Moro acusa governo Bolsonaro de abandonar a proposta sobre segunda instância

Moro encolhe nas redes e tem futuro político incerto - 27/10/2020 - UOL  Notícias

Moro defende a aprovação da emenda pelo Congresso

Wesley Oliveira
Correio Braziliense

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro participou do debate sobre a Proposta de Emenda à Constituição 199, conhecida como a PEC da segunda instância, realizado nesta terça-feira (27) pela Secretaria de Relações Internacionais da Câmara. Moro defendeu a aprovação da PEC e acusou o governo Bolsonaro de ter abandonado a matéria.

Moro disse também ser favorável à aplicação da prisão em segunda instância mesmo para processos anteriores à aprovação da lei. O relator da PEC na Câmara, deputado Fábio Trad (PSD-MS), comentou no mesmo debate a pressão para limitar o alcance da proposta. 

MAIS ABRANGENTE – “Eu preferia que a PEC fosse mais abrangente, mas se esse é o custo para aprovar, eu acho razoável. É hipocrisia reprovar a proposta por causa da questão temporal”, defendeu o ex-ministro.

Sobre a articulação do governo pela aprovação da matéria, Sergio Moro afirmou que “não vê ninguém participando desse debate. “Dentro do governo, eu era a única pessoa que falava da PEC. Desde que deixei o ministério, nunca mais se falou sobre. É lamentável que o governo tenha abandonado a execução em segunda instância”, atacou o ex-ministro.

A visão do ex-ministro foi rechaçada pelo deputado Alex Manete, que cobrou um posicionamento por parte do presidente Jair Bolsonaro. “É importante ressaltar que já cobramos do vice-presidente Hamilton Mourão, do presidente Jair Bolsonaro, que de fato eles se posicionem e colaborem. Essa pauta inclusive os conduziu para o processo vitorioso de 2018”, completou o deputado.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Moro está cansado de saber que Bolsonaro não aceita prisão após segunda instância, por causa dos filhos, que têm contas a prestar à Justiça. No Congresso e no Supremo, a maioria também é a favor da impunidade. Ou seja, os três Poderes estão unidos contra essa proposta. Está tudo dominado, como se diz hoje em dia. (C.N.)  

14 thoughts on “Moro acusa governo Bolsonaro de abandonar a proposta sobre segunda instância

  1. Cuidado MORO, para não cair neste FOSSO!

    Na política eleitoral, existe um efeito rebote comum a todas as culturas.
    -A princípio, a oposição, ávida por desbancar a situação, começa a usar a sua munição, exageradamente (em overdoses), para liquidar o adversário em tempo recorde, e assim cresce, cresce…… Contudo, nem sempre, o apedrejado vai logo a nocaute.
    À medida que se aproxima a data da eleição, o arsenal dos opositores vai-se esvaindo, e eles se limitam apenas a requentar o que já foi dito, mas sem produzir o mesmo efeito. E, muitas vezes, acusações repetidas surtem resultado contrário; e até anulam, previamente, a repercussão de acusações inéditas, por mais verídicas e comprometedoras que possam aparecer.
    Nesse período, compreendido entre o esgotamento dos ataques oposicionistas, para o dia da votação, costuma acontecer isto:
    Sem tantas denúncias para deixá-lo superexcitado e estimulado a “vingar-se”, o eleitorado está mais sóbrio e reflexivo; vai ver que a coisa não é bem assim. Perceberá que foi induzido a fazer uma ponderação distorcida de quem se encontra no Poder, passa inclusive a supervalorizar os feitos do governante; e até vê-lo como “uma vítima que deve ser reparada por nós, os eleitores”.
    Quando o intervalo, entre o vazio do discurso oposicionista e o dia do sufrágio, é considerável; a reviravolta torna-se uma ameaça real!
    Se liga, hein! Você que está apostando cegamente em Joe Biden! O diabo é moleque! Sem trapaça, pura psicologia de massa!

  2. Moro delira. Porque o dr. Moro NUNCA se manifesta contra o $TF que é quem juntamente com o Legislativo realmente impede avanços nesta questão da 2a instância?

    Quando o assunto é $TF, o dr. Moro SEMPRE se omite. Alguém viu Moro condenando a soltura de 60.000 presos pelo $TF? Não viu nem verá.

  3. A corrupção impune é a mais forte “instituição” do Brasil. Foi edificada, pedra após pedra, em Brasília.

    Quando a capital era no Rio de Janeiro e prisão se dava após sentença condenatória em PRIMEIRA instância, a não ser em casos previstos em lei com multa ou fiança.

    Não acredito que o Brasil tenha solução. A esperança já faleceu e foi cremada.

  4. Moro: mais um palhaço iludido pelo PSDB. Acabou, Alice!!!! Melhor dar a devida atenção para a família (a mulher dele). O resto é torcer para ter outra encarnação. Quem sabe?

  5. Para efeito comparativo,é oportuno avaliar que Moro e Joice Hasselmann,por exemplo,tem a mesma picada da “mosca do poder”.

    Tanto Moro como Joice,jamais poderiam abandonar suas profissões (Moro Juiz veterano) Joice (jornalista),para aventurar na política.

    PS-Li diversas entrevistas de Moro,e fiquei decepcionado com a limitada visão em assuntos
    diversos .Voa sobre tudo…
    PS2-Moro,não tem nem voz de Estadista.
    PS3-Moro,fora sua ampla cultura na área jurídica,demonstra ser um jumento iletrado nos assuntos de governo e Estado.

  6. Moro não será candidato à presidência nas próximas eleições. Portanto, discutir sobre a sua pessoa é legítima perda de tempo.

    Agora, precisamos colocar os pingos nos “is” e “jotas”:
    Que Moro não tem o dom da oratória é fato;
    Pergunto:
    Quem, de Lula para cá, podemos classificar como um presidente que conhecia o vernáculo?
    Ou preciso lembrar a Dilma e seu folclore linguístico?

    Talvez Moro seja mesmo uma pessoa que não podemos dizer que tenha cultura. Possivelmente, a sua função como juiz, o tenha objetivado nas questões do Direito, e deixado de lado por falta de tempo ler sobre temas que não fossem relativos aos seus julgamentos.
    Pergunto:
    Lula, Dilma, Temer e Bolsonaro são exemplos de presidentes cultos?
    Por acaso esses últimos 4 presidentes que tivemos arriscariam outra palavra em inglês que não fosse “ok”?
    Lula poderia discorrer sobre a exegese da economia afegã?
    Dilma poderia demonstrar seus conhecimentos sobre a mitologia nórdica?
    Temer conheceria outro assunto que não fosse roubar?
    Bolsonaro … Bolsonaro … afora pular nas patas de trás diante de qualquer pergunta que não goste, pergunto:
    O presidente saberia quais as tribos indígenas mais importantes que tivemos?
    Quais foram os indígenas que habitavam o Sul do país?
    Saberia responder quem foi Sepé Tiaraju?
    Agora, eu ficaria muito preocupado, se alguém se aproximasse de Bolsonaro e lhe perguntasse:
    – Presidente, quem foi Bernardo Sayão?

    Dito isso, presidentes que tem o dom da oratória; que sejam cultos; que falem vários idiomas, caso de Collor e FHC; que conheçam um pouco sobre História do Brasil Mundial; que saberiam responder à queima-roupa qual é a capital da Estônia; que soubessem aonde fica o Estreito de Dardanelos; que explicassem o Teorema de Pitágoras ou a Teoria da Relatividade … sinceramente, isso de nada serviria se a corrupção continuasse no Brasil, conforme vem ocorrendo!

    Logo, ou queremos um presidente honesto, sério, competente, bom administrador ou continuaremos elegendo demagogos, incompetentes, desonestos, corruptos, exploradores e manipuladores!

    Moro, por mais que o critiquem e, a meu ver, injustamente, pelo menos não seria originário do antro de venais (congresso), e sequer recai sobre a sua vida profissional de ex-magistrado, uma única acusação de ter vendido sentenças!

    Lamento que Moro não será candidato ao Planalto em 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *