Marina critica bancos e defende créditos para empreendedores comunitários

Marina Silva diz que é “negra, de origem pobre, e mulher”

Elisa Martins
O Globo

A candidata à Presidência pela Rede, Marina Silva, criticou os benefícios concedidos por bancos a empresários ricos e prometeu criar linhas de crédito especiais para empreendedores comunitários. Marina participou neste domingo de uma roda de conversa com cerca de vinte mulheres empreendedoras em uma casa no Capão Redondo, na periferia de São Paulo. Desde o embate com Jair Bolsonaro (PSL) sobre igualdade de salários no dia 17, a presidenciável tem intensificado encontros com lideranças femininas em sua agenda de campanha.

— Hoje temos um sistema de crédito que não favorece o empreendedor, e menos ainda o empreendedor comunitário, que tem um micronegócio e empreende por necessidade. Minha proposta é que os bancos públicos criem linhas de crédito mais acessíveis para esse tipo de empreendimento. O BNDES gastou um trilhão com empresários já milionários, como Eike Batista. Imagine uma fração desse dinheiro para uma carteira de crédito com juros baixos — criticou a candidata, sentada num sofá ao lado da dona da casa onde acontecia a conversa, a enfermeira Cecilia de Souza Crispiano, que se apresentou como empreendedora do setor de alimentos e trabalha vendendo lanches.

JUROS BAIXOS – Sem seu candidato a vice, Eduardo Jorge (PV), Marina defendeu ainda a diversificação do crédito nos bancos privados, para que haja juros mais baixos, e que os microempreendedores tenham acesso a uma gerência técnica assistencial “para serem efetivos nos negócios”.

— São apenas cinco ou seis bancos que têm o monopólio do crédito — disse ela, que defendeu ainda a criação de um cadastro positivo para os bons pagadores, “que são principalmente as mulheres”.

OUTROS TEMAS – Perguntas sobre racismo, alimentação, educação, saúde da mulher dependente química e pobreza também permearam o evento. Questionada por uma participante e pastora sobre se aumentaria o valor do salário mínimo, “para R$1.500 ou R$2.000”, Marina foi evasiva:

— Nosso compromisso é manter o poder de compra do salário mínimo, que não pode ser comido pela inflação. Se conseguirmos diminuir os impostos sobre os alimentos, já ajudará no salário. Queremos que o salário seja justo, mas não podemos fazer demagogia em um país que ficou três anos sem crescer, que só cresceu 1% — disse ela, que prometeu ainda “resolver o problema da dívida pública e da previdência”.

INDECISA – O encontro, organizado pela ONG Universidade da Correria, durou cerca de duas horas e reuniu, além de jovens empreendedoras, políticas locais e lideranças moradoras da comunidade. A pastora Irma de Carmos Freitas Souza, que fez a pergunta sobre o salário mínimo, disse que ainda não decidiu em quem vai votar.

— Estou pensando, e também em como orientar meus fiéis. Mas no Bolsonaro eu não voto. É um manipulador — afirmou ela, depois de ouvir de outra participante para “incluir Marina em suas orações”.

Na semana passada, pesquisa Ibope mostrou que o número de eleitores que pretendem votar branco, nulo ou estão indecisos é o maior dos últimos 20 anos. Eles somam 38% — na mesma época, há quatro anos, a soma da chamada alienação eleitoral era menos da metade, 15%.

DECEPÇÃO – Os números mostram que o eleitor, com justa razão, está decepcionado, indignado, num país onde o BNDES usou um trilhão para aqueles que chamavam de campeões nacionais. Os eleitores querem ouvir primeiro as propostas e principalmente os propósitos por trás de cada candidatura. E as alianças mostram muito qual é o propósito. Estamos debatendo com a sociedade para que as pessoas que hoje ainda não tomaram sua decisão possam contribuir para mudar o Brasil. Mostrar que as velhas estruturas não vão ganhar da nova postura dos brasileiros — opinou Marina.

A candidata de 60 anos lamentou que, depois de 30 anos de vida pública e mandatos como deputada, senadora e ministra, ainda tenha que “provar que sabe e que pode falar”.

— Isso acontece porque sou negra, de origem pobre, mulher. Até hoje as pessoas fazem “pegadinhas” para saber se eu sei responder mesmo algumas perguntas. As mulheres são subestimadas — afirmou Marina.

16 thoughts on “Marina critica bancos e defende créditos para empreendedores comunitários

  1. Essa Senhora Marina Silva, vive na abastança e a imprensa politicamente correta nunca investigou de onde vem a grana. Essa proximidade com a esquerda caviar do Itaú poderia explicar muita coisa.

  2. A mesma demagogia pregada desde o tempo de Cristo: assistência às comunidades, aos pobres aos quais o céu pertence.
    Desse jeito os brasileiros terão Lula 2.0 se elegerem Marina.

  3. É muito fácil abaixo os juros dos bancos privados.
    Basta um presidente de pulso firme, impor que os bancos estatais coloquem seus juros a no máximo 1% ao mês, que no outro dia, os bancos privados abaixam seus juros.
    Outra coisa que os bancos estatais poderiam fazer, seria aumentar os juros da caderneta de poupança para a metade dos juros que cobram para empréstimo. Essas medidas iriam fazer os bancos privados atenderem os anseios da população. Mas quem se interessa???

  4. Essa dai nunca encerrou um CNPJ e assim como os outros candidatos, com excessão de Bolsonaro, só fizeram campanha até agira contra a população em geral, incluo ricos e pobres aqui e contra outros países. O sentimento de corporativismo é forte nesse pessoal da esquerda.

  5. Era de se esperar, assim que o desespero tomasse conta dos seguidores do branquelo crioulo doido, aconteceria:

    Concentração de ataques de apoiadores cafajestes do candidato do PSL à postulante da Rede, que já encostou na pesquisa de intenção de votos e, logo, antes do primeiro turno, irá ultrapassar o ‘jumêntio’!

    Se esconde aí Bolzotóila!
    Bofe de Elite…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *