Michel Temer se acovardou e saiu às pressas, sem dar entrevista aos repórteres

AFP

Temer saiu acelerado, por temer as perguntas

Jorge Béja

O pronunciamento deste sábado de Michel Temer e que foi transmitido ao vivo por todas as emissoras de televisão que formaram rede, foi um tremendo fracasso. Temer falou por 13 minutos. Falou sozinho. Temer parecia marionete. Por que não se sujeitou a ser entrevistado pelos jornalistas presentes? Medo, eis a resposta. Medo de ser confrontado. De ser pego em mais mentiras. Medo de não saber o que responder. Temer se serviu de uma rede nacional de rádio e televisão para desmerecer o pedido de abertura de inquérito policial feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e aceito pelo Supremo Tribunal Federal, por decisão monocrática do ministro Edson Fachin.

Temer, baseado em reportagem do jornal Folha de São Paulo – e não mais que isso – disse que a gravação foi editada. Que ela não é inteira. Que recebe qualquer brasileiro, a qualquer dia e hora, que queira falar com ele. Por isso recebeu o empresário Joesley Batista, da JBS, um brasileiro como outro qualquer que contou uma porção de, digamos, “lorotas”…

PEDIDO AO SUPREMO – Temer disse que está pedindo ao “colendo Supremo” a suspensão do inquérito policial para que uma perícia seja feita na gravação. Quanta bobagem! Ainda mais dita por um presidente-jurista. Inquérito policial não se suspende, senhor Temer. Inquérito policial ou é arquivado exclusivamente por ordem do juiz, ou com base nele o promotor público oferece ou não denúncia contra quem for no inquérito indiciado.

Mesmo se pudesse empregar a analogia do Código de Processo Civil, que permite a suspensão do curso de um processo cível, durante a suspensão nenhum ato processual pode ser praticado pelas partes. Portanto, durante a pretendida suspensão que Temer está pedindo ao ministro Fachin, a perícia que ele quer realizar não poderá ser feita, porque o inquérito estaria suspenso. Acontece que, para uma perícia judicial ser feita, em inquérito ou em processo, penal ou civil, é preciso que o processo ou o inquérito esteja em andamento. Ou seja, não esteja suspenso. Temer, vá estudar as leis processuais.

DENEGRINDO JOESLEY – E ainda: Temer neste sábado abusou de denegrir a imagem do empresário. Justamente daquele que Temer recebeu no subsolo do palácio do Jaburu, bem tarde da noite, sem audiência marcada, sem revista na entrada, tudo na residência oficial da presidência da República, para ouvir o relato de um monte de crimes que Joesley & Cia praticaram ao longo dos anos e continuam a praticar.

O pronunciamento deste sábado de Michel Temer o afundou ainda mais. Seria infinitamente menos danoso se Temer tivesse recebido o Beira-Mar e dele ouvisse o relato dos crimes que praticou e depois se despedisse deste outro meliante, sem mais. Afinal, Temer disse que está de portas abertas para receber qualquer brasileiro, sem qualquer formalidade. Quanta empulhação!

7 thoughts on “Michel Temer se acovardou e saiu às pressas, sem dar entrevista aos repórteres

  1. Temer segue conselhos muito ruins. Ou tem ideias péssimas. Esse ataque a gravação ficou vergonhoso, pois está comprovado a sua veracidade e autenticidade. Belo “tiro no pé”. Se a situação dele já era insustentável, agora está insuportável.

  2. Temer, mal assessorado, ainda mais por corruptos e desonestos que são seus ministros, demonstrou o quanto está sendo idiota e imbecil neste caso!

    Pouco se me dá se o áudio é válido ou não, a questão é que existem vídeos com o Joesley delatando pormenorizadamente a distribuição das propinas, e Temer está incluso!

    Independente de a fita ter sido ou não adulterada, o paspalho confirmou a ida do empresário sonegador ao palácio Jaburu tarde da noite, e que manteve com este uma conversa nada republicana, pelo contrário, um papo de criminosos, de corruptos e desonestos!

    Temer deveria ali mesmo dar voz de prisão ao malfeitor, e não ter lhe dado ouvidos quanto às medidas que tomava para manter calado Cunha e o outro crápula do PMDB, o tal de Funaro.

    Ora, a confissão que fez, de que atendeu ao larápio, atesta o seu envolvimento indiscutivelmente como um dos tantos parlamentares e políticos que viviam à base de dinheiro roubado, pois o dono da Friboi confessou que desde 2010 Temer recebe dinheiro desta organização!

    Temer é covarde, conforme escreveu o dr.Béja, e se comporta nos mesmos moldes de Lula, pouco se importando que arrasta a sua família para a lama!

  3. Um vexame. Não deveria ser um pronunciamento, mas uma entrevista, para responder claramente. Começou tudo errada. O Josley Batista entrou pela garagem, dizendo-se Rodrigo, na calada da noite, pelo que sei.
    Ontem, li no FACE de Hélio Fernandes:

    “18 horas em ponto. Temer está reunido com generais. Não está preso.Mas mandaram chamar Maia e dona Marcela.
    . Muito estranho.”

    Hoje fiquei sem entender nada, achando tudo mais estranho ainda. Que foram fazer os generais lá? Por que foram chamados Maia e Marcela?
    Achava que ele iria, hoje, renunciar.

    • Dr. Béja, copiei para colar no meu FACE, com um sentimento de que você não vai se opor. Se eu estiver enganada, apago o texto lá. Mais pessoas precisam ler para entender os acontecimentos atuais. Boa noite. Obrigada.

  4. Caro Dr. Béja,

    Bravíssimo!

    Quando da execução do projeto de “pátria grande” – nas palavras do Rasputin Imberbe [royalties para o Carlos Newton], seriam “20 anos de poder…” – acólitos e camarilha da ex-presidente-impedida e do seu antecessor tinham esses empresários e respectivos grupos econômicos (empreiteiras, XXXs, indústrias da proteína animal etc.) como verdadeiros “fenômenos”, sinais de “orgulho” e de suposto “progresso” sócio-econômico que o país alcançava…

    Neste momento, em que esses “luminares do empreendedorismo” querem fugir da cadeia, ao tempo em que conservam em seus patrimônios o que foi aquinhoado ilicitamente, suas palavras como “delatores” já não tem o mesmo peso de outrora… notadamente de quando seus “grupos” [ORCRIMs, segundo decisões em procedimentos de diversas instâncias judiciais] recebiam bilhões e bilhões do governo. Há, inclusive no STF, uma corrente que sustenta a falta de credibilidade desses meliantes, os quais não poderiam emitir “atestado de honestidade” por serem “corruptos notórios”…

    Ontem, “orgulhos nacionais” com trânsito em várias esferas estatais. Hoje, “criminosos” cujas “delações” maculam “reputações ilibadas” de agentes públicos e a imagem de “instituições” no Executivo, Legislativo e Judiciário. Assim é que, afrontando a inteligência da população, o atual titular da Presidência segue o mesmo estratagema de defesa de sua antecessora. Para ele, o antigo “empresário-benfeitor” [foram muitas “contribuições de campanha”, de caráter “filantrópico”, para promover a “cidadania”, o “regime democrático”…], agora não passa de “falastrão” e partícipe de uma “conspiração”.

    O ainda-titular da Presidência está num mundo em que os “malfeitos” em questão nada tem a ver com o caos na Saúde, na Educação, na Segurança, na falta de comida em tantas mesas Brasil afora… Certamente, tamanha empulhação há de estar acompanhada de total falta de escrúpulos!

    Cordiais Saudações,
    Christian.

  5. Prezado Dr. Jorge Béja
    Desconsiderando a questão política que realmente deixa o Presidente Temer numa situação insustentável, mas dentro estritamente da questão juridica, eu lhe pergunto se dentro da legislação, principalmente do código de processo penal, é válida esse tipo de prova, da gravação de conversa entre 2 pessoas, sem que haja concordância de ambas.
    Pergunto isso, pois ouvi que só seria válida se o autor das gravações tivesse que provar que é inocente dentro de uma acusação ou então que está sendo vitima de chantagem. Nenhuma dessas situações se aplica ao caso. Além disso, numa das matérias se fala que o acordo foi só com o Ministério Público, não teria sido necessário uma autorização de um ministro do Supremo, já que se tratava da figura do Presidente da República?
    Ainda que isso tudo tenha servido para desmascarar um Presidente da República, mas ao mesmo tempo beneficiar um escroque que ficou bilionário(talvez o empresário mais rico do país) a custa de muita maracutaia com o poder público, temo que esse modo de agir das autoridades policiais e judiciarias estejam jogando o Brasil dentro de um regime fascista em que ninguém(principalmente agentes públicos) poderão falar absolutamente sobre nada(até mesmo porque também já existe a ditadura do politicamente correto).
    Considerando ainda que o Brasil é um país com legislação concebidas dentro da lógica da criação de dificuldades para venda de facilidades, essa estrutura toda dentro desse ambiente policialesco vai travar de vez o desenvolvimento do Brasil. A não ser que fizessem uma nova Constituição e novas legislações que diminuíssem drasticamente o Poder do Estado sobre a Sociedade. MAS TUDO QUE OS FASCISTAS NÃO QUEREM É EXATAMENTE ISSO!

  6. O que é o Brasil?
    Visto a partir do seu sistema eleitoral (e esse é fundamental, porque é dele que emergem as figuras que nos “governam” e decidem nosso futuro), é simples.

    Com um montão de dinheiro, os personagens são eleitos. Quanto maior o cargo, mais dinheiro é necessário. Quem dá o dinheiro são os empresários interessados em manter o status quo ou alterá-lo a seu bel prazer. Como não têm bola de cristal nem preferência política sob o ponto de vista ideológico, os empresários colaboram com todas as campanhas, com todos os partidos.

    Os eleitos para o Executivo, têm nas mãos, não uma caneta, mas um canetão. Um canetão cheio de tinta, capaz de nomear dezenas de milhares que lhes interessar e interessar ao que lhes apoiam. E capaz de vetar o que o Legislativo aprovar, se bem que sujeitos a derrubada desses mesmos vetos. Mas, aí, é necessário um quorum especial… a coisa complica. Acordos são desfeitos e refeitos. É um momento que o Legislativo brilha e adora. Mais verdinhas podem chegar ao seus bolsos.

    Os deputados e senadores, se não têm um canetão, é certo que dispõem de canetas, que se arraigam de suas Câmaras até o mais longínquo e pobre município do país. Não vamos nos esquecer que é preciso dinheiro para atender as necessidades da população das cidades. Os municípios, no Brasil, vivem à míngua. E isso não é uma situação pontual: faz parte do sistema fortalecer o poder central. Mas isso é outra história.

    No papel, na Constituição, também chamada de Carta Magna, Lei Maior e outras metáforas (ou seriam eufemismos?), tudo muito bonito. O sistema funciona muito bem, é tudo legal e legítimo.

    Na prática, com mínimas defecções, é a mesma escumalha que se elege e reelege, sempre alimentando os sonhos da população. Esta é mantida sob um grau de conhecimento controlado. Se souber muito, não vota nos candidatos do Poder.

    E quem são os donos do poder? O povo?

    Ah, isso é uma brincadeira que está escrita na Carta Constitucional (outro nome que se dá para aquela Lei Maior).

    Os políticos, seriam eles os donos do Poder?

    Não, também, não. São apenas despachantes, muito bem pagos, em geral, mas apenas despachantes.

    Os verdadeiros donos do Poder são os Joasley e Wesley, as Odebrecht et caterva.

    Como e quando poderemos mudar isso se não aparecem no horizonte político atores capazes de liderar movimentos pela Reforma Total?

    Quais instituições da República merecem reconhecimento pela população, hoje em dia? É nelas que está a possibilidade de ressurreição?

    Tenhamos cuidado com os Salvadores da Pátria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *