Moro não responde aos ataques de Ciro e articula alianças com os candidatos da terceira via

Ciro Gomes sobre Moro: 'Vivia disfarçado de juiz e quer se disfarçar de  político' - YouTubeCarlos Newton

É impressionante o que está acontecendo na disputa pela terceira via, que pode acabar levando a melhor na disputa pela Presidência da República em 2022, devido à grande rejeição dos principais candidatos – o presidente Jair Bolsonaro, que enfim está se filiando ao PL nesta terça-feira, e o ex-presidente Lula da Silva, que ainda não confirmou a candidatura pelo PT, mas já está em franca campanha.

A maioria das pré-candidaturas só tem prazo de validade até o final de março, quando há a chamada “janela” para troca de partidos e a obrigatória desincompatibilização de quem exerce cargo público e pode se tornar inelegível. Mas agora, quatro meses antes, já avançam as articulações para fortalecer o principal candidato que despontar com possibilidade de quebrar a polarização Bolsonaro/Lula (não necessariamente nesta ordem).

BOAS CONVERSAÇÕES – Quem iniciou as conversações na terceira via foi o pré-candidato Henrique Mandetta, que se lançou antes da fusão de DEM e PSL, criando o União Brasil, que pode se tornar o maior partido do país. E o governador tucano João Doria então propôs que o candidato que estiver mais forte seja apoiado pelos demais.

Mandetta apoiou imediatamente, é claro, e também o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Em seguida, a ideia foi aceita pelo governador gaúcho Eduardo Leite, que disputou as prévias do PSDB, e também por Sérgio Moro (Podemos) e Luiz Felipe d’Avila (NovoJ).

Ficaram faltando Ciro Gomes (PDT), Simone Tebet (MDB), que somente agora está sendo oficialmente lançada, e o Cabo Daciolo (Brasil 35), também recentemente confirmado na disputa.

CIRO E MORO – É claro que os beneficiários desse acordo são Ciro Gomes e Sergio Moro, que desde sempre vêm disputando o terceiro lugar nas pesquisas.

O mais curioso nessa disputa paralela é que o pré-candidato Sérgio Moro, sem experiência política e que participa de sua primeira campanha eleitoral, está se relacionando cada vez mais com os demais candidatos, visando a alianças futuras, e já confirmou que abrirá mão da candidatura em favor do concorrente que estiver à sua frente nas pesquisas.

Enquanto isso, Ciro Gomes, com vasta experiência política e eleitoral, não busca se relacionar com os demais candidatos e está batendo forte em Moro, com se isso pudesse atrair mais eleitores, embora o efeito possa ser contrário.

###
P.S. –
Desse jeito, Ciro entrega a terceira via de bandeja para o ex-juiz Sérgio Moro, que tem pouco telhado de vidro e só pode ser “acusado” de tentar combater a corrupção e a criminalidade no país. Ainda hoje, vamos publicar um artigo de conhecido criminalista de São Paulo que mostra o importantíssimo legado de Sérgio Moro no Ministério da Justiça, em apenas um ano e quatro meses de gestão. É um texto de leitura obrigatória (C.N.)

9 thoughts on “Moro não responde aos ataques de Ciro e articula alianças com os candidatos da terceira via

  1. Ele queria ser do STF. Agora ficou quase na obrigação de ser candidato. Como tem pouca rejeição e tá limpo, é candidato muito forte. O mais provável é que vá para o segundo turno e está costurando coisas do tipo “se eu não for te apoio”. Dá resultado com calculistas como ele. Quando ele for falar com o PT, me avisem. Kkk!

    • Sou obrigado a concordar com editor chefe.

      Os inimigos de Moro são Bolsonaro e Lula PT.

      Tiroteio, chumbo trocado é com eles..

      CIRO GOMES não tem nada que se meter, neste momento.
      Deixa eles sangrarem…

      De outra banda, Lula prudentemente não é candidato pois, não houve a convenção partidária e seu processo está stand by.

  2. “Da cabeça de juiz, bumbum de bebê” e da vontade de broxanarista “arrependido” os resultados serão sempre os mesmos.

    MoroBolso 2.0 é a “nova” aposta dos mesmos que fizeram vistas grossas à chapa apoiada pelas forças Narcomilicomilicianas.

  3. Moro está se promovendo para no dia D e na hora H dar seu apoio a qq um que o apoie para a Câmara ou ao Senado.
    Ele sabe que vai precisar e muito da “imunidade parlamentar” quando for processado pela perseguição direcionada à Lula.

  4. Prezado editor, o candidato Moro ainda não se pronunciou sobre o processo de Privatizações, se vai continuar com a venda do patrimônio público. Ciro Gomes já declarou que é contra, um ponto a meu juízo, a favor do pedetista.
    Nesta segunda feira, o ex presidente da Petrobrás, Roberto Castelo Branco, demitido este ano pelo Presidente Bolsonaro, por não conter o aumento dos combustíveis, expôs em artigo na página A4 do Estadão, o seu júbilo e uma certa ponta de orgulho, com a batida do martelo da primeira Refinaria do Brasil, inaugurada em 1950 na Bahia, batizada com o nome Mataripe e depois rebatizada de Landulpho Alves.
    Foi vendida para o Fundo Árabe Mubadala Capital/ Abu Dhabi dos Emirados.
    Castelo Branco afirmou, que no discurso da sua posse, na presidência da Petrobrás prometeu que a nossa maior empresa não ficaria sozinha na Indústria do Refino, sob a alegação de que o monopólio restringe a liberdade.
    O economista explanou todas as dificuldades para chegar a esse momento épico, se encerrando com o fechamento da transferência da Refinaria para o Fundo, com o nome original de Mataripe, agregando juntamente com a Infraestrutura de logística, os terminais e os dutos de petróleo para a propriedade da Mubadala Capital, por U$ 1,65 bilhão.
    Completada essa primeira venda da Refinaria da Petrobrás transferindo o patrimônio público para o particular, ainda falta vender mais 7( sete) Refinarias.
    Faltou ao economista Roberto Castelo Branco explicar ao distinto público, que o custo de uma Refinaria desde a planta até sua inauguração, custa mais de 10 bilhões de dólares e leva 10 anos para começar a dar lucros.
    O Fundo Árabe Mubadala pegou uma estrutura funcionando, com pouquíssimos investimentos em modernização da infraestrutura existente e funcionando, devido ao rigor da empresa petrolifera, na manutenção de seus ativos nas estruturas em Terra e nas Águas Submarinas.
    Foi um bom negócio para o Fundo Árabe, tenho minhas dúvidas se foi bom para o Brasil.
    O que diriam os militares nacionalistas, da década de 50, que lutaram para criar a Petrobrás enfrentando toda sorte de boicote dos países que exportavam combustíveis para nós, com esse quadro de desmonte, que estamos assistindo inertes?
    Acho que não obterei nenhuma resposta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *