Maquiagem das contas causa briga entre Tesouro e BC (diferença ja é de R$ 3,1 bilhões)

João Villaverde
O Estado de S.Paulo

A diferença entre o desempenho fiscal calculado pelo Banco Central e pelo Tesouro Nacional tem criado um ruído adicional na comunicação entre o governo Dilma Rousseff e o mercado financeiro. Neste ano, somente até agosto, o resultado primário do governo federal estimado pelo Banco Central foi R$ 3,1 bilhões pior do que o calculado pelo Tesouro.

Essa divergência tem aumentado ao longo dos últimos anos. Em 2011, a chamada “discrepância” tinha sido de apenas R$ 489 milhões. Em 2013, somando todas as pequenas diferenças em 12 meses, a conta chegou a R$ 1,78 bilhão.

A “discrepância” ocorre, oficialmente, porque o BC faz a estimativa seguindo critério “abaixo da linha”, que leva em consideração a evolução do endividamento do governo central. O Tesouro faz esse cálculo “acima da linha”, isto é, pelos fluxos de caixa – tudo o que entra nos cofres federais como receita é subtraído daquilo que sai como despesa.

MANOBRAS CONTÁVEIS

A divergência entre os resultados fiscais de BC e Tesouro sempre existiu, mas está em alta e tem dificultado a análise das contas públicas. Parte da diferença deve-se, segundo especialistas no tema, às várias manobras contábeis adotadas pelo Tesouro para fechar as contas e às chamadas “pedaladas fiscais” que reduziram de forma artificial as despesas federais ao adiar pagamentos obrigatórios da União.

No ano, a meta de economia para pagar juros da dívida do governo central (constituído por Tesouro, BC e Previdência) é de R$ 80,8 bilhões. Mas essa poupança fiscal somou apenas R$ 4,6 bilhões até agosto, segundo as contas do Tesouro. Na conta do Banco Central, foi ainda menor – R$ 1,5 bilhão.

O mercado tem adotado uma posição cética quanto à política conduzida pelo secretário do Tesouro, Arno Augustin. “O Tesouro calcula quanto gastou e quanto recebeu, e o BC estima o endividamento ou o aumento do patrimônio decorrente desses fluxos, ou seja, a necessidade de financiamento do setor público. Essas contas deveriam ser bem aproximadas”, afirma Bernardo Wjuniski, diretor de América Latina da Medley Global Advisors.

O economista-chefe da Tullet Prebon Brasil, Fernando Montero, especialista em contas públicas, afirma que desvios e ajustes metodológicos entre as duas contas são normais, mas não na magnitude atual. “Claramente, há operações que não aparecem como pagamentos primários nas contas do Tesouro e sim como endividamento, portanto como déficit, nas contas do BC. É incrível que o BC capture melhor as contas do Tesouro do que o próprio Tesouro”, diz Montero, que citou também os “indícios de pedaladas” nas contas do Tesouro.

14 thoughts on “Maquiagem das contas causa briga entre Tesouro e BC (diferença ja é de R$ 3,1 bilhões)

  1. Novamente estão fazendo a contabilidade criativa e depois, Dona Dilma+Lula+PT, vão começar a criticar o FMI quando este questionar o PIB e o índice de inflação oficiais, igual aconteceu com a Argentina.

    Do G1
    10/12/2013 06h10 – Atualizado em 10/12/2013 07h29
    FMI dá prazo para que Argentina mostre novas estatísticas
    País deverá apresentar novas previsões para PIB e novo índice de inflação.
    Fundo vem advertindo falta de rigor nas estatísticas econômicas do governo.
    Agencia EFE

      • Prezado Sr. ALUÍSIO, mesmo sem ser um Especialista em Contabilidade das Contas Nacionais, o que entendo dessa “Discrepância” entre o Balanço do Tesouro, e do Banco Central, é o seguinte: O Governo DILMA/TEMER num ano de Eleições, com baixo crescimento Econômico e até Recessão ( 2 ou mais Trimestres de ENCOLHIMENTO, Jan-Mar e Abr- Jun 2014), tenta INJETAR o que pode de Moeda/Crédito na Economia para tentar sustentar o Poder de Compra da População. A meu ver, está certa nessa estratégia. Só que isso se dá aumentando o Endividamento Federal que o BC acusa, mas para que isso não atrapalhe a propaganda do Governo, o Tesouro, através de uma “Pedalada Fiscal” acusa que tem mais a receber do que tem. Então para o BC aumentou a Divida Pública, para o Tesouro NÃO. É claro que o Governo DILMA/TEMER puxando a sardinha para sua brasa, ficam com os dados do Tesouro. De qualquer forma, uma DISCREPÂNCIA de R$ 3,1 Bi, num Orçamento Federal de +- R$ 2.200 Bi, é ainda uma “gota de água”. O erro Econômico do Governo DILMA/TEMER não está tanto aí, mas em ser exageradamente ESTATISTA e “desconfiada” da Empresa Privada, criando assim um clima de DESCONFIANÇA, que os Jornalistas chamam, anti-Negócios.

      • Devido termos Presidenta, a mídia brasileira chama de “Contabilidade Criativa” como sendo um meio mais educado de dizer “Contabilidade Enganosa”.

        Na realidade estão tentando enganar POVO quanto a real condição econômica do pais. Só que a cada ida ao supermercado ou pagamento de serviços essenciais o POVO sente a mentira deste governo.

        PIB estagnado, alimentos, dólar, conta de energia, plano de saúde, remédios, transporte, vestuário, etc. tudo subindo acima da banda superior da meta de inflação e o governo Dilma+PT tem a ousadia de dizer que esta sob controle.

        Resumindo para consertar esta Herança Maldita levaremos no mínimo dois anos de suor e sangue.

  2. Vejam as maracutaias do Pronatec, que tem até curso para pentear macaco, melhor, para formar ‘Agentes de Higiene e Beleza Animal” … ( PSP)…
    Auditoria aponta descontrole em
    vitrine de Dilma
    RENATA AGOSTINI
    FLAVIA FOREQUE
    DE BRASÍLIA
    19/10/2014 02h00
    Auditoria inédita da CGU (Controladoria-Geral da
    União) no Pronatec, uma das vitrines eleitorais de
    Dilma Rousseff (PT), afirma que não é possível
    precisar quantos alunos assistem de fato às aulas e
    como foram gastos os recursos repassados pelo
    governo federal às escolas.
    O documento, ao qual a Folha teve acesso, é
    resultado da primeira fiscalização focada no
    programa —criado há três anos para formar técnicos e exaltado pela petista.
    O relatório, produzido a partir de entrevistas e análise de documentos, foi
    finalizado em 27 de agosto, depois de manifestação do MEC (Ministério da
    Educação).
    Ele aponta descontrole dos gastos públicos porque, diz a CGU, alunos
    desistentes continuam sendo contabilizados —e as instituições podem ser
    remuneradas por esse grupo que não frequenta mais as aulas, já que “não
    existe processo de prestação de contas nem análise e aprovação do
    cumprimento das vagas pactuadas com os ofertantes”.
    Os auditores analisaram a execução do principal braço do programa,
    chamado de Bolsa-Formação, por meio do qual a União banca aulas gratuitas
    de ensino técnico e de qualificação profissional.
    Ele representa cerca de 40% das mais de 8 milhões de matrículas no Pronatec
    —a maior parte das vagas é oferecida e custeada diretamente pelo Sistema S
    (Senai, Senac, Senat e Senar).
    “O aluno desistente continua sendo contabilizado como se estivesse
    matriculado e a instituição recebe indevidamente o valor da Bolsa-Formação
    não utilizada”, afirma o relatório da CGU
    “Mesmo sem a cobrança, entrega e análise das prestações de contas, o FNDE
    [Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação] continuou transferindo
    recursos para as redes de ensino em 2013 e 2014, que juntos somam mais de
    R$ 4,5 bilhões”, diz a auditoria da CGU. Em 2011 e 2012, foram distribuídos
    R$ 1,7 bilhão em bolsas.
    O governo federal nega descontrole.
    DADOS FIDEDIGNOS
    A auditoria diz que os problemas do programa começam pelo Sistec, sistema
    que gerencia as matrículas.
    “A rede de ensino não é obrigada a corrigir os dados do Sistec, que vem
    apresentando falhas desde a sua implementação, nem é obrigada a apresentar
    dados fidedignos”, diz o documento.
    A meta de 8 milhões de matrículas do Pronatec foi alcançada em agosto e vem
    sendo usada como trunfo por Dilma. Neste ano, a presidente já participou de
    pelo menos 11 formaturas do Pronatec —todas em Estados diferentes.
    Segundo a propaganda eleitoral da petista, trata-se do “maior programa
    profissionalizante do mundo”.
    Os auditores, porém, dizem que o sistema não permite o registro dos alunos
    que desistiram do curso. Tal falha impossibilita precisar quantos recebem a
    formação.
    “O Sistec não permite cancelar o registro de alunos desistentes, considerados
    aqueles que se matricularam e não compareceram nos cinco primeiros dias
    letivos de curso”, diz o relatório da CGU.
    As instituições deveriam “reconfirmar a matrícula” após cumprimento de até
    25% da carga horária dos cursos de qualificação profissional ou dos quatro
    primeiros meses dos cursos técnicos. Mas a função não foi criada no sistema
    até hoje, admite o MEC.
    A falta de controle criou um ambiente favorável a fraudes, que já vêm sendo
    identificadas pelo Ministério Público Federal e pelo TCU (Tribunal de Contas
    da União).
    No Pará, o então reitor do Instituto Federal em 2012 e outras 12 pessoas são
    acusadas de desvio de recursos —a denúncia foi aceita pela Justiça.
    No Paraná, dez servidores do Instituto Federal são investigados sob a
    acusação de inflar o número de aulas e receber por isso. O TCU apura se
    houve irregularidade em bolsas a servidores da Universidade Federal do Rio
    Grande do Norte.

    Fonte : http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1534748-auditoria-aponta-descontrole-em-vitrine-de-dilma.shtml

  3. ELEIÇÕES 2014 ÀS 14:31

    Ministério Público aciona Minas Gerais por corrupção na saúde sob Aécio Neves

    Ministério Público protocolou nesta sexta-feira (17) ação contra Minas Gerais por fraude orçamentária na saúde durante a gestão Aécio Neves. Promotores pedem ressarcimento aos cofres públicos de mais de R$ 5 bilhões

    aécio neves corrupção saúde minas

    Ministério Público move duas ações contra Minas sob Aécio. Em uma, pede o ressarcimento de 1,3 bi, em outra, de 4,3 bi. Montante ultrapassa os R$ 5 bilhões (divulgação)

    O Ministério Público do Estado de Minas Gerais protocolou na sexta-feira (17) ação contra o governo estadual por uma suposta fraude orçamentária nos gastos na área de saúde entre os anos de 2003 e 2010, época em que o Estado era governado pelo atual senador e candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB). Segundo a ação, o governo promoveu uma maquiagem nas contas da área inserindo R$ 1,3 bilhão em recursos da empresa estatal de saneamento, Copasa, para que fosse atingido o percentual constitucional de 12% a ser investido na área.
    A ação, segundo informa o jornal Folha de S. Paulo, foi proposta por três promotores e pede o ressarcimento aos cofres públicos do montante desviado. Em outra ação que tramita na Justiça mineira, o MP pede o ressarcimento de outros R$ 4,3 bilhões que deveriam ter sido investidos na saúde entre 2003 e 2008. Somados, os valores se aproximam dos R$ 7,7 bilhões que a presidente Dilma Rousseff (PT) tem dito na campanha que deixaram de ser investidos na saúde nas gestões de Aécio.
    A promotora da área da Saúde do MP de Minas Gerais, Josely Ramos, já havia proposto, também em 2010, uma ação de improbidade administrativa contra Aécio, alegando que entre 2003 e 2008 mais de 50% dos investimentos da saúde provinham de iniciativa da Copasa. A acusação se baseia no fato de que o governo teria inserido investimentos em saneamento básico como gastos na saúde. Uma auditoria revelou, no entanto, que a estatal não recebeu verbas do Estado para a saúde. A própria estatal teria reconhecido, segundo a ação.
    A ação de improbidade contra Aécio, porém, foi arquivada pelo procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, André Bittencourt, sob alegação de que Josely não teria legitimidade para processar um governador, atribuição dele. A promotora recorreu alegando que, no segundo semestre de 2010, Aécio havia deixado o governo, desincompatibilizando-se para disputar o Senado. `
    À Folha, o governo de Minas negou qualquer irregularidade afirmando que nos anos citados nas ações ainda não havia sido regulamentada a emenda constitucional que define os percentuais de investimento no setor.

    É sempre bom entender OS DOIS LADOS, não é verdade???

    Saudações,

    Carlos Cazé.

    • Quase quatro anos depois é que o Ministério Público protocola ação contra Minas Gerais por fraude orçamentária na saúde que o montante ultrapassa os R$ 5 bilhões durante a gestão Aécio Neves.

      Isto é a maior prova de conveniência, desídia ou incompetência dos promotores responsáveis.

      Para o bem do serviço publico eles deveriam ser expulsos.

    • Sr Carlos Caze, o senhor vai perder o emprego de MAV no próximo domingo. Todos sabemos que a noticia que o sr publicou representa uma meia verdade. A outra meia verdade quem sabem são o Celso Daniel e a Rose. Fala, com eles.

      • E receba logo o seu dinheiro, porque
        o Mensalão desmoronou (veja um tal eike batista: de mais rico do Universo inteiro passou à classe média petista),
        o Lava Jato está secando
        e por aí vai…

      • Sr. “Paulo 2”, se irrite não, não vale a pena!
        Se o prezado Carlos Newton começar a publicar artigos críticos ao Aécio, como faz com o PT, pode anotar aí: escreverei coisas duríssimas contra esse PT reles e indefensável.
        O que eu NÃO gosto, sr. “Paulo 2″, é de afrontar minha consciência: logo, sempre procuro mostrar OS DOIS LADOS, OS DOIS PERFIS dos candidatos, que, qualquer cego vê, não são nada fotogênicos.
        Alguns me sugerem escolher o ” menos pior”; NÃO o farei, por dois motivos. O primeiro, sem dúvida, é a minha consciência, que NÃO me permite, terminantemente; ademais, já advoguei causas nobres demais, importantes demais, já paguei caro demais, para malbaratar-me por candidatos podres e seus respectivos partidos acanalhados. Acredite-me: até o senhor, que destila palavras desconexas e praguejantes contra quem nem conhece, já se beneficiou de minhas lutas, inclusive o direito de se expressar, democraticamente. A mim, o senhor não insulta, apenas se revela, a todos. Deixamos sempre uma impressão quando saímos, mais do que quando chegamos, já advertia o senhor Gracián, Baltazar. Os que o leem, senhor “Paulo 2″ , sabem exatamente do que estou falando_desde que, claro está, tenham algo mais nobre em si mesmo do que ofender a quem não pensa pelos mesmos critérios.
        O segundo motivo é que NÃO vejo candidato ” menos pior”. É sempre bom lembrar que esse PT que tanto o incomoda só chegou ao poder GRAÇAS AO DESGOVERNO DO psdb. Ainda que o psdb volte ao governo, daqui a pouco o PT retornará, pode anotar: NÃO por saudade dos eleitores, mas por CANSAÇO. É a velha história: sai uma quadrilha, entra outra. Os que pensam semelhantemente a mim_ aliás, em maior número do que os que votaram no seu candidato, no primeiro turno_ ,então, se RECUSAM a participar dessa farsa. É isso o que o senhor precisa APRENDER, APREENDER e RESPEITAR. Quando critico o seu candidato, faço-o NÃO defendendo dona Dilma, estou defendendo a minha ótica, que É NÃO EXISTIR CANDIDATOS DIGNOS DO NOSSO VOTO. Eu não sei quando o senhor apareceu aqui, na Tribuna da Internet, mas pode perguntar para outros, tranquilamente. É muito mais digno fazê-lo do que ESPUMAR DEBILMENTE contra os que o senhor DELIRA serem seus inimigos.
        Por fim, senhor “Paulo 2”, tenha uma ótima semana, que ela lhe dê o que o senhor tanto deseja: a eleição do seu candidato. Posso desejá-lo sincera e humildemente, porque a mim NÃO fará diferença alguma: continuarei comendo bem e não dormindo mal, como escrevia meu amigo Machado de Assis. E com a eleição do seu candidato, espero que isso lhe traga o maior dos benefícios: enxergar, definitivamente, que o destino de grandeza, do Brasil, está longe da grandeza a que aspiram esses partidinhos cínicos e nefastos que, infelizmente, ainda encontram quem os queira defender…

        Saudações,

        Carlos Cazé.

  4. A indústria da difamação do NAZISTA Fraklin ( Hora do Povo) Martins, que se tormou revolucionário depois de levar um pé na bunda da Globo é isso aí que você escreveu, cinismo puro! Esse dinheiro não foi desviado, foi relocado de área, o que é irregular. Mas esperar o que de um partido que tem um presidente como o Quaquá, que alem de estar sendo responsabilizado pelo o duplo homicídio de um juiz federal e um piloto, no aeroclube de Marica, ainda tornou esse município no maior cabide de emprego ‘nunca antes visto no história desse país”! Marica tem 120 mil habitantes e esse senhor conseguiu colocar 30 secretarias, 3 a mais do que na capital, mas não satisfeito colocou ainda 59 subsecretarias e levou a filha regra 3 do Lulla para ser sócia da sua mulher na empresa de publicidade que trabalha para prefeitura! Esperar o que de um califado, dirigido pelo Calígula de São Bernardo? Basta ver o caso do ‘menino do MEP”! O caráter dos dirigentes e dirigidos…

  5. Esse governo é todo ele uma maracutaia só. Nenhuma informação que vem dele pode ser levada a sério. Agora vem Dilma dizendo que HOUVE SIM desvios (roubos) na Petrobrás. Minha Soberana! E tudo o que foi feito para acobertar a bandalheira, não tem importância alguma? Como Dilma espera ter alguma credibilidade frente o eleitor, agora que o fracasso na campanha a obrigou a asssumir aquilo que negava com tanta veemência? Apoio ao petismo é para descerebrados.

  6. Excelente e didático o artigo do jornalista João Villaverde, do Estadão.
    Os leitores também gostaram. e deixaram oportunas intervenções.
    Mas. não são somente as “pedaladas contábeis” que contribuem para a desconstrução do orçamento agora impositivo para o Brasil.
    No fundo e no raso, o que pesa, são as despesas governamentais, que ao invés de diminuir, só crescem.
    Uma boa parte dessas despesas só irá aparecer quando um novo presidente mexer na colmeia da rainha – mãe, do vespeiro conhecido como cartões corporativos; que rolam em todos os níveis de governo, a maioria não divulgada para o distinto público sob a proteção de “dribles” como os carimbados como de “segurança nacional”, e outros de “secretos”..
    Um sigilo imoral para gastos que são pagos com a arrecadação de tributos, os impostos, o seu, o meu, o nosso dinheirinho… bancando sabe-se lá o que …
    E o atual governo ainda tem a cara dura de falar em transparência, e cogitar de novos aumentos dos impostos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *