Marina e a “onda verde” podem se aliar à candidata do PT? Mas ela não saiu desse mesmo PT, “não tenho espaço?”. Indo para o lado do PSDB, apoiando Serra, essa opção será respeitável e respeitada? Em 27 dias, 135 milhões terão que compreender

Helio Fernandes

Serão 28 dias, agora 27, mais exaustivos do que surpreendentes. Joguem as pesquisas no lixo, avaliem pessoalmente, se informem, analisem, comentem com amigos, no trabalho, no bar, no clube, na “pracinha”, constatem o ridículo a que os Institutos se expõem, quando dizem arrogante, mas desavisadamente: “Estes cálculos estão sujeitos a uma diferença de 2 pontos para mais ou para menos”.

E erram às vezes por causa de milhões de votos que separam a realidade das suas suposições e afirmações, São dezenas de casos, erraram praticamente nos mais diversos estados. Para dar apenas um exemplo, fiquemos em SP, na eleição para o Senado. Durante toda a campanha não falaram no nome de Aloysio Nunes Ferreira.

Nas pesquisas, nos cálculos, nas análises e avaliações, desde que Quércia e Tuma, favoritos, foram para o hospital, “estavam eleitos Dona Marta e Netinho de Paula”. E o Candidato do PSDB? Não existia, não aparecia, não seria eleito. Pois às 21 horas de domingo, esse “inexistente” Aloysio, surgia em primeiro lugar com mais de 11 milhões de votos.

De onde veio essa montanha de votos? E em quanto tempo, já que na própria semana, todos os Institutos, (SEM EXCEÇÃO) desconheciam completamente o seu nome? É impossível justificar isso, explicar a votação, embora no caso tenha sido uma vitória do “BEM”. Apesar dele ser amigo de Serra. E assim aconteceu praticamente no país todo, com algumas exceções de vitoriosos previstos, anunciados e confirmados.

Como eu dizia no início destas notas, o segundo turno será cansativo, exaustivo e precisa ter emoção, compromisso, projeto, afirmação, e não apenas promessas vagas. Os discursos de Dilma e Serra, logo depois da confirmação do segundo turno (a partir da afirmação do presidente do TSE, às 21,15 de domingo) foram tão vazios e melancólicos quanto as campanhas.

O dela, visivelmente ressentido. Satisfeita abertamente, caminhando alegremente para o céu, à última hora começou a ver os obstáculos, percebeu que trilhava a estrada do inferno, o que acabou acontecendo. Lula, mais lúcido, às 8 horas mandou retirar a segurança da Praça dos Três Poderes, compreendeu, antes dos outros, que não haveria comemoração, pelo menos naquele momento.

Os discursos? O dela, ressentido (como eu disse), surpreendido, não mais envaidecido. O dele, desvanecido e agradecido, inteiramente falso, agradecia a quem? Dava a impressão de ter sido o grande vencedor, quando na verdade foi a maior “carona eleitoral” da História republicana.

Os 20 milhões de votos de Marina Silva, muito bem identificados como “onda verde”, que varreram os subterrâneos da votação e chegaram aos computadores do TSE, não foram pressentidos ou percebidos pelos Institutos. Mas também não podem ser “leiloados”, “transferidos”, “serralizados ou dilmizados”, sem maiores explicações.

20 milhões (é muito) têm que constar das urnas do 31 de outubro, eles existem. Já começaram as conversas particulares e os elogios públicos, que Dona Marina merece amplamente. Mas que dificuldade, primeiro para identificar se esses acordos devem ser feitos com ela, pessoalmente, ou com o PV, legenda pela qual concorreu.

O PV, agora em evidência eleitoral e logicamente política, esteve acusadíssimo por irregularidades, (que não atingiram a então senadora) praticadas pela cúpula. E a divisão se instalou no partido, com uma trégua natural, todos precisavam de votos, nem pensavam na Presidência.

Excluindo o fato de não se saber com quem conversar, o mais importante é o que conversar. Marina pode se entender com o PT e Dona Dilma? Estará então contrariando a ela mesma, deixou o PT, “não posso me realizar, não tenho espaço no partido”. Terá que ser um acordo amplo e cheio de compromisso, coisa que nenhuma das duas exibiu na campanha.

Membros da cúpula do PV, já se adiantaram e conversam com Serra. Se Marina fizer acordo com Serra, estará negando a “onda verde”, engrossando a “onda doadora-privante” do PSDB. Com Serra ou com Dilma, Marina estará desconfortável. E mais: terá que vir a público explicar a opção que fizer, e porque foi feita.

Serra e Dilma, que fizeram campanhas péssimas, terão que reformulá-las. Mas como e para onde? Marina poderá influir e influenciar essas modificações, mas quem sabe a posição de Marina diante dos grandes problemas do país? Tirando a “onda verde”, quase imposição das circunstâncias, o que se sabe das convicções da candidata do PV? Ela pode transferir votos, sem saber o que eles representam?

***

PS – Iremos tratando diariamente desse segundo turno, que não é naturalmente promissor, realizador, esperançoso. O segundo turno foi criado precisamente para isso: reafirmar compromissos, projetos, realizações.

PS2 – Mas Dilma e Serra, vazios e desinteressados, só se interessavam em fazer número nos “debates”. E fingir que eram populares e não faziam outra coisa a não ser andarem a vida toda nas ruas.

PS3 – Disse muitas vezes, insisti, repeti, lembro agora: Lula e Dilma foram insensatos (o PT não tem nada com isso), ao escolher um vice sem votos, que não acrescentou e ainda prejudicou: no PMDB, ninguém é tão sem votos quanto Michel Temer.

PS4 – Dilma precisa de mais 4 milhões de votos, Serra de 17 milhões, diferença muito grande. A maior surpresa (lógico, além da “onda verde”) foi a euforia de Serra, no discurso de A-G-R-A-D-E-C-I-M-E-N-T-O. Puxa, ninguém sabia que o Serra era tão querido e admirado.

PS5 – A seguir, abaixo, análise sobre a repercussão das eleições parlamentares, quem terá mais Poder e influência nessas eleições e no misterioso (até agora, mas não por muito tempo) segundo turno.

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *