Mourão tem ‘agenda paralela’ com políticos da oposição, empresários e embaixadores

Hamilton Mourão

Mourão tornou-se o vice mais atuante desde Aureliano Chaves

André Shalders
Estadão

Com o presidente Jair Bolsonaro em viés de baixa e mais isolado, o general Hamilton Mourão montou uma “agenda paralela” de encontros com adversários do governo no Congresso e intensificou as relações com magistrados, diplomatas e empresários. Ele passou a receber em audiências e turnês de viagens especialmente lideranças de partidos de centro. Uma boa parte desses eventos não foi registrada na agenda oficial.

Em Brasília, os encontros de Mourão ocorrem no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente, e no gabinete de trabalho no prédio anexo do Palácio do Planalto. O general recentemente recebeu nomes ligados ao PP, PSDB e MDB e atrai o interesse de conversas com representantes do PSD e do DEM.

MANTÉM-SE NO JOGO – É no espaço independente de interlocução montado na estrutura da Vice-Presidência que Mourão faz pontes com a política e o mercado e se mantém no jogo na reta final do governo, observam interlocutores.

A decisão do general de não ser anulado no cargo, ressaltam, foi tomada no final de julho, quando Bolsonaro disse em entrevista a uma rádio de João Pessoa que vice é como cunhado, você “casa e tem que aturar”. O presidente afirmou ainda que escolheu o militar da reserva para a chapa às pressas.

O vice-presidente Hamilton Mourão não passa recibo e continua recebendo políticos no Palácio do Jaburu e em seu gabinete no Palácio do Planalto.

CANDIDATURA – Há alguns meses, Mourão disse estar cogitando uma candidatura para o Senado pelo Rio Grande do Sul. Mais recentemente, houve especulações sobre uma possível candidatura ao governo do Estado do Rio de Janeiro. O prazo para mudar o domicílio eleitoral, hoje em Brasília, termina em abril.

Apesar dos elogios dos emedebistas, Mourão não é unanimidade no Congresso. Para o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), a figura do vice é “uma incógnita” para a maioria dos parlamentares.

“A figura dele cria um cenário diferente, em relação ao impeachment, dos outros. Você, ao ‘impitimar’ a Dilma, sabia quem seria o presidente (…), porque ele (Michel Temer) era da política. Ao ‘impitimar’ o Collor, se sabia quem era o presidente (Itamar Franco). Mas, se sair o Bolsonaro, não se sabe como será o novo presidente”, disse ele.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG Mourão tem o grande defeito de ser admirador do coronel Brilhante Ustra, o torturador. Mas também tem muitas qualidades, é preciso reconhecer. Eu o conheço pessoalmente, dos tempos em que estava na ativa, e acho que ele pode ser recuperável, desde que entenda que tortura é crime contra a humanidade, a partir da Convenção de Genebra. (C.N.)

3 thoughts on “Mourão tem ‘agenda paralela’ com políticos da oposição, empresários e embaixadores

  1. Em uma coisa todos concordamos, o Gral. Mourão é uma incógnita como político, mas não acredito que uma presidência dele poderia fazer sentir saudades do aloprado, receio, apenas de seu militarismo radical, mas não é carta fora do baralho, a maçonaria toda, está a postos por ele.

  2. Mourão deve ter qualidades como qualquer pessoa do planeta tem, mas para governar certamente não as tem, e arrisco dizer que é pior que Bolsonaro é Luiz Inácio.
    Um homem público que usa um escudo, que nem símbolo é, se um clube elitista, deixa bem a sua marca de ser sectário até nas mínimas aparências.
    Quem apostar nesse personagem vai perder de 7a1 porque está parecendo comandados do Felipão quem tomam for sem precisar ser dublados, pois eles próprios se driblam. Vejam o vídeo dos 7a1.
    Se Mourão assumir será pior que tudo que vimos até aqui pois da maneira ardilosa e sem brilho como ele se comporta seria a de governar.
    Por isso, é melhor deixar Bolsonaro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *