Mourão diz que resposta da China aos ataques de Eduardo Bolsonaro foi “diplomaticamente” errada

Mourão tenta minimizar as asneiras de Eduardo “Bananinha”

Guilherme Mazui
G1

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira, dia 27 que a Embaixada da China no Brasil agiu “diplomaticamente errado” ao usar as redes sociais para repudiar uma postagem do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

Na segunda-feira, dia 23, o parlamentar publicou que o governo brasileiro havia declarado apoio a uma “aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”. Eduardo apagou a postagem na terça, mesmo dia em que a embaixada postou nota de repúdio às declarações. A embaixada disse que as afirmações do filho do presidente são “infundadas” e “solapam” a relação entre os dois países – a China é o principal parceiro comercial do Brasil.

“DIPLOMATICAMENTE ERRADO” – “Eu acho que, diplomaticamente, está errado isso aí. É a segunda vez que o embaixador chinês reage dessa forma. Dentro das convenções da diplomacia, o camarada se sentindo incomodado com qualquer coisa que tenha ocorrido no país, ou ele escreve uma carta para o ministro de Relações Exteriores ou ele vai ao Itamaraty e apresenta suas ponderações. E não via rede social, porque aí vira um carnaval esse negócio”, disse Mourão.

Questionado se o governo brasileiro pretende intermediar uma pacificação no tema – pedindo, por exemplo, para Eduardo Bolsonaro amenizar as críticas –, Mourão disse achar que o deputado já recebeu “alguma recomendação” nesse sentido.

“MUITO CORRETO” – “Quando o deputado postou e depois apagou, acho que ele deve ter recebido alguma recomendação para tirar aquilo”, disse. Mourão é um dos interlocutores do governo junto à China, já que representa o Brasil na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban). Mourão também disse que o Itamaraty está “muito correto” ao enviar réplica à nota de repúdio divulgada pela embaixada chinesa.

Segundo o jornal “O Globo”, nessa resposta, o Ministério de Relações Exteriores apontou conteúdo “ofensivo e desrespeitoso” na nota da China e disse que o texto prejudica a imagem do país junto à opinião pública. A mensagem também criticou o uso da rede social para tratar de temas de interesse dos dois países.

DISPUTA DO 5G – China e EUA travam uma guerra comercial e tecnológica em relação ao 5G, a internet móvel de quinta geração. No Brasil, o leilão das frequências deve ser realizado em 2021 e o governo avalia se definirá alguma barreira à empresa chinesa Huawei como fornecedora de equipamentos para o 5G.

Eduardo Bolsonaro publicou na segunda em uma rede social que “o governo Jair Bolsonaro declarou apoio à aliança Clean Network, lançada pelo governo Donald Trump, criando uma aliança global para um 5G seguro, sem espionagem da China”.

O apoio ao “Clean Network” foi declarado no último dia 10 em cerimônia no Itamaraty. A definição dos parâmetros do leilão do 5G, no entanto, cabe à Anatel – que, segundo a Lei Geral de Telecomunicações, goza de “independência administrativa, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes e autonomia financeira”.

MENSAGEM APAGADA – O deputado apagou a mensagem no dia seguinte, porém a embaixada da China no Brasil afirmou que as declarações do parlamentar seguem “os ditames dos Estados Unidos de abusar do conceito de segurança nacional para caluniar” o país asiático e cercear as atividades de empresas chinesas.

Na nota, os representantes chineses também disseram que as falas do deputado são “infundadas” e “indignas” com o cargo de presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara.

ATRITO REPETIDO – O atrito por rede social com a embaixada da China não é o primeiro registrado por aliados do presidente Jair Bolsonaro. Em abril, o então ministro da Educação, Abraham Weintraub, publicou insinuações de que a China poderia se beneficiar, de propósito, da crise mundial causada pelo coronavírus. Depois, ele apagou o texto.

Além do conteúdo da mensagem, Weintraub também ofendeu os chineses na forma do texto ao imitar a fala do personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, que, ao falar, troca a letra “R” pela “L”. O ministro ridicularizou o fato de alguns chineses, quando falam português, efetuarem a mesma troca de letras.

A embaixada chinesa no Brasil, também na rede social, divulgou uma resposta repudiando a fala do ministro e o embaixador, Wanming Yang, cobrou uma declaração oficial do governo sobre a fala de Weintraub.

DEPOIMENTO –  Mourão disse concordar com os argumentos do Advocacia-Geral da União (AGU) ao formalizar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a desistência de Bolsonaro de prestar depoimento à Polícia Federal no inquérito que apura suposta tentativa de interferência dele na autonomia da corporação.

Segundo a AGU, a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril “demonstrou completamente infundadas quais das ilações” que resultaram na abertura do inquérito, feita a partir de relatos do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro. “Concordo com o presidente nisso ai. É o tipo de negócio que não dá em nada”, disse Mourão.

7 thoughts on “Mourão diz que resposta da China aos ataques de Eduardo Bolsonaro foi “diplomaticamente” errada

  1. Deputado irresponsável, parcial e tendencioso! Existem dois estados terroristas e bisbilhoteiros, reconhecidamente, pela comunidade internacional: EUA e Isarael:

    A Marinha, o Exército e o Itamaraty foram clientes de empresa de criptografia suíça que tinha vínculos com a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos, a CIA. 

    Segundo reportagem do jornal O Globo, de 1950 a 2018, a Crypto AG forneceu a 120 países aparelhos de comunicação secreta para uso de chefes de Estado, militares e diplomatas, por exemplo, mas nunca informou que possuía ligação com a CIA. Em 2019, a companhia mudou de donos. 

    De acordo com o jornal, isso possibilitou espionagem por parte de norte-americanos e, em boa parte do tempo, de alemães. O Brasil teria adquirido, entre 2014 e 2019, produtos para equipar os submarinos do programa Prosub, que ainda está em

    https://br.sputniknews.com/brasil/2020112216483954-espionagem-marinha-brasileira-usou-criptografia-de-empresa-controlada-pela-cia-diz-jornal/

  2. Alguém precisa informar ao General que a internet é o melhor canal para barracos e baixarias. E neste terreno os Bolsonaros detém uma larga experiência. Como consequência o Brasil não pode acusar de a China ter usado o mesmo canal para a devolução da M.

  3. O nosso vice, agora está querendo eclipsar o Barão, dando lições de protocolo e diplomacia.

    Entendo eu, neófito nas lides de chancelaria, que o embaixador chinês agiu acertada e ponderadamente respondendo ao deputado, na dúvida do que ele representa, no mesmo canal do ataque.

    Não demora e o clã Bozo vai querer comparar Olavo de Carvalho com Confúcio.

  4. Com a máxima vénia, entendo que o embaixador chinês deu muita importância a um não importante. O “Eduardinho” falou por conta própria. Não é governo e não falou pela câmara/comissão exterior. Ou seja, falou por falar! Terminou dando ibope para uma nulidade! Fico imaginando se um João ninguém dissesse o mesmo, que valor teria? Deputadinho, que alias não faz nada e só recebe, vem merecendo espaços e fama que não tem e nem mereceria!

  5. Mourão é um cínico.

    Está,humildemente e até de forma subserviente e conivente com Bolsonaro Zero Zero,porque quer sair bem na foto com o Capetão.

    Mourão está só aguardando que a conjuntura nacional degringole de vez e o caos generalizado se instale e,certamente,Bolsonaro Zero Zero,pretenda
    dar o golpe ditatorial para “restabelecer a ordem geral.”

    E Bolsonaro Zero Zero,não tendo o aval dos
    generais de alta patente,Mourão se apresenta (em off) para “moderadamente”
    restabelecer a ordem geral no país.

    PS-Tem horas que cansa ver essa luta pelo poder pessoal.

  6. Já que o Eduardo bananinha gosta de bulir com dragão, em vez de ficar chutando o dragão chinês, que é meio perigoso, poderia bulir com dragões menos perigosos como a Dilma e a Jandira Feghali.

    Acho que o Eduardo Bananinha tem vontade se ser São Jorge, ele gosta mesmo de cutucar dragões.

  7. Boa noite , leitores(as):

    Senhores Guilherme Mazui ( G1 ) , Carlos Newton e
    Marcelo Copelli , será que o vice-presidente do Brasil Hamilton Mourão , tomou gosto pelo poder e fez ” PACTO C/ DEUS E O DIABO ” , tal como o titular fez , para defender o indefensável ?
    Pois literalmente o governo Chinês tem todo o direito de suspender todas e quaisquer relações comerciais e diplomáticas ” IMEDIATAMENTE ” c/o Brasil , uma vez que vem sofrendo ofensas e desrespeito desde a eleição de 2018 , estimulados e incentivados pelo próprio governo , digo, presidente jair bolsonaro dito Brasileiro .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *