Ministro Sérgio Moro diz que documentário “Democracia em Vertigem” presta desserviço

Moro foi o primeiro entrevistado do novo canal de Eduardo

Daniel Weterman
Estadão

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afastou a relação da Lava Jato com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016, e a eleição de Jair Bolsonaro para a presidência da República, dois anos depois.

“São movimentos que foram distintos. Claro que existe um contexto no qual o presidente foi eleito. Mas, assim, o impeachment não teve a nada a ver com a eleição do presidente Jair Bolsonaro. São coisas dissociadas”, disse o ex-juiz federal de Curitiba.

CANAL DE ENTREVISTAS – A declaração de Moro foi feita em entrevista ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar estreou um programa de entrevistas em seu canal no YouTube, chamado de O Brasil precisa saber.

Antes da exibição, Eduardo divulgou o anúncio da gravação, chamando seus seguidores para acompanhar o programa. Moro fez referência ao impeachment e à eleição presidencial ao criticar o documentário Democracia em Vertigem, da diretora Petra Costa, indicado ao Oscar. “Para um documentário, acho que presta um desserviço aos fatos porque é uma visão deturpada daqueles acontecimentos.”

CONTESTAÇÃO – A atuação de Moro na Lava Jato é contestada pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Supremo Tribunal Federal (STF). Os advogados do petista acusam o ex-juiz de agir com parcialidade ao condenar Lula no caso do tríplex do Guarujá e depois assumir um cargo no primeiro escalão do governo Bolsonaro. O julgamento da suspeição de Moro deve ser concluído ainda neste semestre na Segunda Turma do STF.

Na entrevista, Moro elogiou o ministro Luiz Fux, do STF, por derrubar um item da lei anticrime que obrigava presos a serem submetidos à audiência de custódia em 24 horas. O dispositivo foi incluído no pacote proposto por Moro na tramitação do projeto no Congresso.

FUTUROS PROJETOS – Ao ser questionado sobre futuros projetos a serem encaminhados ao Legislativo, destacou a intenção de deixar a Força Nacional de Segurança expressa na Constituição. A intenção é dar segurança a uma nova modelagem para o órgão, que atualmente reúne policiais estaduais em operações especiais. O ministro também se manifestou favorável à diminuição da idade penal para 16 anos em caso de crimes gravíssimos.

8 thoughts on “Ministro Sérgio Moro diz que documentário “Democracia em Vertigem” presta desserviço

    • Essas são suas palavras meu caro ..suas palavras. Se é estes predicados que tu elencaste em teu comentário isso é sua opinião …Não se escore em uma opinião de um General (????) que tem raiva do Sr. Luis Inácio…quando estava na ativa e se não me engano foi exonerado de suas funções quando estava no Haiti …(…).

      Estes milicos da era Asno no poder , deveriam e pedir demissão por estarem cooperando com um governo nitidamente comprometido com a nação Ianque … Que reativou sua IV Frota (atantico sul ) após o anuncio pelo Governo do Sr. Luis Inácio da descoberta do pré sal … Ao invés de ficar “criticando ” uma cousa que não entende este Sr. Heleno devia é aconselhar este nó cego falastrão a criar nossa Guarda Costeira para monitorar nosso mar territorial …tai um bom inicio de um governo que pensa na nossa HONRA COMO NAÇÃO . Menos do que isso é ficar se escondendo em assuntos banais do tipo em tela comentado .

      YAH SEJA LOUVADO SEMPRE …

  1. “A declaração de Moro foi feita em entrevista ao deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar estreou um programa de entrevistas em seu canal no YouTube, chamado de O Brasil precisa saber.”

    hahahaha!

  2. Este documentário foi feito para prestar serviço, ao partido do crime e, como consequência, favorecer as empreiteiras envolvidas nos crimes da lava jato, da qual sua autora é uma das herdeiras.

  3. Moro fez referência ao impeachment e à eleição presidencial ao criticar o documentário Democracia em Vertigem, da diretora Petra Costa, indicado ao Oscar. “Para um documentário, acho que presta um desserviço aos fatos porque é uma visão deturpada daqueles acontecimentos.”

    BLOG DA CIDADANIA – 17/02/2020

    Milico bolsonarista decidirá que filmes você pode ver

    17 de fevereiro de 2020  
    Por : Fernanda Nunes

    https://blogdacidadania.com.br/2020/02/milico-bolsonarista-decidira-que-filmes-voce-pode-ver/

  4. O que está em vertigem no Brasil é a Plutocracia putrefata com jeitão de cleptocracia e ares fétidos de bandidocracia, e o próprio Brasil. Portanto, a Democracia não pode estar em vertigem no Brasil porque no Brasil não existe Democracia, nunca existiu.

  5. Imagine, se nós já estivéssemos vivenciando uma democracia plena, geral e irrestrita. Haveria no Oscar, uma categoria “Fack News”; depois da população escolher (um cidadão um voto) o “vencedor”. O apresentador (Donald Trhump), diria (espumando, todo vermelho e GRITANDO): E agora, eu chamo o Fack News.
    PS: Imagine a vagabundagem escondida em baixo das poltronas “meditando”: “Eu não, eu não, eu não, eu não “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *