Moraes levou o Supremo a fazer o jogo de Bolsonaro, que se faz de vítima e de herói

Bolsonaro defende excludente de ilicitude contra protestos violentos |  Agência Brasil

Bolsonaro está radiante com a oportunidade que lhe deram

Carlos Newton

Diz o velho ditado: Quando um não quer, dois não brigam. Mas essa disputa entre a Presidência da República é uma crise gravíssima que ameaça a frágil democracia brasileira. Não há dúvida de que o ministro Alexandre de Moraes, como relator do processo, tem agido com extremo rigor contra o deputado Daniel Silveira, como se ele fosse um perigosíssimo terrorista, quando todos sabem que se trata de um fanfarrão, uma bravateiro.

Oito integrantes do Supremo acompanharam o delírio de Moraes, enquanto o neoministro André Mendonça aplicava pena menor e Nunes Marques até absolvia. Em tradução simultânea, Moraes fez o jogo de Bolsonaro.

CRISE OPORTUNA – O fato concreto é que Bolsonaro se alimenta da crise, trata-se de uma característica de sua personalidade desde os tempos de capitão, quando liderou um movimento para aumentar os salários (soldos e gratificações) dos militares.

Para Bolsonaro, a crise é oportuna, em pleno ano eleitoral, porque todas as pesquisas (internas e externas) registram que há uma rejeição muito grande contra ele, que ameaça inviabilizar sua reeleição.

Sua especialidade é se fazer de herói e vítima, ao mesmo tempo. E o Supremo tem colocado o presidente nessa dupla condição. Seus julgamentos que envolvem a política vêm favorecendo claramente a oposição a Bolsonaro, em decisões altamente questionáveis.

RECORDAR É VIVER – Vamos relembrar a cronologia dos fatos. Primeiro, o STF transformou o Brasil no único país da ONU a deixar em liberdade criminosos condenados em segunda instância, quando se esgota a discussão do mérito (culpa ou inocência?) e a condenação só pode ser anulada por gravíssimo erro judiciário.

Com essa manobra, Lula foi libertado, mas a decisão ainda não era suficiente para devolver-lhe os direitos políticos. E o Supremo então anulou todas as condenações de Lula, sob a inexistente justificativa de “incompetência territorial absoluta” da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, declarando consequentemente também a incompetência do Tribunal Regional Federal da 4ª Região e do Superior Tribunal de Justiça…

Para camuflar essa criativa decisão, o Supremo logo depois declarou a “parcialidade” do então juiz Sérgio Moro, como se isso pudesse contaminar e anular os julgamentos do TRF-4 e do STJ, vejam a que ponto chegamos.

BOLSONARO VÍTIMA – Portanto, não faltam a Bolsonaro motivos fornecidos pelo Supremo para que ele possa se fazer de vítima e herói. A exagerada condenação do deputado Daniel Silveira vem atender aos anseios do presidente da República, que precisa desesperadamente reconquistar a aprovação perdida.

Moraes votou com ódio no coração, despertou o corporativismo do Supremo e agora o mal está feito. Nesse carnaval fora de época, Bolsonaro ganhou de presente a fantasia que necessitava para provocar um enfrentamento contra o Judiciário, cuja imagem anda cada vez mais deteriorada, desde a libertação de Lula, Dirceu, Palocci, Geddel, Cunha & Cia.

###
P.S. – Por fim, é preciso reconhecer que os argumentos do decreto de Bolsonaro estão bem fundamentados, uma raridade nesse governo que carece de assessoria jurídica gabaritada. (C.N.)

16 thoughts on “Moraes levou o Supremo a fazer o jogo de Bolsonaro, que se faz de vítima e de herói

  1. “Já que indulto é um decreto presidencial, a minha caneta continuará com a mesma quantidade de tinta até o final do mandato. Não é apenas a questão de corrupção, qualquer criminoso tem que cumprir sua pena de maneira integral. É isso inclusive que eu acertei com Sergio Moro, indicado para ser ministro da Justiça”, disse ele [O Tosco] na época.”

    https://oantagonista.uol.com.br/brasil/em-2018-bolsonaro-disse-que-nao-concederia-indulto-criminoso-tem-que-cumprir-sua-pena/

  2. Brasil é com s ou com Z? Com Z ele seria desenvolvido, falaria ingrês, teríamos como parentes irlandês e escocês. Com S de Samba somos pobres e atrasados, mas há um consolo: somos reis na Sapucaí. Viva o samba e a esculhambação!
    É isso aí: Eu sou o samba! Sou natural daqui do Rio de Janeiro, sou infeliz o ano inteiro, mas sou o rei do terrreiro!

  3. O STF é mal visto e detestado por grande parte da população brasileira por colocar em liberdade ladrões do dinheiro público e membros de organizações criminosas.

    Com essa decisão, Bolsonaro conquistou o voto de muitos indecisos, simplesmente, por detestarem o STF.

    Aliás, aqui na Terra dos Papagaios, o maior centro mundial de corrupção impune, segundo publicações torrenciais da imprensa, a maioria dos ministros do STF foi nomeada por governantes comprovadamente corruptos.

  4. De ha muito tempo o STF já deveria ter sido enquadrado.
    No mensalão, condenou cidadãos SEM foro privilegiado. E pior, condenou SEM prova (palavras ditas por Rosa Weber em seu voto).
    Ponto para Bolsonaro.
    O STF precisa ser enquadrado.

  5. Realmente o STF cometeu erros graves para que Lula fosse solto e concorresse às eleições.
    O caso do Daniel Silveira, é outro caso. Não existe atentado criminoso pior que o atentado ao Estado Democrático de Direito, a democracia. Sem democracia, o que se quer é ditadura. é o sonho dos bolsonaristas, ditadura com Bolsonaro no poder.
    Daniel Silveira está sendo útil aos desejos de Bolsonaro.

  6. Em 2018, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes disse que o indulto presidencial “é ato de clemência constitucional e privativo do presidente da República”. “Podemos gostar ou não, assim como vários parlamentares também não gostam quando o STF declara inconstitucionalidade de leis ou emendas, mas existe”, sustentou o magistrado, ao votar a favor do indulto natalino do então presidente Michel Temer.

    E agora Excelência ?

  7. Engraçado ver as críticas ao perdão de Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira. Os petistas se calaram quando Lula concedeu graça e ainda deu emprego ao terrorista italiano Cesare Battisti.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.