Moro acompanha crise conflagrada por motins em Fortaleza e diz que é preciso “serenar os ânimos”

Desde a deflagração do movimento, Ceará conta 147 assassinatos

Pepita Ortega e Fausto Macedo
Estadão

Depois de sobrevoar Fortaleza conflagrada por tropas amotinadas, o ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) conclamou, na manhã desta segunda de carnaval, dia 24: “Temos que colocar a cabeça no lugar.”

“Pensar o que é necessário daqui em diante para solucionarmos essa crise específica, para os policiais poderem voltar a realizar o seu trabalho. Esse é o ponto”, disse Moro, que chegou à capital cearense acompanhado do ministro Fernando Azevedo (Defesa) e do chefe da Advocacia-Geral da União, André Mendonça.

MOTIM – Desde a deflagração do movimento paredista, o Ceará conta 147 assassinatos. O motim teve início por falta de acordo dos PMs com o governo do Estado quanto à reestruturação salarial.

Já durante entrevista coletiva na sede do Palácio da Abolição, sede do governo estadual, Moro afirmou: “O governo federal veio para permitir que o governo (estadual) possa resolver essa situação sem que nesse lapso temporal a população fique desprotegida.”

“Nosso trabalho é exclusivamente garantir proteção da população diante dessa paralisação. O envio (das forças federais) é para garantir a tranquilidade e a segurança da população”, declarou ainda o ministro.

SERENIDADE – Indagado sobre uma eventual reintegração de posse dos quartéis tomados por soldados rebelados, o ministro da Justiça disse: “Viemos aqui para serenar os ânimos e não para acirra-los. O governo federal veio aqui para substituir essa ausência das polícias. Serenar é importante.”

Estrategicamente, Moro enfatizou a importância dos PMs nas ruas. “Os policiais, no país inteiro, são profissionais dedicados que arriscam, muitas vezes, a sua vida pela vida de outro, proteção, seja pela incolumidade da vida ou do patrimônio do outro. São profissionais que devem ser valorizados. É momento de pensar em servir e proteger, serenar os ânimos”, afirmou.

6 thoughts on “Moro acompanha crise conflagrada por motins em Fortaleza e diz que é preciso “serenar os ânimos”

  1. “Indagado sobre uma eventual reintegração de posse dos quartéis tomados por soldados rebelados, o ministro da Justiça disse: “Viemos aqui para serenar os ânimos e não para acirra-los.”

    -Reintegração de posse é com o El Cid.

  2. “O governo federal veio aqui para substituir essa ausência das polícias.”

    -Ora, ora, o PT e a Rede Esgoto sempre disseram que era polícia gerava a violência. Os partidos de esquerda sempre sonharam com uma sociedade SEM POLÍCIA e sem a repressão fascista do Estado.
    -Agora, que essa sociedade apareceu, querem que o Ministro da Justiça estrague a “paz celestial” cearense?

    https://www.cartacapital.com.br/blogs/brasil-debate/o-aumento-da-violencia-policial-como-propulsor-dos-homicidios-no-brasil/

  3. Muito Bem lembrado!!

    A crise é seria e o precdente absurdamente perigoso, mas ver a cara de aflição , todo cagado, do outrora arrogante modelo de administração do PT pedindo penico para o Bolsonaro, naõ tem preço.

    AH, nao tem mesmo, mas eles esquecem o que causou tudo isso e aproveitam a sua visão deformada do mundo para por a culpa em outro.

    Eu se fosse o Moro, iria lá e colocaria as forças sob o comendo do governador e nao ao contrário.

    Quem pariu Mateus que o embale

  4. Ainda bem que existe Sérgio Moro, com postura serena e boa educação para tratar casos graves.
    O Brasil precisa de Moro na presidência para passarmos a limpo esta senvergonhice que se instaurou em todos os setores da sociedade brasileira, principalmente no setor público.
    Temos esperança em Moro como Homem e em Jesus Cristo que é nosso Salvador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *