Ministro da Saúde faz jogo dos bolsonaristas radicais ao se dizer contra o uso de máscaras

Queiroga é um vassalo, que usa máscara, mas é contra…

Bruno Boghossian
Folha

Em sua segunda visita à CPI da Covid, o ministro da Saúde quis esconder o espírito negacionista que assombrava sua cadeira. Marcelo Queiroga admitiu que seu chefe dava maus exemplos e se encheu de orgulho para lembrar que havia editado “uma portaria obrigando o uso de máscaras” dentro da pasta. “Nós julgamos isso importante”, declarou.

Considerando os passos seguintes do ministro, a medida só valeu pela propaganda. Queiroga agora diz ser contra a obrigatoriedade das máscaras. Em entrevista ao canal ultrabolsonarista Terça Livre, nesta quarta (18), ele afirmou que o país tem “muitas leis” e que é melhor conscientizar a população. Ficou por aí.

TUDO ERRADO – O ministro vai contra a saúde pública ao fazer uma concessão barata à turma radical que apoia Jair Bolsonaro. Aliados do presidente gostam de levantar a discussão sobre a obrigatoriedade da máscara porque querem que o equipamento seja encarado como uma escolha pessoal e não um pacto da sociedade para frear a transmissão do coronavírus.

Queiroga não é contra máscaras, mas lança seguidos acenos a essa obsessão bolsonarista. Em junho, ele fez o jogo do presidente e prometeu um parecer para dispensar o equipamento. Na semana passada, o ministro politizou o tema e falou em “desmascarar aqueles que, mesmo que nunca tenham usado máscaras, precisam ser desmascarados”.

NÃO É HORA – O timing das declarações é especialmente perigoso. Ainda que a vacinação tenha avançado, só um quarto da população está protegida com as duas doses, e uma pessoa pode transmitir o vírus mesmo que esteja imunizada. Países que haviam derrubado restrições ao uso de máscaras voltaram a discutir o uso do equipamento para conter a variante delta.

Outros agentes públicos já escolheram desgastar regras mínimas da pandemia para se alinhar ao presidente. Na terça (17), a subprocuradora-geral Lindôra Araújo disse não ver crime no fato de Bolsonaro sair sem máscara e ignorou estudos científicos ao dizer que há dúvidas sobre a “exata eficácia” do equipamento. Dúvidas?

9 thoughts on “Ministro da Saúde faz jogo dos bolsonaristas radicais ao se dizer contra o uso de máscaras

  1. Por seu alinhamento evidente com a política bolsonarista mostra ser mais um pelego do presidente e assim como outros vassalos deve estar aguardando um golpe contra a democracia para ficar na janela de boa, como aconteceu na Venezuela com os alinhados ao chavismo.

  2. Bom dia , leitores (as):

    O ministro da Saúde Marcelo Queiroga , é um general Eduardo Pazuelo melhorado , só que ele é dono de hospital na Paraíba e esta envolvido em golpes e falcatruas contra o Estado e vários municípios , isso é público e notório .

    • Quidroga? Pode usar, José Luís, mas a patente é minha, eu usei o termo num comentário, no Antagonista, logo na sua primeira semana, quando começou a fazer promessas de felicidade geral, eu disse “o ministro Queiroga já mostrou que é bom de promessas, espero que logo lembre Leonardo Villar no Pagador de Promessas, senão vai virar o ministro Quidroga” e nunca mais o chamei por outro nome.

  3. Vamos seguir a ciência da investigação, seguir o rastro do dinheiro até chegar aos ratos que estão devorando os recursos do povo brasileiro, que pena que agora os petralhas não estejam com a chave do cofre. Quem será?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.