Na criatividade de Manoel de Barros, um poema pode nascer de uma simples pedra

Resultado de imagem para manoel de barros frasesPaulo Peres
Poemas & Canções

O advogado, fazendeiro e poeta mato-grossense Manoel Wenceslau Leite de Barros, no poema “A Pedra”, revela como um poeta pode ser inspirar em qualquer parte da natureza.

A PEDRA
Manoel de Barros

Pedra sendo
Eu tenho gosto de jazer no chão.
Só privo com lagarto e borboletas.
Certas conchas se abrigam em mim.
De meus interstícios crescem musgos.
Passarinhos me usam para afiar seus bicos.
Às vezes uma garça me ocupa de dia.
Fico louvoso.
Há outros privilégios de ser pedra:
a – Eu irrito o silêncio dos insetos.
b – Sou batido de luar nas solitudes.
c – Tomo banho de orvalho de manhã.
d – E o sol me cumprimenta por primeiro.

6 thoughts on “Na criatividade de Manoel de Barros, um poema pode nascer de uma simples pedra

  1. Dos muitos conceitos equivocados, estabelecidos pelos nossos antepassados, dois que se traduzem em PEDRA, acabaram-se PETRIFICANDO como verdade até hoje.
    -PetrÓleo: pensava-se que o Óleo tinha origem nas Pedras.
    -Siderúrgico: o que vem do céu. Como o primeiro contato do homem, com o Ferro, deu-se através de uma pedra em forma de meteorito, então “siderúrgico” também tornou-se adjetivo referente a ferro.
    -De Cor: (cor, cordis = coração em latim). Ex: sei a minha lição De Cor: de coração ou cordialmente. Por muito tempo o homem achou que memorizava com o coração.
    E o que isso tem a ver com pedra? Tudo! Não há pessoas que portam um coração de pedra?
    -Artéria: as primeiras impressões eram de que pelas artérias corriam AR, não sangue. Daí, Ar + Tério (Lugar onde ou por onde flui o Ar).
    -Melancolia: os gregos deduziram que o estado de espírito do ser humano dependia dos humores secretados pelo seu organismo. Aqueles que segregavam Melás Cholé (bílis escura), eles apresentavam tendência à depressão.

  2. Trees
    Joyce Kilmer – 1886-1918

    I think that I shall never see
    A poem lovely as a tree.

    A tree whose hungry mouth is prest
    Against the sweet earth’s flowing breast;

    A tree that looks at God all day,
    And lifts her leafy arms to pray;

    A tree that may in summer wear
    A nest of robins in her hair;

    Upon whose bosom snow has lain;
    Who intimately lives with rain.

    Poems are made by fools like me,
    But only God can make a tree.

Deixe uma resposta para Rue des Sablons Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *