Mercenários americanos da antiga Blackwater treinam policiais brasileiros para a Copa do Mundo

Patrícia Campos Mello
Folha

A empresa americana Academi, que antes se chamava Blackwater, está treinando policiais militares e agentes da Polícia Federal para ações antiterrorismo na Copa. A Blackwater ficou conhecida por agir como um exército terceirizado dos Estados Unidos, com mercenários atuando nas guerras do Iraque e do Afeganistão.

A empresa está envolvida em ações terroristas contra civis indefesos em diversos países ocupados pelos EUA. Ex-funcionários da Blackwater são acusados formalmente de terem matado 17 civis iraquianos no massacre da praça Nisour, em 2007. Mas as denúncias comprovam centenas de assassinatos de civis indefesos.

Na semana passada, um grupo de 22 policiais militares e agentes federais brasileiros voltou de um treinamento de três semanas no centro da Academi em Moyock, na Carolina do Norte. O curso foi bancado pelo governo dos EUA e faz parte de uma série de ações de intercâmbio entre as forças policiais dos dois países. Através desses cursos, a CIA faz o trabalho ilegal de cooptar agentes entre os melhores policiais estrangeiros.

O treinamento “Interdição Marítima de Terrorismo” teve instrutores militares reformados, Navy Seals [força especial da Marinha] e membros da guarda costeira dos EUA.

O objetivo: “segurança portuária com foco em como terroristas operam em ambiente marinho e como reconhecer ameaças e mitigá-las quando necessário”, segundo informa em seu site a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, que organizou o intercâmbio.
COOPERAÇÃO MILITAR

Segundo o governo americano, esse treinamento é apenas um entre diversos programas de cooperação militar. “O governo americano gastou cerca de US$ 2,2 milhões nos últimos dois anos em cooperação com as polícias do Brasil para megaeventos”, disse um funcionário do governo americano à imprensa.

A Academi foi escolhida porque tem um centro de excelência, dizem os americanos. A empresa mudou sua diretoria e não é mais a Blackwater, acrescentam, tentando despistar a opinião pública sobre a realidade das ações terroristas que esses mercenários executam em diversos países do mundo.

Segundo o tenente Nogueira, os americanos têm “know-how” de explosivos improvisados, ataques químicos e biológicos. No treinamento dos brasileiros também estavam militares da Índia e da Indonésia e “rangers” (membros de elite do Exército dos EUA).

A Blackwater foi a principal empresa terceirizada a fornecer serviços de segurança para o governo americano nas guerras do Iraque e Afeganistão e já treinou integrantes do exército afegão.

A Secretaria de Segurança para Grandes Eventos (do governo brasileiro) diz que o programa foi uma parceria com a Embaixada dos EUA, ofertada por agentes do Regional Security Office -Agência de Segurança Regional da embaixada. Segundo a secretaria, “não houve indicação prévia de que haveria terceirização dos instrutores.”

One thought on “Mercenários americanos da antiga Blackwater treinam policiais brasileiros para a Copa do Mundo

  1. Outro dia foi uma “empresa” israelense de segurança, agora essa aí. E assim vão se introduzindo, fazendo amigos e obtendo INFORMAÇÕES. Parece que nossos militares não conseguem aprender aqui dentro nem técnica de expiosivo improvisado. Continuam precisando deles como no tempo da Escola das Américas que era sediada no Panamá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *