Ministro do Supremo acusa Lula de tentar cooptá-lo no caso do Mensalão

O sempre atento comentarista Francisco Bendl nos chama atenção para esse empolgante assunto, que surgiu na revista Veja, já passou para os jornais e começa a inundar a internet.

###
LULA, MENDES E O MENSALÃO

A edição desta semana da revista Veja descreve um encontro no qual o ex-presidente Lula teria tentado cooptar o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao plano alimentado por petistas de adiar o julgamento do Mensalão, previsto para o segundo semestre.

A conversa teria ocorrido há um mês, no escritório do ex-presidente do STF e ex-ministro da Justiça Nelson Jobim. Mendes e Jobim confirmaram o episódio à revista.

Com o adiamento do julgamento, muitos crimes prescreveriam e as eleições deste ano transcorreriam sem ser atingidas pelos estilhaços do julgamento dos 36 réus do mensalão. Na conversa, Lula teria deixado clara a intenção de agir junto a outros ministros do STF, como Cármen Lúcia e Ayres Britto.

Além disso, no que teria sido o momento de maior constrangimento da reunião, teria, segundo a revista, oferecido proteção a Mendes na CPI do Cachoeira, cuja instalação foi municiada por petistas.

O que levaria Mendes a precisar ser poupado das investigações da comissão que envolvem o bicheiro Carlinhos Cachoeira e seus tentáculos no poder seria uma viagem a Berlim, em função de boatos de que o ministro e o senador Demóstenes Torres teriam viajado à Alemanha com financiamento do contraventor. O ministro teria confirmado a Lula o encontro com Demóstenes em Berlim, mas garantido que pagou tudo de seu bolso.

— Fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula — disse Mendes à Veja.

Lula também teria dito que usaria amigos para intermediar o assunto com Carmen Lúcia e Ayres Britto. E teria admitido ao ministro Mendes: “Zé Dirceu está desesperado”. Dirceu é um dos principais réus do mensalão. Segundo a Veja, Mendes teria relatado a conversa com Lula a dois senadores, ao procurador-geral da República e ao advogado-geral da União.

(Transcrito do jornal Zero Hora)

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *