Na ficção, a ‘nova classe média’ brasileira chega ao paraíso. Mas na realidade…

Carlos Newton

Chega a ser comovente o esforço do economista Marcelo Neri, que dirige o Centro de Políticas Sociais (CPS) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio, para propagar a ideia da ascensão da classe C, a nova “classe média popular” que teria se tornado o centro de gravidade da economia, da política e das relações sociais no Brasil.

Essa projeção está em “A Nova Classe Média: o Lado Brilhante da Base da Pirâmide” (Editora Saraiva), livro recém-lançado por Neri, e que busca reunir, organizar e condensar os inúmeros trabalhos e pesquisas que o CPS produziu nos últimos anos sobre a emergência da classe média popular no Brasil, um eufemismo para classificar a faixa que em 2011 recebia R$ 1.450 de renda familiar.

Jamais na História deste país de viu enganação semelhante. E o pior é que a imprensa engole um disparate desses e faz empolgadas reportagens a respeito, como se essa travestida classe média tivesse chegado ao paraíso, como no genial filme do diretor italiano Elio Petri. Que bom isso se fosse verdade. Mas o que se vê hoje é o marketing político sempre se sobrepondo à realidade, numa inversão de valores que merecem estudos sociológicos. Mas quem se interessa?

This entry was posted in Sem categoria. Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *