Moares diz que prisão de Silveira foi “marco no STF e na Câmara no combate ao extremismo antidemocrático”

Moraes criticou fato de redes sociais serem ‘terra de ninguém’

Matheus Teixeira
Folha

O ministro Alexandre de Moraes afirmou nesta segunda-feira, dia 22, que “a liberdade virou libertinagem” na internet e que a prisão em flagrante do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) na última semana foi um “importante marco no STF (Supremo Tribunal Federal) e na Câmara no combate ao extremismo antidemocrático”.

Em uma palestra na FGV (Fundação Getúlio Vargas), o ministro mandou diversos recados ao presidente Jair Bolsonaro, criticou o populismo e disse que as acusações de fraude nas eleições são infundadas.

DESAFIO – Moraes, que será presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no pleito de 2022, disse que o Brasil tem o “desafio muito grande” de dar uma resposta rápida às milícias digitais que tentam desacreditar o Estado Democrático de Direito e o sistema político.

Há mais de um ano, Bolsonaro afirma que tem provas de fraude nas eleições de 2018 e recentemente disse que o Brasil pode ter um “problema pior que o dos Estados Unidos” caso não haja voto impresso no país ano que vem. Na ocasião, o presidente fez referência à invasão do Congresso americano por apoiadores de Donald Trump, seu aliado político, na sessão de certificação da vitória de Joe Biden para a presidência.

MILÍCIAS DIGITAIS – Na palestra intitulada ‘Eleições 2022 e Desinformação no Brasil – Riscos e desafios para o processo eleitoral brasileiro no ambiente digital’, Moraes ressaltou que as “milícias digitais” combatidas no inquérito das fake news, do qual ele é relator, visam atacar três pilares da democracia: eleições livres, liberdade de imprensa e independência do Judiciário.

O ministro frisou que esses grupos tentam colocar em dúvida o sistema político e manipular a opinião pública com o intuito de corroer a democracia. E é nessa esteira que surge “a necessidade de um salvador da pátria”, segundo o magistrado.

“Esse mecanismo vem sendo repetido já há algum tempo em países da europa, nos Estados Unidos e vem sendo repetido no Brasil com retorno de um populismo absolutamente fascita, discriminatório e com forte discurso de ódio.”O ministro assinalou que essas milícias são “extremamente profissionais” e formadas em quatro núcleos: o produtor, que faz os conteúdos; o difusor, que usa robôs para propagar as mentiras; o político, que aproveita a difusão para fingir que esta é a vontade da população; e o financiador, formado por empresários.

COMBATE ÀS FAKE NEWS – O magistrado afirmou que é necessário que o Congresso aprove uma legislação de combate às fake news que crie mecanismos de responsabilização das empresas que administram as redes sociais. Só assim, segundo ele, as redes sociais deixarão de ser “terra de ninguém”.

O ministro citou a discussão em curso no Legislativo sobre o tema e disse que a aprovação da lei coibiria boa parte das notícias fraudulentas publicadas atualmente. “As plataforma digitais hoje são legalmente classificadas como empresas de tecnologia e ao serem classificadas desta forma simplesmente lavam as mãos sobre a terra de ninguém que elas proporcionam, sendo que hoje essas pseudo empresas de tecnologia são as mais poderosas e fortes empresas de mídia do mercado mundial, as que mais ganham com publicidade”, disse no evento organizado pela Diretoria de Análise de Polícas Públicas da FGV.

Para ele, as redes sociais deveriam ser consideradas empresas de mídia para terem as mesmas responsabilidades que os veículos de imprensa. “Se é verdade que vivemos o maior período de estabilidade democrática, não é menos verdade que, com as milícias digitais, estamos sofrendo o ataque mais vil às instituições”, afirmou.

8 thoughts on “Moares diz que prisão de Silveira foi “marco no STF e na Câmara no combate ao extremismo antidemocrático”

  1. Creio que dentre aqueles que, deveras, neste Blog, opõem-se ao bolsonarismo, não haja nenhum nefelibata ou falto de discernimento, ao ponto de ignorar o quão árduo será defenestrar o Jair Messias.
    Nunca em outros tempos, da história republicana, um mandátario havia despejado tantos sofrimentos e ignomínias sobre a população quanto esse sujeito. É um pulverizador de desgraças contra o coletivo. Contudo, nem por isso, o seu índice de aprovação popular sofre uma baixa significativa. -O que ainda falta para ele nos aprontar?
    Como se não bastasse, sabendo do peso que tem um peido, expelido pela cloaca de um presidente da República; por isso mesmo, fica fazendo terrorismo com suas verborréias catastróficas e escarnecedoras.
    Aqueles que são ativistas políticos, e estão, sinceramente, comprometidos em extirpar esse cranco maligno da vida nacional, que comecem a montar suas estratégias, para desmontar os principais pilares que dão sustentação a essa variante jabuticaba do Coronavírus.
    Por exemplo, já fiz a seguinte experiência: em um círculo com dez protestantes, sutilmente, falei-lhes dos desmandos e sandices de Jair Bolsonaro. Resultado: 4 não se manifestaram (concordantes), 2 se disseram indignados com o comportamento do Chefe da Nação (incógnitos), 1 descoversou (concordante velado) e 3 me confrotaram (concordantes manifestos). O contra-argumento do trio de apoiadores confessos é sempre o mesmo: “Agora temos um homem de Deus no comando (feliz é a nação cujo Deus é o Senhor), pior seria devolver o país pro PT e daí pro gaverno antiCristo chinês”. Eis o segmento onde se homiziam os prosélitos pétreos de Bolsonaro.
    Para fragmentar esses cistos religiosos, a coalizão oposicionista deve usar a mesma tática que a Funai recorre, quando precisa contactar com as tribos isoladas: leva consigo índios mansos. Todos esses partidos, aversos a Bolsonaro, estão permeados por fiéis e pastores. Então, lancem mão desses correligionários, para minarem os focos de resistência, que relutam nas diversas denominações.
    – E não esqueçamos: o voto tem valor unitário e unificado. Na secção eleitoral, o néscio tem a chance de se equiparar ao cônscio.
    PS: e quanto à faceta do Bolsonaro, déspota vocacionado: seu perigo maior resido no poder que ele tem, hoje, de mobilizar o que há de mais letal e liberticida no Brasil. Além da sua força demoníaca, capaz de destruir as linhas de defesa da sociedade: Judiciário, Ministério Público, Mídia, ONGs etc.

  2. A farsa continua.

    Após o estupro coletivo do Estado de Direito pelo STF (supremo tribunal de facínoras), os estupradores tentam desesperadamente justificar o crime premeditado. Primeiro, o ministro Fux, numa entrevista patética na Folha de São Paulo; depois, o ministro Dias Toffolli, com toda a sua experiência de adEvogado da quadrilha petista, falando para a Band em atos anti-democráticos; agora, o ministro Alexandre de Moraes, o abre-alas do estupro coletivo contra a Democracia Representiva, a Constituição e a imunidade dos senadores e deputados, o criador do “crime de opinião inafiançável” e do “mandado de prisão de flagrante delito”, tem o descaramento de nos alertar para o perigo extremo do ‘facismo’ do povo brasileiro que usa as redes sociais. Sim, um perigo infinitamente maior do que as ações do PCC. Tudo isso sob os aplausos da imprensa prostituida (uma rara e honrosa exceção foi o artigo primoroso de J.R. Guzzo, reproduzido na Tribuna da Internet).

    A justiça brasileira morreu, foi assassinada por um bando de facínoras. Precisam ser punidos. Ou o Senado chama a sí a responsabilidade ou o povo invade e fecha o covil de meliantes.

    Aposto que até amanhã teremos mais uma explicação de outro estuprador da Constituição.

  3. Sr. Paulo III,

    TÁ JURADO!
    ou
    TÁ PEDIDO!

    Se começar a atrapalhar muito a implosão do “Guandu Brasil”, o careca vai descansar no colo do capeta.

    Será algo parecido com a morte morrida do Bebianno ou do Alberto Nisman…

    Essa turma de milicianos é perigosíssima!
    Eles fazem o serviço e depois desaparecem com todas as provas…

    Tipo Enigma “M”!
    Capisce?

    Os que viram juram que não viram. Os que ouviram, juram que não ouviram.

    Acho que o stf (moraes) está neste momento prestado um enorme serviço ao país, através de mecanismos
    inventados” mas que no momento freiam o demônio!

    Talvez se o bananinha não tivesse se empenhado tanto em destruir a CPI DA LAVA TOGA, estaríamos assistindo um outro panorama. Inclusive com o Wonka e o carluxo merecidamente em cana!

    Só lhe digo uma coisa, que os urubus de toga estão com o cú na mão!
    Tanto que o toffolino, “amigão” do demônio deu uma entrevista bombástica e inesperada, veja o link .

    https://www.oantagonista.com/brasil/toffoli-denuncia-financiamento-internacional-dos-ataques-ao-stf/

    P.S. O mentiroso sempre foi doente e a mitomania o persegue desde jovem. É uma alma perturbar que encastelado no planalto, resolveu nos sacanear todos os dias! Já nasceu torturador e morrerá torturador.

    Como mente!
    Dá até gastura!

    “Reportagem de VEJA, contudo, reproduziu croqui feitos à mão pelo próprio Bolsonaro que mostrava a adutora de Guandu, que abastece o Rio de Janeiro, e o rabisco de uma carga de dinamite detonável por intermédio de um mecanismo elétrico instalado num relógio. A reportagem também desmentiu afirmação de Bolsonaro de que não conhecia a repórter Cássia Maria, autora dos textos, ao relatar dois encontros da jornalista na casa do capitão, onde conversou com ele, na presença de testemunhas”.

    Seguremos os cintos, porque já começamos a nos parecer bastante com a venezuela.

    QUALQUER SEMELHANÇA, NÃO É MERA COINCIDÊNCIA!

    JL

    • Bom dia.
      “Reportagem de VEJA, contudo, reproduziu croqui feitos à mão pelo próprio Bolsonaro que mostrava a adutora de Guandu, que abastece o Rio de Janeiro,
      Primeiro o PR.
      precisa ser cobrado a trabalhar, se tem tempo para fazer croqui,
      Segundo,
      quem governa o municipio e estado que o STF, reforçou as responsabilidades?
      Estou enganado ou entendi errado?

Deixe uma resposta para Espectro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *