‘Mas plantar pra dividir, não faço mais isso, não’, cantava João do Vale, poeta do Povo

Resultado de imagem para joao do vale, poeta do povoPaulo Peres
Site Poemas & Canções

O compositor e cantor maranhense João Batista do Vale (1933-1996), o Poeta do Povo,  representou o grito contido das massas contra todo o tipo de injustiça social, conforme dispõe a letra “Sina de Caboclo”, em parceria com Zélia Barbosa e J.B. de Aquino. Essa música foi gravada por João do Vale no LP O Poeta do Povo, em 1965, pela Philips.

SINA DE CABOCLO
Zélia Barbosa, J.B. de Aquino e João do Vale

Mas plantar prá dividir
Não faço mais isso, não.
Eu sou um pobre caboclo,
Ganho a vida na enxada.
O que eu colho é dividido
Com quem não planta nada.
Se assim continuar
vou deixar o meu sertão,
mesmos os olhos cheios d’água
e com dor no coração.
Vou pró Rio carregar massas
prós pedreiros em construção.
Deus até está ajudando:
está chovendo no sertão!

Mas plantar …
Quer ver eu bater enxada no chão,
com força, coragem, com satisfação ?
e só me dar terra prá ver como é :
eu planto feijão, arroz e café ;
vai ser bom prá mim e bom pró doutor.
eu mando feijão, ele manda trator .
vocês vai ver o que é produção!
modéstia á parte, eu bato no peito :
eu sou bom lavrador!
Mas plantar …

One thought on “‘Mas plantar pra dividir, não faço mais isso, não’, cantava João do Vale, poeta do Povo

  1. Meu conterrâneo lá de Pedreiras-MA, lugar quente do diabo; João só não conseguiu resistir a “marvada” da cachaça, a qual acabou levando-o desta vida.
    Ainda há otário que vê a pinga como uma coisinha ingênua de alma bem brasileira. Ela é um passaporte para todos os infernos dantescos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *