Ministro do Meio Ambiente não sabia sobre o desmatamento da Amazônia em outubro

Incrível a desinformação  demonstrada pelo ministro Joaquim Leite

Pedro do Coutto

Sem dúvida é impressionante a desinformação demonstrada pelo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, revelada durante encontro com jornalistas em Glasgow, na Escócia, no final da tarde de sexta-feira. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais havia informado dois dias antes que o desmatamento ocorrido em outubro na Amazônia atingiu 877 quilômetros quadrados de florestas, o maior número mensal desde que o levantamento começou a ser feito em 2016.

O número contradiz  a posição do governo Jair Bolsonaro que, na reunião da COP-26, que trata de mudanças climáticas, afirmou que o desmatamento estava sendo combatido, contraído e o patrulhamento realizado. Reportagem de Ana Estela de Sousa Pinto, Folha de S. Paulo, focalizou amplamente o que ocorreu no final da reunião de sexta-feira.

ENCONTRO – O ministro Joaquim Leite, inclusive, que, quando voltar a Brasília, marcará um encontro com o ministro da Justiça, Anderson Torres, para que ele explique melhor o andamento das ações que coordena depois que dados divulgados mostraram um aumento do desmatamento na Amazônia Legal.

Incrível a desinformação demonstrada pelo ministro Joaquim Leite, acentuando uma característica do governo Jair Bolsonaro que é o desconhecimento dos problemas nacionais. O ministro, contraditoriamente, afirmou que viaja todas as semanas para a Amazônia para acompanhar o combate ao desmatamento realizado pela Força Nacional do Ministério da Justiça.

Acrescentou ainda que os desafios relativos ao clima convergem para um desafio global, não se restringindo a um país referindo-se indiretamente ao Brasil. O ministro Joaquim Leite participou da entrevista tendo ao fundo painéis da Confederação Nacional da Indústria e da Confederação Nacional da Agricultura, e elogiou o apoio das duas entidades empresariais.

PROTESTOS – Nas ruas de Glasgow, principalmente no sábado, quando a COP-26 revelou o documento final da Conferência, um grande número de pessoas, sobretudo jovens, caminharam ostentando cartazes contra a falta de providências quanto ao combate ao desmatamento e pedindo providências contra os combustíveis fósseis, caso do carvão e do petróleo, poluindo o presente e colocando sob grande risco o futuro da humanidade.

Este ângulo da questão foi muito bem destacado pela repórter Ana Rosa Alves, O Globo de ontem. Como se constata, a participação brasileira na questão do clima foi um desastre. Não tem cabimento o ministro da pasta revelar-se desinformado sobre uma situação de tal importância. A desinformação tem sido uma característica do atual governo do país.

ENERGIA ELÉTRICA – Reportagem de Manoel Ventura, O Globo de sábado, anuncia que, de acordo com a Aneel, as tarefas de energia elétrica vão subir 21% a partir de janeiro de 2022, o maior aumento anual dos últimos sete anos. Equivale, digo, ao dobro da inflação calculada pelo IBGE para os últimos doze meses.

As contas de luz são reajustadas anualmente e variam conforme a distribuidora de energia. A principal causa do aumento apontado pela Aneel está nas medidas tomadas pelo governo para garantir o abastecimento de energia elétrica. Enquanto isso, os salários permanecem congelados. Um desafio que se evidencia a cada dia é como os assalariados brasileiros poderão pagar seus compromissos mensais.

INGRESSOS NAS ALTURAS –  No intervalo do jogo Brasil e Colômbia, Galvão Bueno criticou o preço cobrado pela CBF pelas entradas do público, sobretudo numa época de dificuldades para a população. O problema foi destacado pelo baixo número de espectadores nas arquibancadas. Galvão Bueno destacou que o preço mínimo era de R$ 300, excessivo para o poder aquisitivo da grande maioria da população. Impressionante esse preço, acrescento.

Vale destacar que os jogos tiveram ingressos de até R$ 1000, dependendo da localização dos estádios. É praticamente o salário mínimo do país, sendo que mais de 50% dos que trabalham têm a sua remuneração entre uma a 2,5 salários mínimos.

GLOBO DESTACA A F1 – Na edição de sábado, O Globo publicou reportagem de página inteira assinada por Giulia Costa, Maurício Xavier e Tatiana Furtado, sobre a corrida de Fórmula 1, às 14h de hoje, domingo, no autódromo paulista de Interlagos. A reportagem focaliza mudanças de estratégia de corredores , sobretudo ao que se refere a mais um confronto entre Hamilton e Verstappen, candidatos ao título mundial.

O jornalismo, a exemplo do que aconteceu há uma semana, deu mais uma lição de ir ao encontro do interesse público, pois a F1 é um motivo de interesse de uma parcela da opinião pública. A reportagem, de outro lado, contribui para ampliar a audiência da Band no horário e deixa no ar, talvez a tendência de na próxima temporada a TV Globo voltar a adquirir o direito de transmissão.

VICE DE LULA – Num encontro para vídeo promovido pelo ex-governador de São Paulo Márcio França, Geraldo Alckmin admitiu a possibilidade de aceitar uma ideia  evidentemente transmitida por Lula da Silva para que seja o seu candidato a vice-presidente na disputa de 2022. Não deu como certa tal perspectiva, mas só o fato de tê-la admitido significa uma tendência de apoio à candidatura do ex-presidente da República.

Alckmin está mudando de partido no momento, afastando-se do PSDB cujo candidato está entre Eduardo Leite e João Doria. O apoio de Alckmin a Lula é importante, tanto política quanto eleitoralmente. Quanto ao apoio político, ele vem reforçar uma identidade e uma união de Lula com a posição de centro do país, reduzindo em consequência a conotação esquerdista que envolve o seu nome. De qualquer forma, Alckmin acrescenta a ele substancial parte dos eleitores de São Paulo, maior colégio eleitoral do Brasil.

10 thoughts on “Ministro do Meio Ambiente não sabia sobre o desmatamento da Amazônia em outubro

  1. Salvem a minha aposentadoria que de mês a mês vai encolhendo!!!! E o pior; não tem emprego para eu me virar. E trabalho, só na cortesia.
    No futebol, fui ‘geraldino’ no Maracanã; era muito legal e convivíamos pacificamente, torcedor do Vasco com o do Flamengo. A fórmula?!!!! Só o Respeito.
    Não tinha tv para a maioria, e quem tinha não tinha transmissão e, quando tinha não era a qualidade de hoje. Hoje vejo o mesmo lance por 5(cinco) ângulos diferentes. Se eu pudesse projetar um estádio, incluiria uma verdadeira e especial noite como complemento ao futebol onde teria boa boate, supermercados, cinemas e outros mais; sem esquecer escola e UPA’s. Vejo deste modo.
    Podem cobrar R$50,00 (cinquenta) Reais que eu prefiro ver na televisão.

  2. A política Ambiental do governo Bolsonaro não mudou desde o ministro anterior Ricardo Salles e o seu segundo que assumiu na vaga do pior ministro do Meio Ambiente de todos os tempos, aquele, que advogava os interesses das madeireiras. Sales saiu porque estava muito desgastado. Era um imperativo lógico, a sua saída. Esse de agora, de nome Joaquin, o mais do mesmo, só tem uma diferença: não entra em polêmica.
    Finge que desconhece o desastre ambiental e tergiversa para enganar o repórter e o leitor, fugindo da triste realidade.
    Não é para menos, se confirmar, a obviedade do devastador desmatamento, o presidente Bolsonaro demite o Ministro pelo telefone no dia seguinte.
    Dezoito delegados da Polícia Federal foram exonerados de seus cargos por cumprirem suas funções, mas, que de alguma maneira contrariaram os interesses de Bolsonaro.
    O último delegado a sair, foi a responsável pelo processo de extradição do blogueiro Alan Santos.
    O delegado da Amazônia, foi defenestrado após aprender toneladas de toras de madeira nobre, que iam ser exportadas e o Ex- ministro Sales não gostou dessa apreensão de madeira ilegal.
    O que mudou de Sales para o atual? NADA

  3. O anúncio do aumento da Energia Elétrica em 21% é um verdadeiro escárnio, contra o povo brasileiro. Não tem como conciliar o congelamento dos salários com os aumentos estratosféricos das tarifas públicas.
    No aumento estarrecedor dos combustíveis e do gás, o presidente Bolsonaro e o ministro Guedes explicam que o motivo são os preços internacionais do barril de petróleo e os juros altos e até falam no ICMS jogando a conta dos aumentos no colo dos governadores e ameaçam privatizar a Petrobras.
    Quero ver, a mentira que vão entoar, sobre o aumento na conta de luz.
    Os reflexos no bolso do consumidor serão estarrecedores. Os empresários, lógico, repassarão os custos dos aumentos da energia, para as mercadorias. A relação de causa e efeito se dará no aumento da recessão e do desemprego. Quanto aos consumidores residênciais, só resta ficar no escuro, aposentar o ar condicionado e tomar banho frio, conforme aconselhado por Bolsonaro em agosto passado.
    Durma-se com um barulho desses, provocado por uma série de medidas negativas, que vem do Planalto.

  4. Falar do ministro do Meio Ambiente é chover no molhado, o cara é a cara do desgoverno do mito. E a “ameaça” do Alckmin em ser vice do Luladrão é ponto para ele, mas não para o Luladrão, porque o Alckmin não agrega voto nenhum.

  5. Lula sabe agregar. Sabe se comunicar. Sabe que a falsidade é contraproducente. Está comendo pelas beiradas e adquirindo apoio gratuito de todos os lados sem discurso de ódio.
    Isso é sabedoria que não se aprende na escola.

  6. A esquerda sabe de tudo.
    Se acha herdeira dos grandes alquimistas que detinham o poder do Santo Graal, da Pedra Filosofal e do Elixir da Longa Vida.
    Os experimentos desses Iniciados ao longo dos séculos 19 e 20 deixaram um legado que se contabilizou em cadáveres, ao contrário da narrativa do Professor Pangloss, aquele que no Cândido, de Voltaire, vivia no melhor dos mundos.
    Seus experts, Lula e Dilma estiveram aqui e não consta que fizeram laboratório para sarar as misérias humanas, a educação, saúde e segurança, fizeram como bons argentários a expropriação do que pudessem carregar em benefício próprio.
    E agora lá vem outros profetas, outros alquimistas, outros salvadores da pátria com a mesma cantilena posando de bons samaritanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *