Moro tem se reunido com pastores evangélicos, tentando tirar votos de Lula e Bolsonaro

 (crédito: Missionário R.R. Soares/Instagram/Reprodução)

R.R. Soares foi um dos pastores procurados por Sérgio Moro

Ingrid Soares e Cristiane Noberto
Correio Braziliense

Pré-candidato à Presidência da República, o ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos) tem tentado atrair a confiança da ala evangélica, apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (PL). De acordo com o mais recente levantamento do Ipec (Inteligência em Pesquisa e Consultoria), para as eleições deste ano, esse segmento está dividido entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o atual chefe do Executivo.

Na pesquisa, 34% do grupo religioso disse ter intenção de votar no petista, enquanto 33% afirmaram que optarão por Bolsonaro. O ex-ministro, por sua vez, apareceu apenas com 7% da preferência.

MORO SE MEXE – Para tentar reverter a situação, Moro tem promovido encontros com representantes desse eleitorado. O principal interlocutor do ex-juiz é Uziel Santana, fundador e ex-presidente da Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure). Ele tem ajudado na coordenação da pré-campanha e apresentado o político do Podemos como um “conservador moderado e democrático”.

No fim do mês passado, Moro se reuniu com o pastor R.R. Soares, fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus. Já no último dia 7, dedicou parte de sua agenda na Paraíba ao pastor Estevam Fernandes.

“Ouvir e aprender com pessoas de princípios e valores é essencial neste projeto de construir um Brasil mais justo”, escreveu Moro, no Twitter. Ao todo, ele já se reuniu com cerca de 40 líderes evangélicos.

VALORES CRISTÃOS – Ainda que parte do segmento demonstre insatisfação com o governo, Bolsonaro ainda é um nome forte no meio por defender os “valores cristãos”. Segundo o bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, deputado Gilberto Abramo (Republicanos-MG), mesmo que o eleitorado das igrejas esteja dividido, é “óbvio que o evangélico vai procurar quem defenda seus princípios”.

O parlamentar frisou que o assunto Moro não está sendo discutido pelo partido, do qual é presidente estadual, mas ele mostrou cautela em relação ao pré-candidato.

“O meu sentimento é de que há questionamentos quanto a índole dele. Um juiz que quebra as regras, será que ele também não quebrará ao assumir um mandato como presidente? Essa preocupação existe em várias pessoas”, sustentou.

DIVISÃO RELIGIOSA – Na avaliação do cientista político André César, sócio da Hold Assessoria, há dois grupos de evangélicos: os históricos, como batistas, presbiterianos, anglicanos e neopentecostais.

Segundo o especialista, é este último grupo é que está mais dividido. “Bolsonaro começa a enfrentar uma resistência porque Lula chegou e está se colocando como alternativa. Ele ganha espaço, pois as pessoas já o conhecem”, enfatizou.

César destacou que Moro é um desconhecido se comparado a Bolsonaro, que está com a máquina na mão, e Lula, que tem legado. “Moro é um cara novo, muito diferente. Quem quer ser presidente, tem de estar no meio desse eleitorado. O problema é que não vejo como vai fazer isso”, comentou.

8 thoughts on “Moro tem se reunido com pastores evangélicos, tentando tirar votos de Lula e Bolsonaro

  1. A imprensa brasileira traidora da nação é quem criou essa palhaçada de que “eleitorado protestante”.

    Mais uma estratégia dos organismos internacionais que agem aqui dentro para trazer cizânia, e onde a mídia brasileira é a mais descarada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.