Miliciano ligado a Flávio Bolsonaro foi alvejado a curta distância e tese de queima de arquivo é reforçada

Ex-capitão da PM morreu baleado com dois tiros

Deu na Folha

Imagens do corpo do ex-capitão da PM Adriano da Nóbrega, ligado ao senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), indicam que ele foi morto com tiros disparados a curta distância, segundo reportagem da revista Veja.

A publicação teve acesso a fotos feitas após a autópsia do ex-policial, morto em Esplanada (BA), no último domingo, dia 9, que mostram que ele também tinha um ferimento na cabeça e uma queimadura no lado esquerdo do peito. Apontado como chefe de milícia no Rio, Adriano morreu baleado com dois tiros, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública da Bahia. As perfurações causaram lesões no tórax, no pescoço e na clavícula, além de quebrar sete costelas.

“RACHADINHA” – Homenageado duas vezes na Assembleia Legislativa do Rio pelo hoje senador Flávio Bolsonaro, Adriano é citado na investigação que apura a prática de “rachadinha” (esquema de devolução de salários) no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro. O miliciano teve a mãe e a mulher nomeadas para cargos quando Flávio era deputado estadual no Rio.

Dois especialistas ouvidos pela Veja analisaram as imagens obtidas pela revista. Embora ponderem que uma avaliação mais precisa dependa da análise do corpo, eles consideram haver indícios de que Adriano tenha sido atingido a curta distância.

BEM PRÓXIMO – Um médico legista da Universidade de Brasília, Malthus Galvão, afirmou que marcas vermelhas próximas da região do peito indicam que o disparo teria ocorrido a uma distância de no máximo 40 centímetros, considerando um revólver ou uma pistola.

Uma outra marca de tiro na região do pescoço, afirmou o especialista, pode ser decorrência de um disparo feito após a vítima ter caído no chão. Uma hipótese mencionada pela reportagem sobre a queimadura é a de ter sido provocada pela boca de uma arma de cano longo após um tiro.

Um outro legista ouvido pela Veja, sob condição de anonimato, analisou as imagens e afirmou que o tiro na lateral do corpo do ex-capitão provavelmente foi dado quando o miliciano estava com os braços erguidos.

OPERAÇÃO POLICIAL – Foragido havia mais de um ano, Adriano foi alvo no domingo de uma operação conjunta das polícias baiana e fluminense. De acordo com as autoridades da Bahia, ele foi atingido em meio à troca de tiros e foi levado a um hospital da região, mas não resistiu.

As circunstâncias da morte expõem uma série de dúvidas sobre a rede que deu suporte a Adriano e sobre a própria versão oficial da morte dele. Técnicos do Departamento de Polícia Técnica da Bahia farão perícia no escudo à prova de balas utilizado na operação policial. Em depoimento, os policiais que participaram da ação relataram que o escudo evitou que dois disparos de arma de fogo os atingissem.

31 thoughts on “Miliciano ligado a Flávio Bolsonaro foi alvejado a curta distância e tese de queima de arquivo é reforçada

  1. Olha o título, “miliciano ligado a Flávio Bolsonaro”, percebe-se mesmo que é a Esquerda querendo atingir diretamente o presidente Bolsonaro.
    Se fosse matéria sobre o Celso Daniel não colocariam um título ligando ele aos prováveis responsáveis (sempre citados na Mídia) por sua morte.

  2. -Rapaz, como a imprensa gosta de inventar:

    -A manchete AFIRMA “Miliciano ligado a Flávio Bolsonaro foi alvejado a curta distância e tese de queima de arquivo é reforçada”.
    -Com o título, você acredita que lerá no conteúdo os fatos que levaram ao título da matéria e que confirmaram a execução. Mas aí, a sujíssima sai pela tangente e o que, inicialmente, disse em manchete que era CERTO, passa para o campo da apenas da POSSIBILIDADE, da “hipótese”, tal qual a hipótese da vida aqui na Terra ter surgido em Marte e caído grudada em meteoritos:

    “…PODE ser decorrência de um disparo…”
    “…Uma HIPÓTESE mencionada pela reportagem …”
    “…PROVAVELMENTE foi dado quando o miliciano estava com os braços erguidos…”

    E, ao final, a revista tira o corpo fora logo de uma vez:

    “Embora ponderem que uma avaliação mais precisa DEPENDA da análise do corpo…”
    -Lógico que é preciso examinar o corpo!
    -Quer dizer que os tais “peritos criminais” não examinaram o cadáver, têm consciência que um exame médico-legal precisa do cadáver e um exame pericial precisa ser feito no local e, mesmo assim, ainda deram palpites?
    -Por que nenhum dos tais “especialistas” fundamentou com elementos materiais (vestígios materiais) os palpites na reportagem para melhor compreensão dos leitores?
    -Teria sido medo de serem contraditos no futuro pelos peritos criminais verdadeiros que examinaram o local e o cadáver no seu contexto?

    Acredito que eles, assim como muitos MÉDICOS INCOMPETENTES, tenham medo do Doutor Google e que os leitores encontrem na internet informações técnicas que poderão contradizê-los! Pois bem, aqui estão algumas delas:

    TIRO ENCOSTADO
    Tiro encostado é aquele em que a boca do cano da arma se apoia no alvo, possibilitando que a lesão seja produzida pela ação do projétil e dos gases resultantes da deflagração da pólvora.
    O orifício de entrada é irregular, amplo, e em regra, maior do que o diâmetro do projétil que produziu. Quando o local atingido pelo projétil tem um plano ósseo subjacente, os gases, que penetram juntamente com o projétil, ao encontrarem uma estrutura mais rígida, batem e retornam, formando a boca de mina ou mina de Hoffman,e queimam diretamente os tecidos ou ossos adjacentes. Nos tiros encostados não há, em geral, zona ou orla de esfumaçamento e de tatuagem na pele, feita pelos grãos de pólvora, incandescentes. Quando não tiver plano ósseo subjacente, a pele recua, mas não se rompe da mesma forma e os gases se adentram pelo orifício/cavidade.

    TIRO A CURTA DISTÂNCIA
    Tiro a curta distância é aquele desferido contra alvo situado dentro dos limites da região espacial varrida pelos gases e resíduos de combustão da pólvora expelidos diretamente pelo cano da arma.

    A distância na qual é possível identificar, de forma segura, os resíduos que caracterizam o tiro a curta distância, não pode ser limitada por parâmetros rígidos, pois dependerá do tipo de pólvora que integrava o cartucho, do tipo de arma que produziu o tiro, e em especial, do comprimento do seu cano. Quando aparece junto do orifício de entrada, além da zona de esfumaçamento, com crestação de pelos e cabelos, apresentar queimadura na pele, alterações estas produzidas pela elevada temperatura dos gases, considera-se essa forma de tiro como sendo um “tiro à queima-roupa”.
    “Nota-se que o tiro a curta distância, bem como sua subespécie, o tira à queima-roupa, não delimitam uma distância exata, seja em centímetros, seja em metros, para serem considerados tiro a curta distância ou tiro à queima-roupa, o que tem de ser levado em consideração são os efeitos secundários acarretados pelo tiro, através das manifestações dos resíduos de combustão ou semicombustão da pólvora e das partículas sólidas do próprio projétil expelido pelo cano da arma.
    Pela análise da zona de tatuagem, a perícia pode determinar a distância exata do tiro, usando-se a mesma a arma e a mesma munição em vários de tiros de prova, até alcançar uma zona de tatuagem do mesmo diâmetro que o original.”

    TIRO DISTANTE
    O orifício de entrada é habitualmente menor do que o diâmetro do projétil. Estarão presentes apenas a orla de contusão e o halo de enxugo de sujeita do projétil, feitos quando da sua entrada no corpo. Os demais elementos de vizinhança não podem ser, absolutamente, encontrados. São todos os disparos estão a distancia tal que imprimem no cadáver apenas os dois elementos materiais produzidos pelo projétil.
    “Nota-se que os sinais do tiro a distância diferem dos tiros a curta distância em alguns pontos específicos, diâmetro menor que o do projétil, e não possuem os efeitos secundários.
    Extrai-se desse conceito que não será possível precisar a distância do atirador (boca do cano da arma) para com a vítima (ponto de impacto/lesão), essa distância sempre irá sofrer alteração de disparo para disparo, levando em consideração diversos fatores, dentre eles o calibre do armamento utilizado, a composição da munição, dentre outros.”

    Fonte: Importante e muito bem descrito artigo sobre esse assunto que vale a pena conhecer:

    https://garagemdodireito.jusbrasil.com.br/artigos/612528129/a-balistica-forense-e-sua-importante-relacao-com-o-ordenamento-juridico

    Abraços.

    • -Vai ser divertido ver a polícia baiana ser investigada!

      Fica obvio que o secretário de segurança e o governador, com certeza, têm envolvimento na execução, pois são os comandantes diretos dos policiais executores. A ordem fatal partiu deles e veio de cima para baixo na cadeia de comando.
      -Será preciso, inclusive, chamar essas pessoas (policiais que participaram da execução, o secretário de segurança e o governador) para prestarem esclarecimentos na Câmara, tal como já fizeram o Guedes, o Moro e muitos outros do atual governo.

  3. Um ex-bope, chefe durante anos de uma milícia chamada “escritório do crime”, especializada em matar, enfrenta um cerco do bope da Bahia de pé na sala com apenas uma pistola, de peito aberto sem colete, se achando o matrix?
    Aguardando arrombarem a porta e entrarem de escudo com fuzis e atirando? Ele conhece os procedimentos.
    Atirou quantas vezes? Só duas? E se atirou mais cadê as fotos com as marcas de bala dentro da casa? E o tiroteio quando o bope chegou? Não aparecem tiros na fachada da casa nem nas janelas?
    O PT já foi melhor no caso Celso Daniel. Em São Paulo são mais eficientes.

  4. Certamente o povo não tem a menor ideia das intenções político-partidárias no Brasil.

    Após a ascensão de Lula ao Planalto, assistimos estupefatos que havíamos sido logrados pelo PT que, incorruptível e anticorrupção, mostrou-se escancaradamente ao contrário:
    CORRUPTO E CORRUPTOR como jamais se viu algo semelhante na história moderna!

    A perda das eleições petistas para Bolsonaro significou não só a saída do Planalto, apear do poder central mas, principalmente, o rombo brutal nas contas do PT em termos de receita.

    Ora, ora, se Celso Daniel foi calado supostamente porque iria denunciar o PT pelo esquema nas tarifas de ônibus, e no início do advento petista, imaginem com este prejuízo imenso com as fontes secas de dinheiro atualmente, que seguiriam sendo desviado para o partido e bolso de seus dirigentes e líderes mais conhecidos??!!

    Dito isso, a morte desse ex-capitão cheira mal.

    Uma vez que Flávio Bolsonaro tem contra si as acusações de rachadinhas quando era deputado estadual pelo RJ, e este ex-militar frequentava o gabinete com desenvoltura e à vontade, a morte desse possível delator viria a calhar para mais ainda pairar sobre as cabeças dos Bolsonaro as dúvidas sobre o vínculo com milianos, o assassinato da vereadora do Psol ainda sem se saber o autor deste crime, enfim, a oposição iria se refestelar com esse episódio.

    Sobretudo pela forma como foi morto Adriano, com tiro à queima-roupa, para dar mesmo a entender que fora queima de arquivo.

    Muitas obviedades, sinais visíveis que, se fosse comandado pelos Bolsonaro, evidente que os assassinos não seriam tão amadores ou estabanados.

    Penso que neste mato tem coelho, e não são apenas láparos, porém muitos animais predadores que são rápidos como as lebres, mas que deixam pegadas na terra porque suas patas traseiras são grandes!

    O ódio que o PT, PCdoB, PCB, PDT, e demais partidos da oposição nutrem por Bolsonaro, chancelam a minha tese acima com muita verossimilhança com este acontecimento não ter sido disparado pelos Bolsonaro, mas por partidos e pessoas que jamais admitiram a sua eleição, muito menos a perda de dinheiro antes facilmente roubado!

  5. O que eu posso lhes garantir é que o sistema político podre, usa, abusa, até o instrumento dele$ virar bagaço, e depois ele$ o atiram no lixão da história do Brasil ou no cemitério, como fizeram inclusive com a famigerada ditadura militar, que, não obstante aparente morta e atirada no lixão, agora está dando um soluço com o Bolsonaro, um dos filhos indesejáveis da dita-cuja, rejeitado e expulso por ela da farda, sob a fantasia de reformado, com direito a uma patente de capitão a moda cala boca, que funcionou como jogar o sapo n’água, da farda direto para a politicalha carioca, mais suja do que pau da galinheiro, onde cruzou com muitos outros pares tb jogados para fora da farda, entre eles o capitão Adriano, mãe, mulher… Aliás, o fato se deu na Bahia onde o governador é do PT, mas a polícia militar de , como em outros estados, à evidência, não é petista.

    • Eis porque Lula foi o “selecionado”, para sua desmanteladora e apátrida missão!
      L=12=2
      U=21=2
      L=12=2
      A= 1=1
      ======
      46X7=322
      Coincidentemente 322 é o número da Sociedade Secreta Caveira e Ossos.
      ““Bush é um adepto em uma Sociedade Americana de Irmandade da Morte, a Skull and Bones [Caveira e Ossos], que existe na Universidade de Yale. Como mencionamos anteriormente, a Nova Ordem Mundial de Bush é virtualmente congênere à de Hitler; o ponto de conexão-chave é a participação comum em suas respectivas Sociedades de Irmandade da Morte. [Bill Cooper, Behold a Pale Horse (leia a resenha), pág. 81; Anthony Sutton, Introduction to the Order, pág. 7] O símbolo da Caveira e Ossos é também uma caveira com dois ossos cruzados, mas com o misterioso número ‘322’ embaixo.”
      https://www.espada.eti.br/n1314.asp

  6. Aprendemos em administração que sempre devemos manter o foco no problema, foco na solução.

    Tudo o que falarmos, para mim, fica quase dispensável, se respondermos uma só pergunta:

    Por que ele foi morto na operação?

    Não sou policial, especialista, politico, jornalista ou qualquer titulo que me habilite, mas chamo a razão óbvia , para analisar:

    Um elemento sozinho, no sertão, numa casa frágil, sem qualquer tipo de defesa externa, sem comida, sem rota de fuga…….

    cercado por dezenas de preparadíssimos policiais

    Chance de fuga zero ou negativa

    Elemento acostumado a confrontos, perigossimo, com varias acusações de mortes, vai enfrentar a policia que ele tao bem conhece com uma pistola ???

    E a policia, naõ bastava fazer o cerco e esperar???

    Uma hora, um dia, uma semana, um mês, ele teria que se entregar

    sem comida, sem água (nos sequestros e assaltos se corta a luz e água, vi nos filmes) sem remédios, sem comunicação , com pouca munição o que faria???

    Obviamente negociar sua rendição

    Por que o cerco não ocorreu??

    esta é a pergunta crucial??

    Quem deu a ordem para invadir e por que???

    Ainda alguém pode imaginar que Bolsonaro e cia iriam queimar um arquivo no interior da Bahia, usando a policia?

    por que nao desaparecer quando estava aqui no Rio??

    Se a família Bolsonaro não eliminou Queiroz, por que eliminaria Adriano??

    repito:

    Quem deu a ordem para eliminar um homem cercado e sem a minima possibilidade de fuga ou enfrentamento??

    Esta é a pergunta

  7. Prezado duarte,

    Sua pergunta-observação é pertinente , e receio que esta fique sem resposta, tal qual o caso do assassinato da vereadora Marielle Franco, e por motivos semelhantes : tem gente muito graúda envolvida nos dois assassinatos. Deixe-me reproduzir a sua pergunta e depois irei comentá-la:

    “Um elemento sozinho, no sertão, numa casa frágil, sem qualquer tipo de defesa externa, sem comida, sem rota de fuga…….

    cercado por dezenas de preparadíssimos policiais

    Chance de fuga zero ou negativa

    Elemento acostumado a confrontos, perigossimo, com varias acusações de mortes, vai enfrentar a policia que ele tao bem conhece com uma pistola ???

    E a policia, naõ bastava fazer o cerco e esperar???

    Uma hora, um dia, uma semana, um mês, ele teria que se entregar

    sem comida, sem água (nos sequestros e assaltos se corta a luz e água, vi nos filmes) sem remédios, sem comunicação , com pouca munição o que faria???

    Obviamente negociar sua rendição

    Por que o cerco não ocorreu??

    esta é a pergunta crucial??

    Quem deu a ordem para invadir e por que???

    Ainda alguém pode imaginar que Bolsonaro e cia iriam queimar um arquivo no interior da Bahia, usando a policia?

    por que nao desaparecer quando estava aqui no Rio??

    Se a família Bolsonaro não eliminou Queiroz, por que eliminaria Adriano??

    repito:

    Quem deu a ordem para eliminar um homem cercado e sem a minima possibilidade de fuga ou enfrentamento??”

    MEU COMENTÁRIO:

    Ora, o ex-capitão do BOPE, do Rio de Janeiro, Adriano Magalhães da Nóbrega era bandido, assassino, chefe do Escritório do Crime, que era (e ainda é) escritório de milicianos.

    Podemos ver que para chefiar um Escritório do Crime e vários milicianos assassinos, logicamente ele não era burro ! Ao contrário, podemos inferir que ele tinha grande inteligência, a qual foi canalizada para o crime.

    Não é crível que ele tenha enfrentado um contingente de policiais sozinho, atirando com uma pistola contra dezenas de policiais após a porta da casa onde se escondia ser arrombada, o que seria sinônimo de suicídio. Se ele estivesse com a intenção de se suicidar, no caso, por exemplo de estar deprimido (uma das causas de suicídio), ele não se esconderia, já que tinha uma pistola, e poderia resolver o problema dando um tiro contra a própria cabeça. Mas não foi isso que aconteceu.

    Até porque, Adriano, um pouco antes de ser executado, rompeu o silêncio para com seu advogado e ao seu representante legal falou que se ele fosse encontrado pela polícia, iria ser morto como “queima de arquivo”, segundo relatos da imprensa, inclusive publicado na TI.

    A mim me parece que os mandantes do assassinato de Marielle, e agora o assassinato de Adriano Magalhães da Nóbrega, serão mais dois casos, entre milhares, no Brasil, que jamais serão esclarecidos.

    Pode-se, também, inferir que por trás dos dois assassinatos há bandidos de alto escalão na Administração Pública (incluindo tribunais, tipo tribunais de contas e políticos) que ordenaram as duas execuções. Jamais saberemos quem mandou assassinar e porque, tanto nos casos de Marielle e agora no de Adriano.

    • Os que mandaram matar Marielle e o Capitão também eliminarão o Advogado, que também sabe desses detalhes.
      Aguardemos. PS. Para salvaguardar a vida do Advogado, Sérgio Moro deveria ouvir o que tem a dizer e oferecer proteção.

  8. Caro Ednei agradeço seu comentário e contribuições

    Creio que estamos todos, no Brasil, acostumados a pratica lusitana-latina , de falar, flaalr, arrodear, discursar sem atacar os pontos centrais.

    È só ver conversa de politico, declarção de delgado, sentença de juiz etc etc

    Neste caso, creiuo que concordamos:

    Execução

    Pergunta:

    Quem, mandou e por que

    Neste caso deveria ser mais fácil se obter as respostas, pois os executores são conhecidos e são agentes públicos

    Então nao necessitamos perder dois anos procurando autores.

    Eles estão claramente identificados

    Onde está a apuração interna da policia?
    O que cada envolvido declarou?

    Quem tem o argumento mais frágil??

    Quem deu a ordem direta no local?

    Com ordem de quem??

    Deveria ser mais facil de responder que o de Marielle.

    È só apertar o botão certo que a descarga sai

    abraços

    • Aí este blog já quer sequestrar a narrativa a seu favor. Ouviu dizer que… sempre a mesma ladainha com o álibi do sigilo da fonte. Já encheu o saco essa tática jornalística calhorda.
      Quem executou foi concretamente e incontestavelmente o bope baiano, comandado por um secretário de segurança indicado pelo governador Rui Costa do PT. Ponto.
      O resto é ladainha.

  9. Sem entrar no mérito da questão. O fato é que Adriano falou ao seu advogado, que não adiantava entregar-se, porque a operação não era para prender, mas para matar, como queima de arquivo.
    Foi exatamente o que aconteceu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *