Ministério Público quer condenar a parceira de Youssef a 47 anos de prisão

André Richter
Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) pediu a condenação da doleira Nelma Kodama a 47 anos e 15 dias de prisão pelos crimes de evasão de divisas, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Nelma é considerada pelo MPF líder do grupo criminoso que operava no mercado negro de câmbio, por meio de empresas fantasmas, para abastecer o esquema do doleiro Alberto Youssef, que também está preso.

Nas alegações finais apresentadas quinta-feira ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, o Ministério Público defende que Nelma Kodama continue presa, por ter tentado corromper um delegado para ter acesso à investigação, e por ter planejado fugir às vésperas da deflagração da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, em março.

“Nelma Kodama seria uma grande operadora do mercado de câmbio negro, envolvida na prática cotidiana de operações do tipo dólar cabo, com remessas e internações fraudulentas de numerário. A soma da movimentação financeira de suas empresas de fachada teria atingido, segundo comunicações do Conselho de Controle de Atividades Financeira, cerca de R$ 103 milhões de reais só entre 2012 e 2013”, afirma o MPF.

A partir de agora, os advogados da doleira terão seis dias para apresentar a defesa. Em seguida, Sérgio Moro divulgará a sentença de Nelma Kodama.

3 thoughts on “Ministério Público quer condenar a parceira de Youssef a 47 anos de prisão

  1. Sem entrar no mérito desse YOUSSEF e desses políticos corruptos que infestamo país, 103 MILHÕES de dólares nos anos 2013 e 2014? E os grandes empresários que operam no comércio exterior, grandes clientes do mercado a cabo de dólares e euros, que subfaturam e superfaturam HÁ DÉCADAS e que CAUSARAM E CAUSAM prejuízos de BILHÕES IMPUNEMENTE à Receita Federal? Olha, gente, 103 milhões de verdes NÃO COMPRAM 15 (QUINZE) COBERTURAS de imóveis aqui na Avenida Vieira Souto, Ipanema, RJ. É merreca comparado ao que fazem as grandes empreiteiras brasileiras e que NINGUÉM OUSA MEXER. A propósito de merrecas e LAVAGEM DE DINHEIRO, aqui mesmo no Rio, na garagem do tubarão dos táxis ZÉ LUIZ na rua Amazonas, se lava dinheiro adoidado DIARIAMENTE, ao se cobrar 190 REAIS individualmente, SÓ COM GRANA VIVA, de 600 motoristas de táxis que pagam para poderem rodar nos táxis, sem mencionar a do Pascoal, em Benfica, que dizem no mercado ser associado ao político Cesar Maia, com mais carros ainda e outros tubarões mais. TODOS manjadíssimos e conhecidíssimos da Receita, dos MPs estadual e federal e protegidos por SEGURANÇAS ARMADOS, muitos dos quais POLICIAIS. Lavam ou não lavam dinheiro DESCARADA e IMPUNEMENTE? Agora, constatem a hipocrisia. Se qualquer um de nos MORTAIS retirar da própria conta bancária 10001 REAIS, embarcar num avião, que seja num voo doméstico, e não confessar ao padre, perdão, à PF no aeroporto, VAI EM CANA por LAVAGEM, por não ter se dado ao trabalho de entrar no site da Receita e confessar, sob risco de ser hackeado ou de se deparar com um agente de autoridade desonesto que combine com um cúmplice para uma saidinha no destino. Vale também para quem retirar igual montante de sua agência bancária e for pego numa batida policial de esquina a caminho de sua residência. E se comprar míseros 4800 VERDES, que hoje superam os 10 mil reais, POR ASSIM DESEJAR DISPOR COM LIBERDADE DO QUE LHE PERTENCE LEGALMENTE numa dessas casas de câmbio espalhadas e que vendem LIVREMENTE pelo Brasil, embarcar para um turismo de 10 dias num hotel de TERCEIRA no EXTERIOR para evitar pagar abusiva tarifa de 6.50% do cartão, sem CONFESSAR, VAI EM CANA TAMBÉM, PERDE A GRANA POR “EVASÃO DE DIVISAS” não embarca e é processado criminalmente MESMO, se for pego.

  2. “Inconsistência nas Despesas Médicas”… é o que sobra para a 3a. idade, aposentados, nas recorrentes intimações da Receita Federal, no tocante às devoluções do imposto de renda pago a maior, que se tornam uma via crucis, para serem recebidos, exigindo idas e vindas à contadores e juntada dos mesmos recibos de médicos, laboratórios, hospitais, tudo isso porque a Receita não aceita ou não acredita nos montantes pagos e declarados… e, bota tempo e paciência nisso, desmoralizando ainda mais o desmoralizado Estatuto do Idoso…
    Enquanto isso, bilhões de reais de recursos escusos trocam de mãos em um exercício fiscal, com o Leão se fazendo de morto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *