Militares exigem aumento salarial para participar da reforma da Previdência

Resultado de imagem para salario de militar charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Carlos Newton

A grande mídia não deu a menor repercussão à importante declaração do general Fernando Azevedo e Silva, ministro da Defesa, na última sexta-feira, dia 8, durante entrevista a Roberto D’Ávila na GloboNews. O único site a tratar do assunto foi o G1, da Organização Globo, que destacou a informação de que os militares podem ser incluídos na reforma da Previdência. O próprio Azevedo e Silva, ao tomar posse no início de janeiro, perante o presidente Bolsonaro e autoridades civis e militares, afirmara que a Forças Armadas não poderiam ser incluídas.

PROTEÇÃO SOCIAL – Na posse, o general argumentou que os benefícios dos militares deviam ser considerados como “proteção social” e não como “previdência”, mesma tese defendida pelo comandante da Marinha e outros integrantes da oficialidade.

Portanto, a nova declaração do ministro da Defesa significa que o enfoque militar está mudando. Aliás, o governo ainda não enviou a proposta ao Congresso, mas o secretário da Previdência, Rogério Marinho, já afirmou que o presidente Bolsonaro pretende que a reforma seja para “todos os segmentos”.

SACRIFÍCIOS – Segundo o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, a “ideia do segmento militar” era deixar para um outro momento as mudanças nas aposentadorias de militares. Mas na GloboNews a declaração do ministro Azevedo e Silva, foi de que os militares já fizeram “sacrifícios”, mas podem fazer “mais alguns” ao comentar a reforma da Previdência Social. Confiram sua fala:

“O mais importante é que o governo está vendo que todos façam sacrifícios, é hora. Mas eu, como ministro da Defesa, não tenho que ver o sacrifício de 1º de janeiro até hoje. Tenho que ver os sacrifícios anteriores que os militares fizeram ou contribuíram e, basicamente, vejo a Constituinte de 1987, a Constituição de 1988 e chegou em dezembro de 2000, no último dia de 2000, dormimos de um jeito e acordamos com a medida provisória 2215, que tirou vários direitos adquiridos nossos. Ali, a contribuição foi muito forte e sem debate”, afirmou.

FALTA DEBATER – Questionado, então, se o tema ainda tem que ser muito debatido, o ministro concordou: “Muito debatido, porque o sacrifício dos militares e da família militar já aconteceu. Podemos discutir mais alguns? Podemos”.

Em tradução simultânea, a situação está no seguinte patamar. Os militares já aceitam ser incluídos na reforma da Previdência, mas exigem a revogação da medida provisória de FHC e a equiparação de seus salários à remuneração dos ministros do Supremo.

E outra discussão dificílima será sobre a situação dos militares já reformados, que também vão exigir aumento das aposentadorias e isso vai dar um problema infernal.

###
P.S. 1-
Em resumo, a situação dos militares da ativa e da reserva é uma bomba-relógio que vai explodir no colo de Bolsonaro, como aconteceu no atentado do Riocentro, em 1981, que foi um protesto contra a anistia aprovada no governo João Figueiredo. 

P.S. 2- É justamente por isso que o próprio governo deveria determinar a realização de uma auditoria. Mas acontece que o ministro Paulo Guedes, ao invés de tentar salvar a Previdência Social, dedica todos os seus esforços para destruí-la e fortalecer a Previdência Privada, que não dá assistência à invalidez nem ampara a viúva e os filhos menores.

P.S. 3- “Afinal, que país é esse?”, perguntaria Francelino Pereira. E Renato Russo responderia: “É o paraíso dos banqueiros”. (C.N.)

12 thoughts on “Militares exigem aumento salarial para participar da reforma da Previdência

  1. Esta questão da auditoria deveria ser o primeiro passo a ser dado. É necessário fazer uma radiografia antes de atacar os problemas.

    Pode até ser que Guedes tenha feito uma auditoria e a esteja mantendo em sigilo, mas isso não é justo pois alguns setores inadimplentes seriam preservados em detrimento de outros e os bancos estão entre os preservados.

  2. A reforma da Previdência no que tange ao INSS é a maior covardia.

    Sistema de PENSÕES:

    a viúva ou viúvo receberá 60% da aposentadoria já minguada. E se já tiver aposentadoria só poderá acumular os dois até 2 ou 3 salários mínimos.

    Quer dizer, o cidadão se aposenta com o valor reduzido, ainda terá a pensão mais reduzida ainda e se tiver aposentadoria não receberá pensão.

    E isso aí otários. Meu voto foi contra tudo isso aí.

    O de vocês foi contra a corrupção…. kkkkk
    Tá todo mundo preso né?

  3. Muitos formam opiniões sem saber os detalhes. É o bombardeio preventivo. Vamos esperar as propostas, e aí então nos pronunciar. Por falar em opinião, acho lógico e cristalino que os maiores vetores dos desequilíbrios são os que devem ser mais modulados ou “sacrificados”. Isso inclui regra geral de idade e contribuição para todos; funcionários públicos civis e militares, judiciário e legislativo. Agora vejam: se a alíquota aumenta e o salário aumenta junto, como querem os militares, que esforço ou contribuição seria este?
    Paralelo a este assunto “recentíssimo,” vêm as leis para endurecimento contra os criminosos de todas as cores e tamanhos. Aí vem uma parte amestrada dizer que um projeto atropela o outro e que um ficará prejudicado. Quanto cinismo…. 513 deputados para passarem um ano discutindo dois conjuntos de leis? Isso é o cúmulo da ignorância e incompetência por parte deles ou então nossa. Acho que uma banca de 20 magistrados sérios fariam muito mais pelo país que a turma dos 513 que se dizem nossos representantes.

    • mpinho, concordo com você. Reforma da Previdência e Pacote anti-crime podem ser discutidos e analisados ao mesmo tempo e votados com celeridade.

      Fosse eu governo, colocaria pressão no congresso. Já prepararia a reforma tributaria, outros pacotes do Moro, reforma política e etc.

      Os 513 deputados e 81 senadores não tem tempo para estes projetos porque estão envolvidos em todo tipo de atividade que não é atividade parlamentar.

      Tem que diminuir mesmo o número de congressistas, está muito alto, é ineficiente, muita burocracia

      Sem contar que não trabalham de segunda a sexta, de 8 as 17 horas e custam uma fortuna a nação.

  4. todos sabem para que paulo guedes veio. Veio para dar mais dinheiro aos Bilionários banqueiros brasileiros, com seus juros sobre juros, cópia fiel do governo de tributa sobre tributo.
    Agiotagem está com a faca e o queijo na mão, e veremos mais uma geração perdida, porque daqui a uns 30 anos, teremos aposentados na frente do palácio do planalto, congresso, stf, pedindo para reformar a reforma da previdência.
    Mas até lá, milhões morrerão mendigando.

    • Paulo Guedes, não está indiciado pela gestão de bilhões, surrupiados dos funcionários da Estatais!???
      Foi convocado pela Força tarefa 4 vezes, e não compareceu, pera esclarecer w se defender, e o Bolsonaro nomeia para Ministro ou Sinistro da Economia, que o Congresso “barre esse crime hediondo a la Guedes”, o Trabalhador é explorado. Presidente, mire-se no Itamar Franco, o único Presidente pós ditadura, que afastava o denunciado, para se defender, se prova-se sua inocência, retornava, nenhum voltou!!! Presidente mire-se no Almirante Barroso: O Brasil espera que cada um cumpra seu DEVER. Que Deus-Pai te ilumine, para fazer o Brasil decente e justo, 57 milhões deram Voto de Confiança. Lembro uma frase de minha Avó, analfabeta: meus netos, confie desconfiando

  5. KKK e eu que paguei para me aposentar ganhando integralmente e hoje só recebo parcialmente, como fico? Preciso voltar a contribuir para o Governo pagar o que me deve? Deste jeito a “reforma” da Previdência nunca vai acontecer, quem paga não recebe pelo que paga. E os que não pagam querem aumento salarial para aí sim pagarem, só pode ser piada de quartel.

  6. “… os militares já fizeram “sacrifícios”, mas podem fazer “mais alguns” ao comentar a reforma da Previdência Social.”

    -Que tal começarem a pedir sacrifícios de quem ainda não fez nenhum, dentre os quais, em destaque, os ministros do Supremo e os sonegadores?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *