Mourão não se cala e diz que Lorenzoni deixará o governo se houver ‘ilicitude’

Resultado de imagem para mourão em bh

Mourão fez palestra e deu várias entrevistas em Minas

Deu em O Tempo
(Estadão Conteúdo)

O vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão (PRTB), afirmou nesta quarta-feira (5) em Belo Horizonte, que, se forem encontradas irregularidades na investigação aberta contra o futuro ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro (PSL), Onyx Lorenzoni (DEM), o auxiliar do presidente eleito terá de deixar o futuro governo.

Na terça-feira (4) o ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin atendeu a pedido feito pela Procuradoria-Geral da República e determinou a abertura de investigação para analisar as acusações de caixa 2 feitas por delatores da J&F a Lorenzoni.

ILICITUDE – “Uma vez que seja comprovado que houve ilicitude, é óbvio que terá que se retirar do governo. Mas, por enquanto, é uma investigação”, disse o militar, repetindo as afirmações de Bolsonaro.

Mourão afirmou ainda que poderá participar da articulação política do governo se assim for determinado por Bolsonaro. O general voltou a dizer ainda ser “o escudo e a espada” de Bolsonaro. “O escudo defende, e a espada ataca antes de ele ser atacado”, disse.

O general participa nesta quarta-feira na capital mineira de encontro com empresários. Mourão disse que, apesar de não haver “aceno neste sentido”, poderá não só ele, mas também o general Santos Cruz, participar das articulações do governo.

INDEFINIÇÃO – “A questão da coordenação política, da ligação com o Congresso, o presidente vai definir se vai ficar com o ministro Onyx, ou se terá parcela dela nas mãos do general Santos Cruz (futuro ministro-chefe da Secretaria de Governo), e, talvez, se o presidente determinar para mim que determinadas ligações sejam feitas, eu o farei. Então, por enquanto, não há nenhum aceno neste sentido”, disse.

De acordo com o depoimento de delatores da J&F, Lorenzoni teria sido favorecido com o pagamento de R$ 100 mil em 2012 e R$ 200 mil em 2014. Na manifestação enviada pela PGR ao Supremo na semana passada, Raquel Dodge pediu a separação dos trechos das delações da J&F sobre caixa 2 específicos sobre dez autoridades que eram deputados e senadores à época dos fatos narrados e que seguirão com prerrogativa de foro em 2019.

Eles serão alvo de procedimentos semelhantes, que podem resultar na abertura de inquérito ou em formulação de denúncia. Além de Onyx, estão na lista cinco deputados federais.

DIZ LORENZONI – O futuro ministro da Casa Civil chamou de “bênção” a abertura de uma investigação, autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), para apurar denúncias de pagamentos de caixa dois da JBS a ele, nas campanhas de 2012 e 2014.

“Para mim é uma bênção porque vai permitir que tudo se esclareça”, disse Lorenzoni nesta terça-feira, após deixar uma reunião com a bancada do PSDB na Câmara. “Não tenho nenhum problema com isso. Ao contrário, é a chance de resolver.”

Mais tarde, após se encontrar com deputados do PSD e também pedir apoio ao governo de Jair Bolsonaro, Lorenzoni disse ter “preocupação zero” com as apurações. “Já resolvi minha questão espiritual. Entre carregar mancha e ter uma cicatriz, fico com a cicatriz. Sempre fui um combatente contra a corrupção e vou continuar sendo”, afirmou.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG
O comportamento de Mourão mostrou que ou presidente Bolsonaro não ordenou que o vice se calasse, desmentindo a manchete do site de O Globo, ou o general está pouco ligando para as ordens do futuro chefe do governo. Mourão passou o dia em Belo Horizonte, deu uma entrevista atrás da outra, não só comentou a delicada situação de Onyx Lorenzoni, como  anunciou a advogada e pastora evangélica Damares Alves como ministra dos Direitos Humanos, Família e Direitos da Mulher. Falou também sobre a crise econômica, a reforma trabalhista e as relações entre União, Estados e municípios, entre outros assuntos. Será que Bolsonaro realmente mandou Mourão ficar calado? Há duas hipóteses: ou general se revoltou e desobedeceu a ordem de Bolsonaro ou o Globo publicou uma notícia tipo fake news. (C.N.)

10 thoughts on “Mourão não se cala e diz que Lorenzoni deixará o governo se houver ‘ilicitude’

    • Pode ser que tenha pedido para não falar sobre algum assunto. A imprensa que faz Fake News gosta de fantasiar e dar uma enfeitadinha na notícia para vender lagartixa como dragão.

  1. Ainda bem que nosso futuro Presidente tem bastante estrada percorrida.
    Estas futricas fazem parte do cenário político nacional.
    Estou bem confiante de que meu voto foi bem posto.

  2. E sobre o Paulo Guedes?

    Porque o Silêncio sobre o futuro ministro Paulo Guedes?

    Blindaram ele?
    Só vai aparecer pra tomar posse no ministério?
    E aí, escrever um novo final para a denúncia feita pelo Previc?

  3. A imprensa, ao fazer esses fuxicos, está apenas esquentando os músculos para o bombardeio pesado de fake news que lançará sobre o governo Bolsonaro a partir de janeiro.

  4. “Há duas hipóteses: ou general se revoltou e desobedeceu a ordem de Bolsonaro ou o Globo publicou uma notícia tipo fake news.”

    Como gostam de manipular matérias, talvez deveria considerar que esta própria matéria do O Tempo é fake news.

  5. Tudo mimimi.
    Tufo Cortina de Fumaça para desviar o interesse daquilo que realmente é importante.
    Que é as denuncias e as investigações contra o Sr. Paulo Guedes.
    Estas sim, diz o MPF serem robustas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *