Michel Temer diz que fica, mas a bancada do governo já não acredita

Resultado de imagem para michel temer não renuncia charges

Charge do Kacio (kacio.art.br)

Pedro do Coutto

Enquanto em artigo na Folha de São Paulo deste domingo o presidente Michel Temer diz que permanecerá no cargo até dezembro de 2018, a sua base parlamentar no Congresso – reportagem de Carolina Alencastro, Cristiane Jungblut, Fernanda Krakociks e Júnia Gama, O Globo – não acredita na hipótese. Tanto assim que deputados e senadores passaram a articular a aprovação das reformas, acentuando que elas independem da permanência do presidente no cargo. Em síntese, o que os líderes da bancada do governo quiseram tornar público é que Michel Temer não é o dono do destino das reformas trabalhista e previdenciária; deixaram claro que duvidam da permanência do presidente da República até dezembro do próximo exercício.

De fato, a permanência de Michel Temer torna-se cada vez mais remota, como os fatos políticos assinalam, entre eles o desembarque de aliados da nave do poder. Um dos exemplos também é o do senador Eduardo Lopes, suplente de Marcelo Crivella, que em nome do PRB afirmou que o partido não tem posição oficial a respeito do tema. TRANSIÇÃO – O PMDB, por seu turno, busca uma fórmula de permanecer na equipe do governo seja com ou sem Temer. O impasse entre a sustentação oferecida pelo PMDB e o seu propósito de sobreviver À crise está marcado pela permanência do senador Renan Calheiros como líder do partido no Senado Federal.

O PSDB, através de seu líder na Câmara Ricardo Trípoli, afirma que ainda apoia o presidente, mas que seu futuro é incerto. O senador Ronaldo Caiado, líder do DEM, propôs à Executiva Nacional que o partido desembarque do governo. A única legenda que aparenta firmeza ao lado de Temer é a do PP.

De modo geral, os partidos que se encontram em dúvida estão à espera da decisão do TSE marcada para 6 de junho, quando decidirá se anula ou não os mandatos de Dilma Rousseff e Michel Temer, de acordo com os resultados das urnas de 2014.

APENAS TEMER – Dilma Rousseff já sofreu o impeachment, portanto seu mandato não se encontra em jogo. Como só se encontra em jogo o mandato de Michel Temer, obtém-se  a certeza de que a investidura do vice ocorreu simultaneamente à investidura da ex-presidente. Pois se o Tribunal Superior Eleitoral achasse o contrário não haveria razão para o julgamento de 6 de junho. Assim a tese de Michel Temer de que suas contas de campanha eram desvinculadas das contas de Dilma foi basicamente rejeitada.

O SUCESSOR – As articulações para a escolha do substituto de Temer já incluem principalmente os nomes de Fernando Henrique Cardoso e Tasso Jereissati. Entretanto, em entrevista a Miguel Caballero, O Globo, o ex-prefeito Cesar Maia disse que seu filho  Rodrigo Maia, se conseguir aprovar as reformas que se encontram na Câmara Federal, ganhará destaque e pode ter seu nome cogitado para a presidência. Cesar Maia afirmou não acreditar na vitória do PSDB nas eleições indiretas.

##
JBS DEVE 18 BILHÕES DE IMPOSTOS

Alexa Salomão e Josette Goulart, em reportagem no Estado de São Paulo, revelam que a JBS dos irmãos Joesley e Wesley Batista têm uma dívida a curto prazo no Brasil e no exterior da ordem de 18 bilhões de reais. Para o banco JPMorgan, a maior produtora de carne do mundo deve perder até 30% de seu mercado.

Parte da dívida é em dólar outra parte em real. Na parte em real inclui-se o débito de 1 bilhão e 800 milhões para com a Previdência Social. Neste caso não se compreende porque, através do INSS, o governo não cobra tal dívida. O governo fala em reforma da Previdência, mas não se refere ao resgate do que devem as empresas ao sistema previdenciário.

2 thoughts on “Michel Temer diz que fica, mas a bancada do governo já não acredita

  1. Pingback: Temer diz que fica, mas a bancada do governo já não acredita – Debates Culturais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *