Morte de Zavascki paralisa no Supremo o processo para afastar Pimentel

Resultado de imagem para fernando pimentel

Foro privilegiado deixa Pimentel impune

Carolina Linhares
Folha

Deputados de oposição ao governo Fernando Pimentel (PT), em Minas Gerais, estudam a possibilidade de fazer com que uma ação paralisada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki, morto na última quinta (19), volte a ser julgada pelo tribunal. Em dezembro, o plenário do STF começou a analisar uma ação proposta pelo DEM que questiona se a Assembleia Legislativa de Minas precisa dar autorização para que o governador possa ser processado criminalmente. O ministro Teori, contudo, pediu vista, ou seja, mais tempo para analisar o caso, que agora está parado em seu gabinete.

Segundo a assessoria do STF, os casos do ministro Teori, salvo exceções, serão herdados pelo seu substituto, que deve ser indicado pelo presidente Michel Temer e sabatinado pelo Senado Federal. Não há prazo para que isso ocorra.

A oposição, porém, quer consultar advogados sobre a possibilidade de a ação voltar para o plenário sem o voto do ministro Teori. A interpretação, nesse caso, é a de que o pedido de vista é pessoal e, já que o ministro não compõe mais o plenário, o julgamento poderia ser retomado.

REGIMENTO DO STF – Enquanto essa possibilidade não é confirmada, a orientação da oposição é aguardar a substituição de Teori. “Cabe agora, conforme previsto no regimento do STF, que nós aguardemos de forma serena e tranquila, a indicação de um novo ministro para que o processo volte a tramitar, afirmou à Folha o deputado estadual Gustavo Corrêa (DEM).

A liderança do governo na Assembleia e deputados do PT, partido de Pimentel, preferiram não comentar. Pimentel foi denunciado duas vezes pela Procuradoria-Geral da República no âmbito da Operação Acrônimo. A Corte Especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que trata casos relativos a governadores, entendeu que a Constituição de Minas determina a autorização prévia dos deputados estaduais para que as denúncias sejam aceitas e remeteu a primeira denúncia para a Assembleia.

O DEM, partido de oposição a Pimentel, entrou com ação no STF para questionar essa interpretação. Atualmente, o governador de Minas tem a maioria dos deputados a seu favor.

DOIS VOTOS – Antes do pedido de vista, o relator do caso, ministro Edson Fachin, votou contra a necessidade de autorização dos deputados, mesmo entendimento do ministro Luís Roberto Barroso.

Segundo Pedro Estevam Serrano, professor de direito constitucional da PUC-SP, não há uma regra específica sobre o que ocorre com o pedido de vista de um ministro que morre. Mas, de acordo com ele, não há justificativa para acelerar o processo. “Não é um caso urgente, então deve aguardar que o novo ministro assuma”, diz.

“O pedido de vista não é só do ministro Teori, mas da cadeira que ele ocupava no STF. E o novo ministro deve se pronunciar para a ação prosseguir”, completa, citando ainda o precedente do ministro Menezes Direito, morto em 2009, e que, na época, havia pedido vista em um processo a respeito da Lei da Ficha Limpa, que só voltou a tramitar quando o ministro Luiz Fux o substituiu.

CABE AO RELATOR – Para o professor de direito administrativo da USP Gustavo Justino de Oliveira, no entanto, cabe ao relator, Fachin, colocar a ação de volta na pauta do plenário do Supremo. “O prazo do pedido de vista vai vencer e acho que o relator dará continuidade. Se ele tiver alguma dúvida contundente sobre como agir nesse caso, vai consultar a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia”, afirma.

O professor de direito do Estado da USP Floriano de Azevedo Marques Neto concorda que o tema possa voltar ao plenário. “Com a morte do ministro perde sentido manter-se o julgamento bloqueado por pedido de vistas. Qualquer ministro pode postular perante a presidência do STF que coloque novamente o assunto na pauta de votação”, afirma.

Nesse caso, o julgamento poderia ocorrer com um voto a menos. O professor afirma ainda que a prerrogativa de levar o caso a julgamento é exclusiva da presidente Cármen Lúcia.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
Na teoria conspiratória, o ainda governador Pimentel deveria ser um dos principais suspeitos pela morte de Zavascki. É estranho que Pimentel ainda não tenha sido lembrado, parece um esquecimento como aqueles da ministra da AGU. (C.N.)

13 thoughts on “Morte de Zavascki paralisa no Supremo o processo para afastar Pimentel

  1. Cn,
    Para tomar o poder essa q está no planalto souberam conspirar, por q não haveriam de fazê-lo agora q encontra-se por um fio toda a maracutaia vitoriosa? Lembre-se do enfermeiro q matou 120 anciãos. Começou assim: faz com, não dá em nada; faz com outro, também não. É assim, sucessivamente.

  2. Carlos Newton tem toda a razão. Se considerarmos, que o acidente em que levou o ministro Zavascki a morte foi criminoso, sem dúvida alguma o Pimentel seria o maior suspeito.
    Vai ficar na história: o PT, com a ajuda do PMDB foram os partidos que destruíram o Brasil e o levaram a um atraso de mais de 30 anos.

  3. Salvo esteja enganado o fato de teori zavascky ter pedido vistas e ter sentado em cima do processo, não havendo previsão de quando seria retomado o julgamento, enquanto vivo ele fosse, só favorecia a Pimentel.

  4. Turbulência não derruba apenas avião…

    O governo federal defende que a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Carmen Lúcia, escolha o nome de um relator para os processos da Operação Lava Jato antes de definir a homologação das delações premiadas de executivos de empreiteiras.

    Ou seja, na avaliação da equipe presidencial, a ministra não deveria homologar a delação da Odebrecht durante o período do recesso do Judiciário, como é defendido por procuradores para evitar maiores atrasos no processo do acordo da empreiteira.

    Assessores presidenciais destacam que, assim que a homologação for feita, o conteúdo dos depoimentos dos executivos da Odebrecht deve ser divulgado, o que tende a gerar turbulências para o Palácio do Planalto e seus aliados. Daí que o governo prefere que a homologação não aconteça agora.

    ( Uol ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *