Mantega desistiu do Ministério da Fazenda

Pedro do Coutto

Ao afirmar no final da semana passada que são inúmeros os casos de violação de sigilo fiscal na área da SRF, o ministro Guido Mantega, responsável maior pelo cumprimento da lei financeira, renunciou tacitamente ao cargo que ocupa. Não sei se a sua iniciativa pública será aceita pelo presidente Lula, mas não importa. Ele revelou não ter condições de gerir a Fazenda, sobretudo porque se encontra no cargo há quase sete anos. Em sete anos aprende-se muita coisa. Ele, Guido Mantega, parece não ter aprendido e percebido nada. Não propriamente do universo econômico, mas sim do universo político.

Como é possível que na delegacia de Santo André, funcionárias aceitem como válida uma procuração evidentemente falsa produzida através do misterioso contador Antonio Carlos Atella Ferreira? Uma simples questão de bom senso e de responsabilidade. Por quê motivo Verônica Serra, filha do candidato José Serra, iria solicitar cópia de sua declaração de IR? Isso em primeiro lugar, em segundo, qual o motivo que a levaria a fazer isso por intermédio de uma procuração? Não terminam aí as contradições. Em terceiro lugar, porque o pedido seria encaminhado através do setor fiscal de Santo André, se ela reside na cidade de São Paulo?

Uma teia imunda de mentiras e de ocultação da verdade – algo tão nocivo quanto mentir e falsificar. A intenção, claro, não podia ser pior. Fechando esta etapa negra da história inverossímil, ao ler o pedido absurdo, a funcionária sequer desconfiou de que algo estava errado? Deveria se dar ao trabalho de confirmar. Caso contrário, ela, mantido esse comportamento, poderia contribuir para devassar o sigilo fazendário de qualquer pessoa.

Aliás foi o que aconteceu. A cena repetiu-se na localidade de Mauá em relação ao ex-ministro Mendonça de Barros, em relação ao ex-diretor do Banco do Brasil Ricardo Oliveira, e o ex-subchefe da Casa Civil de FHC, Eduardo Jorge Caldas Pereira. Este inclusive o mais visado. Romperam seu sigilo fiscal até em Minas Gerais. Incrível. De todos, claro, os mais visados foram Mendonça de Barros e Eduardo Jorge. Bobagem, além de um crime, burrice, porque transações supostamente ilegais não apresentam seu produto nas declarações anuais de Imposto de Renda. Isso equivale a supor que seus autores assinariam as respectivas confissões. Só rindo. Seria cômodo se não fosse dramático.

Os episódios, como admitiu o estado de São Paulo na edição de sábado passado, podem ter contribuído para frear o crescimento acentuado de Dilma Rousseff no Ibope e Datafolha e também a queda de Serra. Mas não são capazes, penso eu, de mudar o quadro da sucessão presidencial claramente definido. Entretanto não é por isso que se deva legitimar a ação dos falsificadores e violadores de declarações de IR. De modo algum. Porque, na realidade, os que dedicam a tal tarefa, não vão parar no cenário eleitoral. Nada disso. Vão utilizar procurações falsas para invadir sites pessoais na Receita e depois tentar chantagear os que considerem suspeitos de rendimentos ilícitos. A violação com motivo político é só uma chave eletrônica para penetrar no mundo de negócios inescrupulosos.

Guido Mantega sabe disso. Sabe que se omitiu ilegalmente. Algo gravíssimo, sob o ponto de vista ético, para um titular da Fazenda. Renunciou. Não só ao governo Lula. Mas jogou fora sua participação no governo Dilma Rousseff. Quem viver verá.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *