    não, repudiaram seu gesto tresloucado. Ele é hoje o mais impopular
    dos presidentes. E contestado, reage com violência total, ameaçando o
    mundo com uma guerra nuclear, colocando o mundo sob clima de tensão.

    Assim que assumiu a Casa Branca, começou um duelo verbal e ameaçador
    com a Coréia do Norte. O ditador desse país miserável, ninguém
    conseguiu explicar, atingiu os pontos mais devastadores das armas
    nucleares. Começou a fazer testes destruidores e assustadores. Trump
    ameaçou a Coréia do Norte: “Ou interrompe essa escalada nuclear, ou vai
    sofrer o que jamais algum país já sofreu”.

    Meses depois estavam conversando, o ditador da Coréia garantiu que
    DESTRUÍRA TODO SEU ARSENAL NUCLEAR. Só um idiota e farsante
    como Trump acreditaria nisso. Que o adversário iria se despojar do seu
    poderio. As noticias que chegam de lá, contrariam tudo que foi (acertado)
    num único encontro. Como tem que ficar nas manchetes, descumpriu o Acordo
    que Obama assinara com o Irã. O Irã suspendia seu programa nuclear, as
    sanções foram eliminadas.

    Trump rompeu o Acordo, usou as mesmas ameaças feitas á Coréia. Só que
    o Irã, ameaçado, respondeu: “Se os EUA atacarem o Irã, essa será a MÃE
    DE TODAS AS GUERRAS”. O mundo está novamente pressionado e ameaçado
    pelo pavor nuclear, também chamado de TERCEIRA GUERRA MUNDIAL.
    Nos EUA ninguém acredita na audácia do presidente, garantem que ele vai
    recuar.

    NÃO EXISTE NOTÍCIA AGRADÁVEL

    Gilmar Mendes acabou de fazer 62 anos. Como a aposentadoria é com 75
    anos, ainda temos 13 anos de suportabilidade. No quase fim de
    2017, apogeu da intimidade entre ele e Temer, examinaram a possibilidade
    dele se transformar em presidenciável. Ficou entusiasmado. Em março
    deste 2018, precisava se desincompatibilizar para ser candidato.
    Desistiu.

    Como noticia ruim não tem fim, pedi a uma pessoa com transito no STF,
    para saber quem paga as duas viagens de ida e volta a Portugal, onde

    Gilmar tem duas Universidades. Não houve nem resposta.

      • Muito triste a figura que Helio Fernandes vem fazendo nos últimos tempos.

        Nao sei se é ele realmente quem está escrevendo a suas colunas ou se algum dos comunistas /sindicalistas/ e outros istas que se cercou ao final da vida , estão escrevendo em seu nome.

        Ele sempre foi polemico e as vezes visionário, mas racional.

        Agora seu discurso parece de um militante esquerdista de qualquer universidade ou movimento social, absolutamente contaminado e sem logica racional.

        Patético, no mínimo.

        Por isso a importância de preservarmos este espaço, o lado bom das Tribunas.

        • Triste Por quê? Porque não escreve o que você quer ler? Você é o dono da verdade? Hélio argumenta. Se não concordam contra argumentem. Ah, esqueci, bolsominions e crentes não tem argumentos.

          • Vocês tratam seus candidatos e partidos como se fossem torcedores do Palmeiras contra Corinthians ou Vasco contra Flamengo e nesse fogo cruzado quem se estrela é a população honesta dessa nefasta nação.

  6. “o presidente Temer mandou essa expressiva parcela da base aliada fizesse aliança com o candidato Geraldo Alckmin, do PSDB, um partido que faz tempo não integra o governo.”

    -Fica a impressão e o governo já sabe o número que será sorteado na urna, em outubro…

  7. 1) Bom artigo CN.

    2) Estou chegando à conclusão de que o povo não existe. É uma ficção. Um folclore. Dizem que tem força e tal, mas são os Poderes que fazem o que bem entendem.

    3) Por exemplo, as passeatas de 2013 fizeram uma pauta de sugestões para o Congresso: reduzir pela metade o nº de parlamentares, fim das reeleições, fim das muitas mordomias etc…

    4) E até agora os tais Poderes não fizeram nada, simplesmente porque tais sugestões vão contra o bolso deles…

    5) E ficou por isso e o tal “povo” recolheu-se ao silêncio.

    6) Deduzo então que o Brasil não tem povo, temos figurantes de auditório, de um lado e do outro.

    • Bom Dia Antonio Rocha,

      No Brasil todos somos vítimas, mas todos somos egoístas e gananciosos.

      Reclamamos o tempo inteiro de tudo e de todos, mas nunca nos unimos para defender uma causa.

      Lembra-se da greve dos caminhoneiros? Os caminhoneiros reclamaram que não tinham nenhum apoio da população, ouvi muitos áudios deles reclamando que as pessoas estavam pagando qualquer preço pelos combustíveis e ainda se digladiando nos postos. Sem contar aqueles que se abasteceram nos supermercados esvaziando as prateleiras

      Este governo tem mais de 90% de rejeição, inclusive porque está fazendo o que o mercado manda, como a PEC do Teto de Gastos e a Reforma Trabalhista, que são irreversíveis. Não adianta ninguém prometer que vai mudar isso, porque inclusive a primeira é uma emenda a Constituição.

      Sabe o que estão dizendo os assessores e porta-vozes dos principais candidatos à Presidência? Que seus candidatos vão promover a Reforma da Previdência, aprofundar as privatizações ou que não são anti-mercado.

      Todos sabem que não se governa sem o mercado, muito menos contra o mercado. Só que o mercado só vai apoiar quem aprofundar as medidas desse governo.

      Medidas amargas e inevitáveis virão logo depois das eleições, simplesmente porque não existem recursos para nada.

      Apesar da apatia e da passividade em que vivemos no cotidiano, muitos conflitos pontuais podem existir. A greve dos caminhoneiros começou por que reclamaram e nada adiantou.

      Saudações.

  8. Sr. Carlos Newton, fico pensando cá com meus botões. Se a maioria dos eleitores são trabalhadores empregados (CLT) ou outro tipo qualquer de relação com o empregador.

    Não seria mais lucidez estes trabalhadores, para que possam ter uma vida digna, ao invés de ficarem nesse nós contra eles. E escolhendo candidatos com as propostas mais danosas para as próprias qualidade de vida dos que trabalham arduamente faça chuva ou faça sol, erradicarem esses políticos caras de pau.

    A maioria dos candidatos querem aprofundar a reforma trabalhista, fazer reforma previdenciária para matar os velhinhos de fome ou fazer as pessoas trabalharem até morrer, levar a lei trabalhista para beirar a informalidade, um quer até armar a população, a maioria das coisas que falam são bravatas e besteiras, e por aí vão seguindo para empobrecer o trabalhador sem o menor escrúpulo. E as nossas riquezas “doadas”.

    Não seria mais inteligente o eleitor recusar tudo isso e exigir respeito e mostrar que o trabalhador/eleitor também tem bilhões de neurônios

  9. O meu amigo e professor Rocha tocou em um ponto nevrálgico da atual situação deplorável que nos encontramos como brasileiros:
    “Estou chegando à conclusão de que o povo não existe.”

    Perfeito diagnóstico!

    Não existimos para o governo, que só pensa nele e seus vencimentos milionários, penduricalhos e indenizações pessoais pecuniárias, mas tampouco existimos para nós mesmos, ou seja, sequer reivindicamos nossos direitos, melhorias, menos impostos … nada!

    Ora, os poderes constituídos estão no paraíso.
    Não precisam se preocupar com o país e população.
    Não há necessidade de se ter um plano de governo, muito menos se ter cuidado com as despesas, mesmo sendo estas muito maior do que a receita!

    Logo, o Brasil está entregue às moscas – perdão -, aos ladrões – que, sem qualquer admoestação roubam descaradamente o cidadão e o erário público, além de gozarem da impunidade corroborada pelo STF!

    E dizer que existe quem acha que as eleições resolverão os nossos problemas …

    Doce ilusão!

    • “A Câmara é a representação do povo. Os deputados não são santos porque o povo também não é santo”

      (Bonifacio Andrade, que conhece muito bem o baixíssimo nível do seu eleitorado)

  10. Quando será que um dia vamos queimar a cabeça pensando em quem votar? Este é melhor do que aquele e quanto, aí sim seríamos felizes e, não como agora, qual destes caras é o menos canalha? Este ano eu vou dar um tempo, cansei de me decepcionar.

  11. Náo adianta bla, bla, bla. Enquanto não acabarem com a urna eletrônica e esse sistema político inclusive a forma de pesquisa e propaganda, não vou nem comparecer mais pra votar. Que vão rachar lenha!!!

  12. Esqueçam os trabalhadores.
    Em qualquer lugar do mundo tem mão de obra qualificada e excedente, ou rapidamente contratável vinda de outros países.

    Um país com energia e recursos naturais tem de atrair empreendedores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *