Moro diz que prises so necessrias para acabar com a “corrupo sistmica”

Resultado de imagem para juiz moro

Moro enfrenta o Supremo com argumentos slidos

Tiago Dantas
O Globo

Dias aps o Supremo Tribunal Federal (STF) determinar a soltura de quatro rus investigados pela Operao Lava-Jato, entre eles o ex-ministro Jos Dirceu, a fora-tarefa reagiu defendendo o instrumento da priso preventiva. Em despacho divulgado nesta quinta-feira, o juiz Sergio Moro afirmou que, embora recebam pontualmente crticas, as detenes so necessrias para acabar com a corrupo sistmica e profunda. O procurador Carlos Fernando dos Santos disse que o Poder Judicirio deve demonstrar firmeza quando no h respeito a investigaes em andamento.

Excepcional no a priso cautelar, mas o grau de deteriorao da coisa pblica revelada pelos processos na Operao Lava-Jato, com prejuzos j assumidos de cerca de R$ 6 bilhes somente pela Petrobrs e a possibilidade, segundo investigaes em curso no Supremo Tribunal Federal, de que os desvios tenham sido utilizados para pagamento de propina a dezenas de parlamentares, comprometendo a prpria qualidade de nossa democracia, escreveu o juiz Moro no despacho que autorizou a deflagrao da Operao Asfixia, a 40 da Lava-Jato. Para ele, diante da corrupo sistmica e profunda, impe-se a priso preventiva para debel-la, sob pena de agravamento do quadro criminoso.

ANTES DAS SOLTURAS – Divulgado hoje, o documento de Moro foi anexado ao processo em 11 de abril, dias antes de o STF liberar o operador do PP Joo Genu, o pecuarista Jos Carlos Bumlai e o ex-ministro Jos Dirceu. A soltura desses investigados gerou questionamentos de que outros investigados que atualmente esto presos em Curitiba poderiam voltar liberdade, o que poderia atrapalhar investigaes e negociaes de delaes premiadas.

O pas j paga, atualmente, um preo elevado, com vrias autoridades pblicas denunciadas ou investigadas em esquemas de corrupo, minando a confiana na regra da lei e na democracia. No h como ocultar essa realidade sem ter que enfrent-la na forma da lei”, escreveu Moro, citando, como fundamento para as prises, o artigo 312 do Cdigo de Processo Penal, que disciplina a utilizao deste instrumento.

PROCURADORES – Durante coletiva de imprensa para explicar a 40 fase da Lava-Jato, os procuradores argumentaram que as prises da Lava-Jato so necessrias, j que investigados continuam cometendo crimes mesmo depois do incio da operao, h trs anos. A ao de ontem teve como principal alvo o ex-gerente da Petrobras Mrcio de Almeida Ferreira, que, segundo a investigao, tentou lavar recursos de propina utilizando-se da lei de repatriao de janeiro de 2016. Era uma forma indireta de insistir no ponto de que as prises preventivas no so arbitrrias, mas instrumentos legtimos de combate ao crime.

Enquanto no houver respeito a uma investigao em andamento, como est acontecendo nesse caso, necessrio que o Poder Judicirio demonstre firmeza com as prises realizadas afirmou o procurador Carlos Fernando Santos.

TROCANDO FARPAS – Nos ltimos dias, procuradores e ministros do Supremo Tribunal Federal trocaram farpas pblicas sobre a necessidade de manter encarcerados por meses alguns dos rus. Poucas horas antes que os membros da Corte decidissem por conceder o habeas corpus a Jos Dirceu, os investigadores ofereceram a terceira denncia contra o ex-ministro da Casa Civil no mbito da Lava-Jato. O chefe do MPF na fora-tarefa, Deltan Dallagnol, admitiu que a proximidade do julgamento levou o grupo a acelerar a finalizao de suas concluses:

Evidentemente, esta acusao j estava sendo amadurecida. uma acusao que estava para ser oferecida e, em razo da anlise de um habeas corpus, teve uma precipitao no objetivo de oferecer novos fatos ao STF, disse.

Durante seu voto, o ministro Gilmar Mendes respondeu indiretamente a Dallagnol ao dizer que procuradores da Repblica no podem exercer qualquer influncia sobre a Corte.

5 thoughts on “Moro diz que prises so necessrias para acabar com a “corrupo sistmica”

  1. Alguns ministros do STF perderam o rumo, a compostura, a credibilidade e o respeito da populao. No sem razo que chegaram a este ponto. Embora se achem supremos a sociedade discorda. No atual momento todos esto sob anlise minuciosa da sociedade. E alguns deles no resistem anlise mais supercial. Antigamente, nas faculdades de direito, os calouros eram recebidos com uma primeira lio simples e marcante: direito basicamente bom senso.
    Hoje em dia bom senso material rarssimo nos meios polticos (que nomeiam e parece que orientam alguns magistrados). Lamentvel….

    • Moro est demorando muito pra prender a Claudia Cruz !

      O MPF pediu sua priso em abril e at agora nada !

      Prenda a mulher do Cunha, Moro !!!

  2. No h dvida de que ao da turma de Curitiba incomoda nossos argutos criminosos de colarinho branco. E parece que, com a disposio do “Italiano” de soltar a lngua, estaria na eminncia de dedurar integrantes do nosso Supremo de reputao mais que duvidosa. A o remdio seria – como foi – comear a soltar a turma da preventiva, antes que o delator jogasse merda no ventilador.

  3. Sonho de uma noite de vero, acabar com a corrupo e a criminalidade com prises de alguns figures . Sob a gide do $istema poltico podre, prender uns e outros soa como enxugar gelo, para cada um que sacado do mercado, surgem dezenas, como no narcotrfico que j dividiu o Brasil em quarteires. Por outro lado, acusam o pessoal da fora-tarefa de eventuais abusos, mas nada falam dos seus prprios abusos criminosos, infiis defesa da causa e coisa pblica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.